Início » Telecomunicações » TIM defende aumento de preços na internet móvel e menos concorrência

TIM defende aumento de preços na internet móvel e menos concorrência

TIM tenta se reinventar com foco em consumidor de alto valor e defende que operadoras deixem de competir entre si

Lucas Braga Por

A TIM tem buscado formas de aumentar sua receita, e uma fala do CEO Pietro Labriola durante um evento com jornalistas deixa clara a intenção de cobrar mais por pacotes maiores de internet. Ele também defende a cobrança de serviços zero rating, e diz que as operadoras móveis deveriam deixar de competir entre si.

Pietro Labriola, CEO da TIM Brasil

Pietro Labriola, CEO da TIM Brasil

De acordo com o InfoMoney, o CEO afirmou que o consumo médio de internet móvel do brasileiro era de 150 MB há quatro anos, e hoje passa de 2 GB no pré-pago com o mesmo preço. O executivo disse que o brasileiro depende de internet e que existe uma “oportunidade muito grande” que o setor de telecomunicações não aproveita.

Esse tipo de conduta acaba contrariando o movimento das operadoras globais, que passaram a disponibilizar planos de internet móvel com franquias enormes ou mesmo tráfego ilimitado. Com a chegada do 5G, que permitirá altíssimas velocidades, não faz sentido ter um pacote de dados que pode se esgotar em poucos minutos.

Labriola ainda diz que as operadoras de celular deveriam deixar de competir entre si, e deveriam entender que a concorrência é com pequenos gastos da rotina do cliente, como cerveja e cigarro. No passado, ele já havia defendido o fim de uma guerra de preços entre as operadoras, citando principalmente a Oi e Nextel, que possuem planos mais agressivos.

Ao mesmo tempo que a operadora defende um aumento de preços, a concorrente Claro anunciou seus novos planos pré e pós-pago com maior franquia de internet sem nenhum reajuste.

TIM quer vender pacotes zero rating

É bem comum que as operadoras incluam aplicativos sem descontar da franquia, como WhatsApp e outras redes sociais. Para gerar receita, a TIM cita a estratégia de cobrar um pequeno valor pelo que hoje é oferecido com zero rating.

Ela já faz isso atualmente: clientes do pré-pago ou controle podem contratar um pacote mensal de R$ 20 por mês ou R$ 8 por semana que dá acesso ilimitado a redes sociais como Twitter, Facebook e Instagram.

A Vivo é outra operadora que trabalha com o modelo, tanto com pacote para redes sociais para o pré-pago e controle como no Vivo Easy, que comercializa diárias para uso ilimitado de redes sociais e aplicativos de streaming.

Com informações: InfoMoney, Mobile Time.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

kadu

É, eu devo estar errado, deve ser bem barato investir em infra pra entrar no mercado e deve ser só uma enorme coincidência que esse mercado é concentrado no mundo todo, inclusive em países liberais (EUA, Austrália, Chile, Reino Unido, Canadá e por aí vai, a lista é longa)

Marcio Maciel

ñ, é um mercado em que os próprios players pedem ao Estado para dificultar ao máximo a entrada de novos players, seja aqui ou nos EUA.

e o EUA é sim UM DOS mais abertos ao investimento privado, isso não quer dizer que ele seja 100% adepto do livre mercado, que não existam amigos do rei, que a política e os interesses particulares não ditem rumos e etc

Luigi Lambri

Já expliquei, mas repito de novo, liberalismo economico, quanto menos burocracia, mais empreendedorismo e por consequencia maiores salarios e menores preços.

Vc mesmo falou da burocracia e custo brasil, como que vc quer que melhore não consertando isso mas limitando o lucro?

Luigi Lambri

Não não acho que ele deva fazer nada, eu acho que o governo tem que gastar menos com funcionario e investir onde deve, não ter que tirar 30 bilhões do pagador de imposto pra dar pra estatal que da prejuizo.

Limite 1 milhão de reais dai ninguem vai se esforçar pra fazer nada, vamos voltar pra idade da pedra.

Adrian Dérick

Nos EUA o cenário pode ser pior, pois lá o homem mais rico dos EUA é o homem mais rico do mundo, mas os EUA tá em 13o lugar do IDH. Que solução você sugere para acabar com a desigualdade social para que os trabalhadores possam receber no mínimo uma renda suficiente para sustentar a si e sua família?

Adrian Dérick

O homem mais rico do Brasil é Joseph Safra, ele é dono do banco Safra, e a fortuna dele é estimada em US$ 25,2 bilhões, algo perto de 105 bilhões de reais. É muito dinheiro, né? Infelizmente não tem como saber os salários dos funcionários (óbvio), mas com a fortuna dele, você não acha que ele poderia pagar mais impostos, que cria escolas, hospitais etc? O Estado não pode obrigar ele pagar mais os funcionários devido a fortuna dele? Eu acho um absurdo uma pessoa ter uma fortuna tão grande assim enquanto 13,5 milhões de pessoas sobrevivem com menos da metade do salário mínimo. Para mim o limite que o indivíduo pode possuir é 1 milhão de reais, mas isso já seria socialismo.

Adrian Dérick

Eu sugiro alguma sugestão para resolver o problema dos péssimos salários dos trabalhadores e a alta desigualdade social do país senão intervenção do Estado. Lembrando que diz sobre os direitos universais, que o homem deve receber uma renda que lhe dê para sustentar a si e sua família, e que o salário mínimo atualmente deveria ser algo perto de R$ 4 mil segundo a DIEESE.

giovanni

Parei em: "Nesse caso, o presidente deve diminuir o lucro da empresa para pagar o aumento de impostos, tão benéfico para a sociedade"
Eu nunca ouvi tanta merda na minha vida...

danilodorgam

Eu fiz isso, que posicionamento merda esse dele

Luigi Lambri

Ai cara vc citou varios problemas que faz um produto ser caro e me fala que a solução é limitar o lucro? vc tem problema?

Luigi Lambri

Eu sei que vc quer, mas a questão que a sua solução é mais Estado, o mesmo que gera o problema, a solução é menos Estado, como vc mesmo falou do EUA, menos estado pra ter mais bancos, mais competição e menores preços, quem sai ganhando é o pobre, limitar lucro só vai fazer empreendedores saírem do país, ninguém vai investir aqui.

Como todo jovem socialista quer o melhor pro povo, mas com ideias erradas, como diz o ditado, o inferno tá pavimentado por boas intenções.

Adrian Dérick

O problema é o custo-Brasil. No meio disso tem a corrupção. Burocria surge como dificultar, atrapalhar, e o que eu tenho defendido aqui não visa atrapalhar, mas sim garantir os direitos universais de qualquer pessoa, que é receber uma renda suficiente para sustentar a si e sua família, e para isso ser possível no Brasil, tem que fazer uma manutenção no capitalismo, com intervenção do Estado para que o burguês não tenha uma piscina de dinheiro enquanto o pobre trabalhador ganha um salário mínimo.

Luigi Lambri

O problema é a burocracia estatal, dai pra resolver o problema que a burocracia estatal provou, vc pede mais burocracia estatal.

É um jenio.

Luigi Lambri

Não cara, não é pq respeita, é pq tem mais de 400 bancos, tem concorrencia, não é por respeito, é se vc aumenta as taxas o cara vai pro outro banco, tem mais 399 outros bancos pra ir e aqui, vc sai do BB, vai pra caixa, itau, bradesco ou santander, quanto opção né?

"Estado intervem apenas quando necessario" - Ou seja Minimo, não é igual aqui que tem uma burocracia desgraçada, até pra vc peidar tem que preencher 10 formularios, levar pra 3 agencias estatais diferentes esperar 40 dias, pra depois falarem que faltou um documento.

E Estado minimo com o FHC? Só pq privatizou meia duzia de empresas, faça-me o favor né.

Adrian Dérick

Talvez pq lá o banqueiro respeita os demais e a população ou pq lá o Estado intervém apenas quando necessário. Você diz ter mais de 400 bancos, mas se eles quiserem aumentar seus lucros comprando pequenos bancos e fundindo-se, não é muito difícil. Nem sempre algo que funciona em um país irá funcionar em outro, já citei o plano de Estado mínimo do FHC.

Exibir mais comentários