Início » Celular » Huawei P40 Pro tem peças de empresas americanas, apesar de sanções

Huawei P40 Pro tem peças de empresas americanas, apesar de sanções

Desmanche do Huawei P40 Pro mostra peças da Qualcomm, Skyworks e Qorvo

Emerson Alecrim Por

O desmanche de um smartphone Huawei P40 Pro mostrou que o modelo tem em seu interior alguns componentes produzidos por marcas americanas. Qual o problema disso? Tecnicamente, nenhum. Comercialmente, a constatação é sinal de possíveis problemas: empresas americanas estão proibidas de negociar com a Huawei.

Huawei P40 Pro+

A proibição passou a valer no ano passado, quando o governo dos Estados Unidos incluiu a Huawei em uma lista de organizações que ameaçam a segurança do país. É por não poder negociar com companhias americanas que a linha Huawei P40 foi lançada sem o ecossistema do Google.

As restrições não se limitam a softwares. Para checar como a Huawei tem lidado com restrições no hardware, o Financial Times pediu para uma empresa de nome XYZone fazer o desmanche de uma unidade do recém-lançado Huawei P40 Pro. Aí veio a revelação de que o celular tem chips de três companhias americanas: Qualcomm, Skyworks e Qorvo.

Na comparação com a geração anterior, a quantidade de componentes americanos é menor no Huawei P40 Pro. Mas, teoricamente, não deveria existir nenhuma peça associada a empresas dos Estados Unidos ali. Será, então, que a Huawei adquiriu componentes sem o devido licenciamento?

Procurada pelo The Next Web, a Huawei apenas respondeu que não violaria as regras impostas pelo governo dos Estados Unidos. A expectativa é a de que, nos próximos dias, a companhia forneça mais detalhes sobre o assunto.

Huawei P40 Pro desmontado (imagem: Financial Times)

Huawei P40 Pro desmontado (imagem: Financial Times)

Por ora, tudo é muito obscuro, mas é possível que a Huawei esteja falando a verdade, afinal, a violação de regras tão rígidas poderia ter consequências graves para todas as partes envolvidas.

Uma explicação para o uso dos componentes americanos pode estar em contratos temporários ou de exceção que possibilitam que empresas americanas negociem com a Huawei sob determinadas circunstâncias — fornecimento de peças de reposição, por exemplo.

Nesse sentido, o Financial Times aponta que a Qualcomm tem uma licença que permite o fornecimento de componentes para a Huawei. Porém, até o momento, não há informações sobre licenças similares para a Skyworks e a Qorvo.

Aguardemos pelos próximos capítulos.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
4 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Felipe

E se ela simplesmente possuía essas peças antes do embargo? Ele trata apenas de novas negociações, mas se possuía estoque, ela ficaria impedida de usá-las mesmo assim?

Eric Viana

Pensei o mesmo.
Acredito que possam desde que comprovem que foram compradas antes do embargo.
Mas ao mesmo tempo por causa do coronavirus essa situação vai se arrastar… a atenção do governo americano está focada em outras necessidades.