Tecnoblog
Início » Negócios » Banco do Brasil pode ser privatizado para concorrer com fintechs

Banco do Brasil pode ser privatizado para concorrer com fintechs

Presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, diz que instituição deve ser privatizada para se adaptar ao modelo de open banking

O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, acredita que a instituição financeira deveria ser privatizada para concorrer melhor com as fintechs (startups de finanças) e para se adaptar ao modelo de open banking. A empresa não está na lista de estatais que serão privatizadas, como os Correios e a Telebras.

No open banking, seus dados financeiros de um banco poderiam ser compartilhados com outro banco através de uma API, para serem usados em apps e serviços de terceiros. Isso daria mais liberdade aos clientes e aumentaria a concorrência entre grandes empresas e fintechs. O modelo está em estudos no Banco Central.

“Na medida que se aprofundar esse novo mundo bancário de open banking e competição das fintechs, as desvantagens de ser um banco público vão se acentuar”, disse Novaes à Folha. “E eu acho que a gente já devia começar a se antecipar para pensar em privatização, assim não teria trauma nenhum.”

Para Novaes, o BB teria mais flexibilidade e seria mais eficiente caso fosse privatizado: “tenho convicção de que sem essas amarras, nós passaríamos dos concorrentes privados”, disse o executivo. “Um dia será inevitável privatizar o Banco do Brasil.”

A venda do BB não está prevista no plano de desestatização, mas teria o apoio da equipe econômica e do ministro da Economia, Paulo Guedes. Seria necessário convencer também o Congresso e o presidente Jair Bolsonaro.

Presidente do BB defende privatização há meses

No ano passado, Novaes defendeu a privatização do BB com o mesmo argumento: para ele, “é óbvio que uma instituição pública não vai ter a mesma velocidade” que uma fintech em se adaptar à modernização do sistema bancário.

“Com as amarras que uma empresa pública tem, vai ser muito difícil o ajustamento, no horizonte de 2, 3, 4 anos, a esse novo mundo de open banking e das fintechs”, disse Novaes em outubro de 2019. “Fica muito difícil em uma instituição ligada a governos acompanhar esse ritmo; competimos com uma espécie de bola de ferro na canela.”

Com informações: Folha.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação