Início » Brasil » Urnas eletrônicas têm duas falhas de segurança em teste para eleições

Urnas eletrônicas têm duas falhas de segurança em teste para eleições

O TSE afirma que as falhas encontradas não afetam a votação, mas promete corrigi-las em breve

Victor Hugo Silva Por

A menos de um ano das eleições, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) fez uma nova rodada de testes de segurança em urnas eletrônicas. O evento é realizado desde 2009 e, desta vez, permitiu encontrar duas falhas no sistema eletrônico de votação.

TSE encontra falhas em urnas eletrônicas (Foto: Elza Fiúza/ABr)

Segundo o UOL, uma delas permitiu burlar barreiras de segurança do sistema voltado para incluir dados como a lista de candidatos e de eleitores nas urnas. Outra deixou alterar informações secundárias no sistema, sem interferir em registros de candidatos e eleitores.

O TSE garante que as falhas não comprometem o sigilo do voto ou a segurança das eleições. Elas foram encontradas em dois planos de ataque realizados por um grupo de investigadores da Polícia Federal. Ao todo, o teste de segurança contou com 13 planos de ataque às urnas eletrônicas.

O evento teve a participação de 22 investigadores divididos em cinco grupos, além de três investigadores individuais. Os técnicos da Justiça Eleitoral vão trabalhar para corrigir as vulnerabilidades e, em 2020, as urnas voltarão a ser testadas pelos investigadores da Polícia Federal.

O objetivo é verificar a efetividade dos reforços implementados no sistema eletrônico. O coordenador da Comissão Reguladora do Teste Público de Segurança do TSE, Giuseppe Janino, afirma que pontos com falhas em edições anteriores do evento foram corrigidas e, agora, se mostraram seguros.

“Houve achados importantes”, diz Janino sobre as vulnerabilidades encontradas este ano, de acordo com o UOL. “Vamos trabalhar no fortalecimento dessas barreiras e vamos chamá-los novamente para testar a eficácia. O sistema vai para a eleição muito mais fortalecido”.

Em seu teste, o TSE retira as 30 barreiras de segurança das urnas para simular um cenário com falhas que podem expor o sistema. O evento tem foco nas eleições marcadas para outubro de 2020, que ajudarão a escolher novos prefeitos e vereadores em todo o país.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Frederico Martins

Fale por vc.

Frederico Martins

Não cara. Deixa.... Realmente não são seguras.

wuhkuh

Então por favor fique na minha vaga de mesário, senhor trabalhador!

Luigi Lambri

mas e ai se foram modificadas antes, não é pq vc bateu na maquina e deu zero votos que ta tudo certo.

Frederico Martins

Num cofre não. Mas a partir do momento que são zeradas e carregadas com as informações em época eleição, sim. (Não num cofre, claro, mas com escolta 24h). Ou vc acha que ficam num galpão à exposição de portas abertas ?

Rodrigo

Devia ser seguro mesmo, quando o coroné de determinada cidade/estado mandava queimar as urnas na estrada ou quando o fiscal ideológico marcava um X no papel em branco de algum eleitor

Rodrigo
Prefiro urna eletronica que papel... agilidade na votação e melhor na contagem de votos...e menos suscetível a fraudes...
Rodrigo

Prefiro urna eletronica que papel... agilidade na votação e melhor na contagem de votos...e menos suscetível a fraudes...

Lancelot Camarini

Esse é o típico brasileiro, vagabundo, não importa se o resultado é uma fraude, desde que não tenha que trabalhar. É uma vergonha

Pepe

tem um caso famoso de um fiscal de las vegas que devia auditar os chips das maquinas para garantir que elas dessem o premio segundo a lei. Ele mesmo mudou a rom para dar premio quando uma sequencia exata fosse executada. foi pego por vencer 2x na mesma noite e por muito azar. Resumo. nada tao importante como a urna não pode ter com ser auditavel e recontavel. offline ou não.

mc

Concordo com essa linha de raciocínio,porém lembra do carro da Volkswagen que detectava quando era teste em laboratório e alterava os parâmetros do motor para fraudar as emissões de gás e passar nos testes?
Sinceramente,basta aqueles chips das urnas ter background para manipula os dados,como os chips não são fabricados por nós,um país se querer fraudar eleição(EUA ou CHINA) nossa,seria bem factível.

Vc citou sistemas que estao sempre disponíveis e 100% integrados a internet. não da pra comparar amigo.

E é. Meu ponto foi em relação ao equipamento e seu uso. Do jeito que o colega acima escreveu, da a entender que é algo que todo mundo pode brincar de hackear a qualquer momento.

DeadPull
"Em seu teste, o TSE retira as 30 barreiras de segurança das urnas para simular um cenário com falhas que podem expor o sistema."


Se disponibilizarem o sistema da urna eletrônica brasileira pra hackers profissionais em vez de "investigadores da polícia federal", em alguns minutos encontrarão uma biblioteca de Alexandria de vulnerabilidades, e nem precisa desativar as tais 30 barreiras de segurança.

Pepa

É voto eletronico com recontagem em papel se necessário. Caracas como tem anta comentando aqui.

Exibir mais comentários