Início » Telecomunicações » Anatel não pode regular canais online de TV, diz área jurídica

Anatel não pode regular canais online de TV, diz área jurídica

Decisão da área jurídica da Anatel chega após parecer técnico da própria agência com a mesma conclusão

Lucas Braga Por

A Procuradoria Federal Especializada da Anatel afirmou, em um parecer, que a agência não pode regular canais transmitidos pela internet por não se caracterizarem como Serviço de Acesso Condicionado (SeAC), que envolve a TV por assinatura. A área técnica se posicionou da mesma forma.

Fachada da sede da Anatel

A procuradoria da Anatel entende que, quando a Lei do SeAC diz que se aplica a qualquer meio, se refere a tecnologias específicas para oferta de TV por assinatura, na qual as operadoras criam redes gerenciadas e com total controle. Enquanto isso, na internet, o prestador de serviço não mantém controle da rede, portanto os canais online não fariam parte do SeAC.

Além disso, a procuradoria afirma que a natureza livre, aberta e descentralizada da internet permite criar novas aplicações capazes de replicar e incorporar funções antes exclusivas das operadoras. Dá para fazer uma analogia com ligações de voz pelo WhatsApp versus chamadas tradicionais, por exemplo.

No entanto, o parecer afirma que existem assimetrias importantes dessa interpretação, e que a agência deveria encaminhar a questão ao Congresso para análise, a fim de esclarecer melhor as incertezas sobre a interpretação da lei. O caso segue para uma deliberação definitiva pelo Conselho Diretor da Anatel.

Anatel analisa caso Fox+

A Lei do SeAC, que regula a TV por assinatura, proíbe propriedade cruzada: uma operadora não pode produzir o próprio conteúdo, e uma programadora não pode distribuí-lo diretamente ao consumidor. A Anatel entendeu que a Fox fazia isso com o serviço Fox+ e Fox Premium, que eram vendidos diretamente ao consumidor e funcionavam via internet.

Após uma denúncia da Claro/NET, a Anatel proibiu a Fox de vender o serviço de streaming sem envolver uma operadora. Então, depois de uma longa disputa judicial, o serviço de streaming foi liberado. No entanto, o Fox+ deixou de ser comercializado em toda a América Latina, antecipando o lançamento do Disney+ na região.

Decisão pode mudar mercado de TV paga

Se a Anatel considerar definitivamente que a venda de canais pela internet não se enquadre na lei do SeAC, é bem provável que as operadoras alterem o modelo de negócio. A TV por assinatura tradicional precisa seguir uma série de regras, como cotas de conteúdo, além de pagar ICMS (imposto estadual), FUST, FUNTTEL e Condecine.

Enquanto isso, a TV pela internet seria considerada um Serviço de Valor Agregado. A Anatel não teria poder de fiscalização, e as operadoras deixariam de arcar com uma série de impostos e taxas; os SVAs pagam apenas ISS. Seria questão de tempo até que serviços como Claro/NET Now, Vivo Play, Oi Play e Sky Play fossem liberados para qualquer pessoa assinar.

Com informações: Teletime.

Comentários da Comunidade

5 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

 • 令和 • Ward'z de Souza 🇯🇵🎌🦊🔥 - Risonho e Límpido

A questão é se isso vai ser respeitado…

Lugi lanzii

Cada regra mais ridicula com a outra.

@ksio89

O órgão regulador estatal quer decidir o que é melhor pro consumidor do que ele próprio. Graças a essa lei estúpida, o Fox+ foi pro espaço.

A TV por assinatura tradicional precisa seguir uma série de regras, como cotas de conteúdo, além de pagar ICMS (imposto estadual), FUST, FUNTTEL e Condecine.

Pior é saber que o retorno desse monte de impostos para o contribuinte é ZERO.

Participe da discussão