Início » Negócios » Uber lança relatório com dados sobre assédio e acidentes de trânsito

Uber lança relatório com dados sobre assédio e acidentes de trânsito

O documento revela que a Uber registrou 464 denúncias de estupro e 97 acidentes fatais, em 2017 e 2018 nos EUA

Victor Hugo Silva Por

A Uber apresentou pela primeira vez um relatório com dados sobre assédio e acidentes de trânsito nas viagens realizadas nos Estados Unidos em 2017 e 2018. O documento, que pode ser acessado neste link, destaca que 99,9% das corridas são finalizadas sem problemas, mas revela números até então desconhecidos.

Uber

No período analisado, a Uber registrou 464 denúncias de estupro, o equivalente a quatro por semana. Os números abrangem crimes cometidos tanto por motoristas, quanto por passageiros, e representam 0,00002% do total de 2,3 bilhões de corridas realizadas no período analisado.

"Embora essas denúncias sejam raras, toda denúncia representa um indivíduo que se apresentou para compartilhar uma experiência intensamente dolorosa. Mesmo uma denúncia é demais", publicou a Uber em seu relatório.

Os números aumentam se outros casos de assédio, como beijos não consensuais e tentativas de estupro, também são levados em consideração. Ao todo, a empresa registrou 5.981 casos do tipo em corridas nos Estados Unidos.

Segundo o levantamento, motoristas são vítimas de 45% dos casos de assédio. Porém, na ampla maioria dos casos de estupro, mais especificamente em 92% deles, as vítimas são clientes da plataforma.

Denúncias de assédio registradas pela Uber

"A publicação voluntária de um relatório que discute essas questões difíceis de segurança não é fácil", afirmou o diretor jurídico da Uber, Tony West. "A maioria das empresas não fala sobre questões como violência sexual porque isso as arrisca a atrair manchetes negativas e críticas públicas. Mas achamos que é hora de uma nova abordagem".

A Uber afirma que, desde 2017, triplicou a sua equipe de segurança que passou a contar com mais de 300 profissionais dedicados a atender denúncias de passageiros e motoristas. A empresa também tem investido em novos recursos de segurança para seu aplicativo.

Entre eles, estão o botão de acionar a polícia, a verificação de viagem e a gravação de áudio durante as viagens. Segundo a companhia, a verificação de antecedentes também ajudou a reduzir os crimes ao impedir que 1 milhão de motoristas fossem autorizados a realizar corridas. A verificação contínua dos motoristas já cadastrados permitiu a remoção de outros 40 mil motoristas em 2018.

Uber revela dados de acidentes de trânsito

Entre 2017 e 2018, a empresa registrou 97 acidentes fatais que resultaram em 107 mortes. Para oferecer uma comparação, a companhia lembrou que 36 mil pessoas morreram em acidentes de trânsito nos EUA apenas em 2018.

A média nacional do país é de 1,1 acidente fatal por 100 milhões de milhas (o equivalente a 160 milhões de quilômetros). Na comparação com números relativos, a Uber registrou uma taxa de 0,59, em 2017, e 0,57, em 2018 para a mesma distância percorrida.

Os números sobre acidentes menos graves não foram incluídos no relatório. A Uber diz que tomou essa decisão por entender que esses dados não são tão precisos. Isso porque, muitas vezes, o motorista não informa o acidente ou mantém o aplicativo ligado e não está, de fato, recebendo passageiros.

Com informações: Uber, CNET, TechCrunch.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Rodolpho Camargo

Tem que ver se foi exatamente isso que seu colega falou, além da forma como ele falou.

Credulos

Você nota isso facilmente quando uma pessoa ainda vem criticar seu comentário....O que p medico fez foi o minimo razoável e correto, mas a mente doente de algumas pessoas não conseguem ver isso, e a sociedade esta cheia dessas mentes.

Fabio Santos

Sendo médico você deve orientar pro lado positivo e não ser como alguns que fazem pouco caso, problema que está briga de ideologia faz pessoas desequilibradas se sentirem ofendidas até quando precisam de um sermão pelo seu próprio bem.

Louis

Não fazer juízo de valor sobre as pessoas é um bom começo e com isso seu amigo provavelmente vai mudar a conduta.

Fabio Santos

Denúncia de estupro no mundo moderno foi igual um colega teve mês passado num hospital ele citou moça você jovem bonita não use mais drogas ou tente se matar, foi feita uma ocorrência pela mesma dizendo que foi assediada, hoje está mais fácil incentivar a continuar a merda que dar uma colocação positiva.

Love

Pior que isso daí que vc contou não é nada impossível, um vizinho meu já contou que isso aconteceu, e o mais engraçado que o passageiro gay ainda levou uma amiga com ele, para garantir que tudo rolaria sem excessos xD

Eu ainda fiquei em dúvida de como o meu amigo tinha recusado o pedido, pois se o passageiro gay estava com uma testemunha ao lado dele, esse passageiro poderia reclamar de homofobia dependendo de como meu amigo dissesse -não-, perigoso ein...

zoiuduu .

... oras, se o passageiro nao quer mais é estupro

zoiuduu .

eu achei que era pro mundo inteiro

anderson
É mais complicado que isso. Uma solução para mitigar esse problema é instalar câmeras internas em cada veiculo, com os devidos avisos em banner dentro da cabine para que todos os passageiros saiba que o ambiente está sendo filmados. Já considerando que certos espertinhos desligará a câmera, que se crie uma solução para driblar esse pormenor. Agora digo umas coisa pra vocês leitores do tecnoblg: Existe passageiras e passageiros (gay) que faz chamada para uma corrida e, depois que chega no destino diz não ter $$ e, oferece uma "solução" pratica( aquilo que se faz com a boca você -sabe-onde) para pagar a corrida. Isso, o Uber não diz, né. Talvez tá ai um grande percentual dentro desse indicies de estupro, porque, a hora o sujeito homem dono do carro não se segura e, após receber o "pagamento" pensa que a pessoa, ele/ela quer mais, onde acaba acontecendo o estupro. Infelizmente, a sociedade gosta de se esconder atrás de muitas mascaras.
anderson

É mais complicado que isso. Uma solução para mitigar esse problema é instalar câmeras internas em cada veiculo, com os devidos avisos em banner dentro da cabine para que todos os passageiros saiba que o ambiente está sendo filmados. Já considerando que certos espertinhos desligará a câmera, que se crie uma solução para driblar esse pormenor. Agora digo umas coisa pra vocês leitores do tecnoblg: Existe passageiras e passageiros (gay) que faz chamada para uma corrida e, depois que chega no destino diz não ter $$ e, oferece uma "solução" pratica( aquilo que se faz com a boca você -sabe-onde) para pagar a corrida. Isso, o Uber não diz, né. Talvez tá ai um grande percentual dentro desse indicies de estupro, porque, a hora o sujeito homem dono do carro não se segura e, após receber o "pagamento" pensa que a pessoa, ele/ela quer mais, onde acaba acontecendo o estupro. Infelizmente, a sociedade gosta de se esconder atrás de muitas mascaras.

Antonio Alves

não seria o equivalente a quase 9 por semana?