Início » Computador » Pesquisadores querem ajuda do seu PC para estudar o coronavírus

Pesquisadores querem ajuda do seu PC para estudar o coronavírus

A ajuda é a mesma que ficou famosa com o PlayStation 3

André Fogaça Por

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, está pedindo uma ajudinha sua para estudar ainda mais o coronavírus Covid-19. A ideia é simples, tem o nome de [email protected] e utiliza parte do poder ocioso da sua máquina para criar uma rede com diversos outros computadores, que aceleram as pesquisas na universidade.

coronavirus covid-19

O trabalho pretende analisar como é o comportamento das proteínas que compõe o coronavírus Covid-19, além de ajudar em seu primo mais velho, o SARS (sigla para Síndrome Respiratória Aguda Grave e que se espalhou pelo mundo em 2002). O alvo está em uma proteína (em vermelho na imagem acima), que é a responsável por fazer com que o vírus ataque as células dos pulmões das pessoas infectadas.

“Um anticorpo terapêutico é um tipo de proteína que pode bloquear a ligação da proteína do vírus com a proteína de seu receptor, impedindo a que o vírus infecte a célula pulmonar”, comenda a nota divulgada pela universidade. Este anticorpo terapêutico pode ser criado quando os pesquisadores entendem como que a proteína do vírus funciona.

O problema é que este tipo de pesquisa depende de imenso poder computacional, que custa muito dinheiro, mas que pode vir de doadores e isso baixa consideravelmente o custo e o tempo necessários para o objetivo. O doador é uma pessoa que baixa um programa desenvolvido pelo grupo de pesquisadores e que oferece parte ociosa do processador para a pesquisa.

A universidade então coleta “pequenas partes ociosas” de centenas ou milhares de pessoas e faz algo como os servidores que rodam jogos na nuvem: processam tudo que precisam com ajuda de computadores remotos.

Se você acha que já ouviu essa história no passado, não está enganado. O PlayStation 3 já serviu para algo semelhante, quando a Sony permitiu, entre 2006 e 2012, que os mesmos pesquisadores utilizassem o poder ocioso dos video games, com ajuda do aplicativo Life with PlayStation, para ajudar nas pesquisas do [email protected]

Neste programa específico com a Sony, mais de 15 milhões de usuários participaram do projeto e doaram mais de 100 milhões de horas em processamento do console de mesa.

Se você quer ajudar a Universidade de Stanford na pesquisa sobre o coronavírus Covid-19, é só clicar neste link e seguir as instruções (em inglês).

Com informações: [email protected] e The Verge.

Comentários da Comunidade

11 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Rychillie 🦄
instalando!
@bkdwt
Participei muito do [email protected] entre 2009 e 2012, inclusive fazendo parte de times como o do FórumPCS e Clube do Hardware, mas depois parei e perdi o interesse. Além do mais, conta de luz no Brasil torna esse hobby inviável.
Douglas Furtado Gonçalves
Aquele computador quântico do Google não daria conta disso?
Fernando Luiz
Poderiam criar um time do Tecnoblog no [email protected] pra ver quanto que a comunidade ajuda
Eu
Se eu tivesse um Ryzen 5 1600 AF, eu faria com gosto… mas esse FX-6300 que bebe energia e não retorna em desempenho… hahaha nem.
Felipe
Não necessariamente, porque não é apenas pegar um programa pronto e rodar nele. É mais ou menos o que acontece atualmente com o x64 (Intel/AMD) e o ARM, a aplicação precisa ser reescrita.
Precisaria de uma aplicação desenvolvida especificamente pros núcleos quânticos e talvez ainda não existe isso.
Wellington Gabriel de Borba
Eu poderia ajudar… Mas já faço parte do World Community Grid.
ochateador
Usar CPU é bom no sentido de “quanto mais contribuintes, melhor para o sistema”. Mas uma VGA básica já processa muito mais informações que uma CPU.
No clube do hardware, até tinha uns comparativos interessantes para ver.
Pena que removeram a versão web. Bastava instalar como complemento do chrome e deixar rodando.
Participe da discussão