Início » Telecomunicações » STF derruba lei de SC que proibia apps em planos de operadoras

STF derruba lei de SC que proibia apps em planos de operadoras

Supremo considera que lei de Santa Catarina é inconstitucional e aceita argumento de que estados não legislem sobre telecom

Lucas Braga Por

O Supremo Tribunal Federal (STF) declarou inconstitucional a lei de Santa Catarina que proibia a comercialização de aplicativos — como streaming de vídeo, acesso a revistas e outros — dentro da mensalidade de serviços de telefonia e banda larga. A lei já havia sido suspensa através de uma liminar no Tribunal de Justiça de SC.

Créditos da imagem: rawpixel/Pixabay

Em sua justificativa, o autor da lei de SC disse que ela iria proteger o consumidor de uma “venda casada”, e permitia que as operadoras continuassem oferecendo os serviços de valor agregado, mas de forma dissociada dos planos de telefonia e banda larga.

A ação foi movida pela Abrint (Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações): ela observa que somente a União tem competência de legislar sobre telecomunicações e, dessa forma, os estados não podem criar leis sobre o setor. Outras associações também apresentaram recursos.

Na época, as operadoras tiveram que adequar seus planos de serviço: a Vivo reduziu drasticamente o número de planos oferecidos, enquanto Oi, TIM e Claro removeram os apps incluídos. Clientes do TIM Beta, por exemplo, deixaram de receber convites para que novos clientes não aderissem ao plano.

Apps pagos não têm incidência de ICMS

É bem comum que as operadoras incluam SVAs (serviços de valor agregado), ou aplicativos pagos, dentro da mensalidade dos planos: pode ser streaming de vídeo, backup na nuvem, agregador de revistas e jornais, até mesmo eletricista e encanador. Com isso, as empresas conseguem reduzir o imposto e gerar mais valor aos clientes.

Embora o SVA seja “gratuito” ao cliente, há discriminação na mensalidade. E enquanto o serviço de telecomunicações é tributado também com ICMS, que é um imposto estadual, os apps arcam apenas com o ISS, destinado a municípios e com alíquota significativamente menor.

É essa redução na arrecadação de impostos que desagrada aos estados, e Santa Catarina não é o único que tentou legislar sobre o assunto. No Amazonas, uma lei similar foi aprovada pela Câmara mas vetada pelo governador; em Roraima, as operadoras ajuizaram uma ação no STF para impedir a interferência estadual.

Com informações: Mobile Time.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
2 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@ksio89

Demorou demais pra revogarem essa lei estúpida. É deprimente saber que a classe política está mais empenhada em aumentar a arrecadação do que legislar a favor do consumidor.