Na última sexta-feira (10), a Uber fez um anúncio surpreendente: a partir de 1º de fevereiro, a companhia deixará de operar na Colômbia. A decisão foi tomada após autoridades do país determinarem a suspensão do serviço em atendimento a uma ação movida por uma empresa local que trabalha com táxis.

Uber

A tal empresa se chama Cotech e fornece tecnologia de comunicação para uma operadora de táxis. Em sua reclamação, aberta em 2016, a Cotech argumenta que a Uber favorece a concorrência desleal com os táxis por promover prestação de serviços de transporte de passageiros com carros particulares.

Desde então, o processo passou por várias idas e vindas, até que, em 20 de dezembro de 2019, a Superintendência de Indústria e Comércio da Colômbia (SIC) — órgão equivalente ao Cade no Brasil — se posicionou favoravelmente à Cotech e decidiu que a Uber deve suspender as suas operações em todo o país.

Para a SIC, a companhia realiza concorrência desleal ao violar normas de mercado e gerar desvio de clientela ao prestar serviço de transporte público individual de modo irregular. Por conta disso, todas as modalidades de serviço disponíveis no aplicativo da Uber deverão ser descontinuadas — o Uber Eats é exceção por ser um serviço de entregas.

Uber despedida Colômbia

Em nota, a companhia considerou a decisão arbitrária e destacou que a legislação colombiana tem várias brechas, dando como exemplo o fato de o funcionamento do serviço como aplicativo ser permitido pelo Ministério de Tecnologias da Informação, mas ser considerado ilegal como modalidade de transporte.

No Twitter, a Uber publicou uma imagem com os dizeres “seu Uber está indo embora da Colômbia”. Apesar do clima de despedida, a empresa diz que está recorrendo da decisão e utilizando todos os recursos legais disponíveis para continuar operando no país. A companhia está promovendo a hashtag #UnaSolucionParaUberYa para conseguir apoio popular.

Ainda de acordo com a Uber, a plataforma tem mais de 2 milhões de usuários na Colômbia, além de 88 mil motoristas cadastrados no país.

Com informações: BBC.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
18 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Guilherme Macêdo da Cruz (@guyilherme)

Estado atrapalhando a vida das pessoas. Nada de novo…

Ricardo (@ricardop)

88 mil pessoas desempregadas ou com redução da renda, tudo para beneficiar uma empresa…

Guilherme Macêdo da Cruz (@guyilherme)

Sim… Até os taxistas pedirem que essa parem também pelo mesmo motivo. Tudo isso pra manter um monopólio estatal. Gostou dessa análise? Nem tudo de empresas de tecnologia é bom, mas o estado só vem com solução para problemas que ele mesmo criou.

Luís Carlos (@Luis_Carlos)

Eu trabalho de Uber e estou muito a procura de um emprego de verdade.
Trabalhar como motorista de aplicativo é péssimo.

O motorista só tem obrigações. Tudo é baseado em umas tals diretrizes que só beneficiam ao usuário e a própria empresa. Porém a empresa procura o máximo fugir de responsabilidades quando o alvo é o motorista. Digo isso porque um usuário danificou meu veículo, e ao entrar em contato com a Uber, simplesmente enviaram aquelas respostas pré programadas sem um mínimo de consideração, sempre afirmando que eu sou o único responsável por resolver esse tipo de situação. Única coisa que sabem dizer é que lamentam o ocorrido.
Porém, se o motorista faz qualquer coisa que desagrade um usuário, é expulso da plataforma praticamente sem direito na defesa.
Estamos a 3 anos que o salário sobe, pouco mas sobe. Tudo na vida do brasileiro fica mais caro. As taxas da Uber porém se defasam a cada dia que passa fazendo com que os motoristas se tornem escravos “remunerados” pra tentar conseguir o ganha pão. São várias exigências impostas pela Uber pra alguém dirigir, mas com poucos cliques, qualquer pessoa pode se tornar um usuário. Todos vêem a foto do motorista, placa, etc. Mas ninguém tem qualquer informação do usuário. A falta de respeito e de segurança são fatores que ao meu ver, mereciam atenção por parte das autoridades e regularizar esse serviço é algo mais que necessário.
Leandro Alves (@KILLME)

Mas quem faz suas férias é você, o motorista não é funcionário da empresa, apenas usa o app para achar passageiro. Igual mercadolivre, vc usa para achar comprador ou vendedor.

Jonathan (a.k.a Halls) (@akahalls)

‘Você faz seu próprio horário’ todo mundo aqui falando que trabalha 10~12h por dia. Isso é fazer o próprio horário? lol

Leandro Alves (@KILLME)

Você só esqueceu do detalhe que, você só trabalha com o Uber se você quiser, se ele fosse seu patrão você teria que trabalhar quando ele quisesse.

É isso que a formalidade faz, você vai ter que ter horário, vai pegar parte do que você ganha e vai dar para o governo “guardar” para você e emprestar para as grandes empresas a juros baixos.

Ninguém é obrigado a utilizar o APP, cada um pode seguir o caminho que quiser. Empregos formais estão aí, se tem demanda por Uber hoje é pq as pessoas querem flexibilização.

Thiago Mobilon (@mobilon)

Bem, como a discussão já tá virando rinha ideológica e totalmente offtopic, acho seguro fechar isso aqui.