Tecnoblog
Início » Negócios » Venda de celulares no mercado cinza aumenta 344% no Brasil em 2019

Venda de celulares no mercado cinza aumenta 344% no Brasil em 2019

Venda de smartphones no Brasil aumentou 2,2% no mercado oficial; celulares do mercado cinza representam quase 8% do total

A venda de smartphones no Brasil aumentou 2,2% em 2019, segundo relatório da consultoria IDC; enquanto isso, o mercado cinza disparou 344%, incluindo aparelhos importados que não têm homologação da Anatel — eles representam quase 8% do total de unidades vendidas no país. Entidades governamentais e a Polícia Federal vêm tentando coibir atividades ilegais no setor.

Foram vendidos 45,5 milhões de smartphones e 3,1 milhões de feature phones no mercado oficial, de acordo com a IDC Brasil. Por sua vez, o mercado cinza registrou 3,8 milhões de smartphones e 677,8 mil feature phones em 2019.

No mercado oficial, os smartphones intermediários de entrada (entre R$ 700 e R$ 1.099) foram os mais vendidos do ano, chegando a 22,1 milhões de unidades. Enquanto isso, os smartphones super premium (acima de R$ 3 mil) registraram 3 milhões de unidades.

A IDC prevê que o mercado oficial de smartphones tenha alta de 2% em 2020, mas o número pode mudar devido à oscilação do dólar e à pandemia do coronavírus. Ela também acredita que o mercado cinza sofrerá queda de 39%, “resultado das ações feitas ao longo do ano”.

Fabricantes oficiais reagem ao mercado cinza

“Os smartphones foram o grande alvo do mercado ilegal no ano passado”, afirma Renato Meireles, analista de mercado da IDC, em comunicado. Ele menciona varejistas que vendem produtos “por preços bem abaixo do mercado, em alguns casos com mais de 50% de diferença em relação ao preço das lojas oficiais”.

O crescimento do mercado cinza “levou fabricantes que atuam no mercado oficial, varejistas ‘legais’, entidades governamentais e até mesmo a Polícia Federal a focar em um trabalho conjunto para banir a venda ilegal”, lembra Meireles.

Em dezembro do ano passado, 30 mil produtos da Xiaomi foram apreendidos em São Paulo por sonegação de imposto. Pouco tempo depois, duas lojas não-oficiais — Mi Store Brasil e Xiaomi BRZ — deixaram de entregar os celulares dos clientes.

Além disso, fabricantes concorrentes da Xiaomi no Brasil entregaram um dossiê sobre revendedores ilegais à Secretaria Estadual da Fazenda e Planejamento de São Paulo (Sefaz-SP).