Início » Brasil » PIX vai ser obrigatório para bancos com mais de 500 mil contas

PIX vai ser obrigatório para bancos com mais de 500 mil contas

Sistema de pagamentos instantâneos PIX vai ser lançado em novembro pelo Banco Central

Emerson Alecrim Por

16 de novembro de 2020. Essa é a data que o Banco Central escolheu para colocar em funcionamento o PIX, sistema de pagamentos instantâneos que valerá para todo o Brasil. Os critérios já começaram a ser definidos. Um deles determina que, obrigatoriamente, todas as instituições financeiras com mais de 500 mil contas ativas ofereçam o PIX a seus clientes.

Essa contagem considera conta corrente, conta poupança e conta de pagamento pré-paga. Isso porque, além dos tradicionais bancos de varejo, o novo sistema está sendo desenvolvido para contas digitais, como as que são operadas por diversas fintechs.

Tamanha diversidade não é surpresa: o Banco Central deixou claro em ocasiões anteriores que, com o PIX, pretende estimular a competitividade no setor financeiro do país.

DInheiro

"Por meio desse critério, teremos cerca de 30 instituições, entre instituições financeiras e instituições de pagamento, representando mais de 90% das contas transacionais ofertadas no Brasil, que deverão ser participantes obrigatórias do PIX", explica João Manoel Pinho de Mello, diretor de Organização do Sistema Financeiro e Resolução do Banco Central.

O novo sistema promete várias vantagens aos cidadãos, entre elas, realização de pagamentos e transferências de dinheiro em poucos segundos, além de funcionamento 24 horas por dia, incluindo fins de semana e feriados.

Trata-se de um avanço considerável na comparação com os já clássicos sistemas TED (Transferência Eletrônica Disponível) e DOC (Documento de Ordem de Crédito), que funcionam apenas em dias úteis e podem levar até duas horas para concluir as operações.

Até pagamentos de tributos poderão ser facilitados: o Banco Central afirma ter fechado um acordo com o Tesouro Nacional para permitir que o PIX seja usado para recolhimentos ao governo federal.

Outro avanço esperado é a compatibilidade do PIX com transferências e pagamentos instantâneos via QR Code, modalidade que deverá estar disponível já na estreia do novo sistema. Em fase posterior, transações via tecnologia de aproximação (NFC e MST) também deverão ser suportadas.

Com informações: Agência Brasil.

Comentários da Comunidade

12 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@joaozinho

Finalmente notícia boa vinda de órgão do governo.

Wendel Schelhan

Conseguiríamos transferir dinheiro por meio do Internet Banking ou aplicativo de celular, da mesma maneira que fazemos hoje com TED e DOC? Se sim, ótimo.

Sérgio
Tecnoblog – 13 Feb 20 Pix é o nome do sistema de pagamentos instantâneos do BC

Sistema de pagamentos instantâneos PIX deverá permitir inclusive pagamentos via QR Code e NFC, de acordo com o Banco Central.

Islan Oliveira

Claro que sim, do contrário não faria sentindo algum, já que não funcionaria para contas e carteiras digitais.

Lucas Dias

esse novo sistema é focado nas fintecs, então quando ele entra em vigor o TED e DOCS não existirão mais e será só ele assim os bancos tradicionais vão conseguir competir com elas

Caleb Enyawbruce

essa é a ideia

Caleb Enyawbruce
Lucas Blassioli

Em breve: Roxinho diz que está no começo de operação para esse tipo de tecnologia

J

A tecnologia é tão boa que é obrigatoria… interessante hein

João Paulo Polles

Novembro? Tá longe ainda infelizmente…

A coisa boa isso tá no fim dos TEDs/DOCs e suas taxas nos principais bancos… mas vamos ver como o pessoal dos bancões tratarão isto…

Danílio Costa da Silva

Vai ser obrigatório que ops bancos OFEREÇAM isso aos clientes, e não que os clientes só tenham esse meio. Mas claro, se o sistema for bem implementado a tendência natural é o TED e DOC sumirem.

Islan Oliveira

Cara, os bancos ganham dinheiro com TED e DOC, já essa opção é gratuita. Claro que se não fosse obrigatória a tendência seria os grandes bancos não implementariam e isso reduziria o potencial de competição que o BC busca fomentar.

Participe da discussão