Início » Brasil » Celulares devem ficar mais caros no Brasil, alerta indústria

Celulares devem ficar mais caros no Brasil, alerta indústria

Empresas na Zona Franca de Manaus podem dar férias coletivas em março; celulares devem aumentar de preço no Dia das Mães

Felipe Ventura Por

O surto de coronavírus na China impactou a indústria brasileira: Wilson Périco, presidente do Cieam (Centro das Indústrias do Estado do Amazonas), afirma que algumas empresas na Zona Franca de Manaus devem ficar sem componentes em março para montar veículos e eletroeletrônicos. Isso pode causar aumento de preços no Dia das Mães, uma das datas mais importantes para o varejo brasileiro.

Foto por NeiFo/Pixabay

“Os estoques estão se reduzindo”, alerta Périco ao TeleSíntese. “E o risco de uma parada nas linhas não é pequeno e aumenta a cada semana; não tivemos a confirmação de novos embarques vindos da China.”

Diversas fábricas chinesas interromperam as atividades por ordem do governo local, a fim de reduzir o contágio do Covid-19. Há mais de 87 mil casos confirmados do coronavírus, a maioria deles na China (80 mil); dois deles são no Brasil.

A redução no fornecimento de celulares, TVs e outros eletroeletrônicos deve gerar aumento de preços para o Dia das Mães (10 de maio). Esta é uma das datas em que as vendas mais crescem no varejo, assim como o Dia dos Namorados, Dia dos Pais, Natal e Black Friday.

85 mil trabalhadores podem ser afetados

Segundo o presidente do Cieam, algumas empresas da Zona Franca de Manaus estão com baixo estoque de matéria-prima; ao longo de março, elas devem tomar medidas como redução da jornada de trabalho, férias coletivas ou licença remunerada.

Até 85 mil funcionários das fábricas na ZFM podem ser afetados, correspondendo a 17% dos 500 mil empregos diretos gerados na região. A situação só não é pior porque alguns navios vindos da China estão chegando ao Brasil carregados de componentes; eles zarparam antes do ano novo chinês.

Alfredo Menezes, superintendente da Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus), afirma ao TeleSíntese: “estamos mapeando e vendo o que podemos fazer e quais impactos poderão advir, se essa situação chegar a um ponto extremo”.

Os efeitos do coronavírus não se limitam à ZFM. A Samsung suspendeu a produção em sua unidade de Campinas (SP) por alguns dias de fevereiro. E a Flextronics, que fabrica celulares da Motorola em Jaguariúna (SP), dará dez dias de férias coletivas aos funcionários em março.

Com informações: TeleSíntese.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
22 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Caleb Enyawbruce (@Enyawbruce)

Teoricamente quem estiver precisando e puder comprar antes desse aumento, essa é a hora

@ksio89

Pior que depois que subir não baixa mais. Se o Brasil fosse um país sério, o governo reduziria a carga tributária pra compensar a alta do dólar e a epidemia do Coronavírus, mas aqui o Estado quer parasitar o consumidor, aí complica.

Thiago Moraes Barbosa (@thimorbar)

Já vou providenciar uma capa anti impacto pro meu S9 Plus, vou ficar com ele uns 10 anos.

Douglas N. (@dougeureka)

“É só tirar que melhora”.

LekyChan (@LekyChan)

afinal quem criou o corona vírus foi o Bolsonaro

ochateador (@ochateador)

Na realidade já vem subindo os preços desde dezembro/2019, quando houve os primeiros alertas do corona vírus.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

As coisas não funcionam assim. O governo não pode reduzir impostos arbitrariamente, primeiro precisa apresentar um estudo que atenda a lei de responsabilidade fiscal. Quando alguém diminui impostos de um lugar, geralmente ele è passado pra outro, pra atender esse princípio.

O que precisa ser feito è a reforma tributária completa, que englobe estados e municípios, a nação inteira. Mas tbm não esperem que haverá redução, no máximo uma extinção de algumas categorias em substituição a um imposto único, ou a junção de alguns.

O Brasil durante anos gastou mais do que arrecadava e condenou as futuras gerações. Se a arrecadação cair cm a redução de impostos, o problema continua. Prq teríamos gastos já fixados, muitas verbas já tem destino, antes mesmo de serem divididas, e os estados se quer podem remaneja-las.

È um mix de problemas. So diminuir por diminuir não vai resolver, è precisos firmar um plano de redução de longo prazo. Pra dar confiança para o mercado. Se hoje vc diminuir 30% dos impostos, está instaurado o colapso da economia. Assim como se vc aumentar o salário mínimo pra 3.000 reais, haveria demissões em massa, de pequenas e grandes empresas que não conseguiram arcar cm esse custo e cresceria a informalidade.

Não há fórmula mágica nem imediatista, o que precisa é de trabalho duro e comprometimento da classe governante. Mas eles estão muito ocupados concedendo aumento de salários do funcionalismo em 40% em MG, e do congresso que quer abocanhar 30BI do orçamento impositivo.

Higo Ferreira (@higoff)

Impressionante como que para tudo que acontece no mundo hoje em dia, quase 4 anos depois do impeachment de Dilma, tem uma galerinha que insiste em insinuar que a culpa disso tudo é dos que pediram a saída dela da presidência. É de uma arrogância e burrice política extremas insinuar que nada disso estaria acontecendo se o impeachment não tivesse ocorrido. Os fatores da crise descrita no artigo são externas, a conjuntura mundial é completamente diferente e essa galera não consegue virar a página do livro.

Douglas N. (@dougeureka)

De fato. Achar que é estritamente externo o que nos acontece, sim, arrogância e burrice.