Início » Negócios » Governo dos EUA vai investigar compra da Fitbit pelo Google

Governo dos EUA vai investigar compra da Fitbit pelo Google

Google pagou US$ 2,1 bilhões pela Fitbit, mas negócio passará por análise antimonopólio

Emerson Alecrim Por

Há pouco mais de um mês, o Google anunciou a compra da fabricante de wearables Fitbit, uma transação estimada em US$ 2,1 bilhões. Mas o negócio está na mira das autoridades americanas: o Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ, na sigla em inglês) irá investigar se o acordo viola leis antimonopólio ou gera problemas de privacidade.

Fitbit Versa 2

Para o Google, o negócio é importante porque deve ajudar, por exemplo, a companhia a enfrentar a Apple no mercado de smartwatches e outros wearables, que cresce à medida que as pessoas se interessam mais em monitorar atividades físicas e parâmetros de bem-estar.

Mas, para o DOJ, a compra da Fitbit pode permitir ao Google acumular mais dados sensíveis sobre usuários, inclusive informações confidenciais de saúde.

De fato, a quantidade de dados que a companhia passa a ter acesso não é inexpressiva: estima-se que a plataforma da Fitbit registre atualmente 28 milhões de usuários ativos no mundo todo, resultado dos mais de 100 milhões de dispositivos que a marca já vendeu.

Não é por acaso que a União Europeia manifestou preocupação com o negócio uma semana após a aquisição ter sido anunciada.

The Pancake of Heaven! / foto do Googleplex / onde fica a sede do google

Mas essa é só uma parte do problema que o Google poderá enfrentar. O governo dos Estados Unidos iniciou há alguns meses uma extensa investigação antimonopólio relacionada às gigantes de tecnologia do país. Sem nenhuma surpresa, o Google é uma das companhias que estão na mira.

Toda aquisição desse porte precisa passar pela aprovação de órgãos reguladores, mas como o Google já está sob investigação antitruste, a compra da Fitbit poderá ser submetida a uma análise ainda mais rigorosa: na maioria das vezes, cabe à Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC, na sigla em inglês) cuidar do assunto, mas o DOJ também analisará a fusão.

Se o negócio passar ileso pelo escrutínio dos reguladores, a compra da Fitbit pelo Google será concluída em 2020.

Com informações: New York Post, Reuters.

Mais sobre: , ,

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Highlander
O risco é depois de 1 ano o Google vender a preço de banana para alguma companhia chinesa como fez com Motorola!
Ed. Blake
Quem ouviu o tecnocast 129 sabe que o verdadeiro risco dessa história toda é o Google querer enfiar (ui) o Android Wear nos gadgets da FitBit.