Início » Negócios » Xiaomi e Huawei se unem para concorrer com Google Play Store

Xiaomi e Huawei se unem para concorrer com Google Play Store

As chinesas Xiaomi, Huawei, Oppo e Vivo querem atrair mais desenvolvedores para suas lojas de aplicativos

Victor Hugo Silva Por

A Google Play Store tem a concorrência de outras lojas de aplicativos para Android, mas é dominante em todo o mundo, com exceção da China, onde é bloqueada. E, segundo a Reuters, é de lá que virá um novo rival, criado por Xiaomi, Huawei, Oppo e Vivo.

Google Play Store poderá ganhar concorrência de Xiaomi, Huawei, Oppo e Vivo

As empresas estão trabalhando no que é chamada de Global Developer Service Alliance (GDSA). Com o objetivo de enfrentar o Google, a iniciativa prevê a criação de um método para desenvolvedores levarem seus aplicativos de forma simultânea para as lojas das quatro fabricantes.

A solução simplificará a publicação de aplicativos e poderá fazer as empresas conseguirem uma parte da receita do Google com a sua loja de aplicativos. De acordo com a consultoria Sensor Tower, a plataforma faturou US$ 8,8 bilhões com apps, filmes e livros vendidos em 2019.

Para convencer os desenvolvedores a mudarem de loja, Xiaomi, Huawei, Oppo e Vivo prometem dar mais exposição aos aplicativos em suas lojas e cobrar uma comissão menor. A Google Play Store, por exemplo, fica com 30% do valor pago pelos usuários, o que chegou a afastar alguns parceiros.

Um dos casos mais conhecidos é o da Epic Games, que se recusou a levar Fortnite para a loja do Google e a Steam por conta das taxas. Em vez disso, a empresa decidiu lançar a versão do jogo para Android em seu próprio site e na loja da Samsung.

O fortalecimento das lojas de aplicativos ajudaria as quatro companhias chinesas a contornarem uma redução no ritmo das vendas de celulares. Para a Huawei, que lida com as sanções do governo dos Estados Unidos e não pode usar serviços do Google, a iniciativa é ainda mais relevante.

Em seu site, a GDSA sugere que a solução estará disponível em nove países, incluindo Índia, Indonésia, Rússia e Malásia. Ainda de acordo com a Reuters, ela estava prevista para ser lançada em março, mas o surto de coronavírus na China deverá afetar esse prazo.

Com informações: The Verge.

Comentários da Comunidade

9 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Marcelo

Por um tempo eu tentei usar como alternativa ao Google, a Galaxy Store. Ou os apps são defasados ou eles atualizam pela Play Store, mesmo baixados da loja da Samsung. Fora que apps “regionais” não tem lá.

Uma pena, pois a Samsung domina o mercado brasileiro e poderia ser uma alternativa muito válida.

­

Seria muito bom ter mais alternativas a Play Store. Ainda espero pela loja para Android da Epic Games (conforme o Trello deles indica).

Gabriel

Nem a própria Samsung dá valor pra sua loja. Os aplicativos dela, como o Samsung Internet, têm um atraso de meses pra atualizar em comparação com a Play Store.

Leandro Amaral

Uma coisa que não entendi no texto: se o objetivo é uma solução para aplicações lançarem em simultâneo nas duas lojas pq o desenvolvedor precisa ser convencido a mudar de loja?

Victor Hugo Silva

A ideia é fazer os desenvolvedores deixarem a Play Store e migrarem para as lojas de Xiaomi, Huawei, Oppo e Vivo. Em tese, o melhor seria seguir na Play Store, que tem um alcance maior. Mas eles poderiam ser convencidos por comissões menores das lojas e uma divulgação melhor que a do Google.

Vítor Gomes Neves Oliveira

Nem entendo o motivo daquela porcaria existir… A não ser os apps para Galaxy Watch, não vejo motivos de alguém usá-la.

Participe da discussão