Início » Telecomunicações » 77 torres de celular foram atacadas após boatos sobre 5G e COVID-19

77 torres de celular foram atacadas após boatos sobre 5G e COVID-19

Teorias da conspiração que culpam redes 5G pelo avanço da COVID-19 já fizeram 77 torres de celular serem atacadas no Reino Unido

Emerson Alecrim Por

Por mais absurda que soem, teorias da conspiração que associam as redes 5G ao avanço do coronavírus (COVID-19) continuam ganhando força na Europa, sobretudo, no Reino Unido. O levantamento mais recente indica que, por lá, 77 torres de telefonia móvel já foram atacadas por indivíduos que acreditam nessa bobagem.

O Tecnoblog tem um especial com detalhes sobre as teorias que culpam o 5G pela COVID-19, mas aqui vai um resumo: basicamente, os adeptos dessa conspiração afirmam que a exposição a redes 5G enfraquece o sistema imunológico do indivíduo (facilitando a contaminação pelo coronavírus) ou que torres de transmissão podem propagar o vírus.

É óbvio que nada disso é verdade. Apesar disso, o Reino Unido já registrou 77 ataques a torres de telefonia móvel, de acordo com a Mobile UK, associação que representa as operadores da região. Desse total, um terço foi registrado do dia 15 de abril para cá. Curiosamente, a maior parte das torres atacadas não fornece serviços de 5G.

Mas o detalhe mais sórdido é que funcionários das operadoras também estão sendo atacados ou intimidados. A operadora BT, por exemplo, já registrou cerca de 40 ataques verbais ou físicos às suas equipes. Em um dos mais graves, um engenheiro foi esfaqueado e teve que ser internado.

Nas circunstâncias atuais, os serviços de telecomunicações são essenciais. Torres que ficam indisponíveis podem deixar o tráfego de dados congestionado ou determinados locais sem cobertura de serviços móveis.

Torre incendiada (fotos: The Sun / SnapperSK)

Torre incendiada (fotos: The Sun / SnapperSK)

Redes sociais apagam teorias sobre 5G

Sem nenhuma surpresa, as teorias conspiratórias que ligam o 5G ao coronavírus se propagam por serviços de mensagens instantâneas e redes sociais. É por isso que essas plataformas estão tendo que agir.

O YouTube vem considerando que vídeos que contestam a existência ou transmissão da COVID-19 em contrariedade ao que é dito pela Organização Mundial da Saúde (OMS) violam os seus termos de uso e, portanto, devem ser eliminados da plataforma.

Facebook e Twitter também anunciaram a remoção de publicações que espalham essas teorias. Além disso, o Twitter se comprometeu a exibir um link para uma página do governo britânico com informações confiáveis sobre 5G quando buscas relacionadas ao assunto forem feitas na rede social.

Com informações: Business Insider, Reuters.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
4 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

wesley soares (@wesley_soares)

Chega a ser um absurdo a forma que essas fake news se espalham, minha mãe estava me falando esses dias que quem tinha problemas na boca eram afetados pelo 5G. Ela é a famosa veia do zap, só não chegou na fase do bom dia ainda, não critico ela, uma pessoa pouco estudada e com idade avançada tem de haver compreensão, então converso na boa e tento explicar.
Mas o ponto é que eu começo a dúvidar se com tanta fake news inclusive politica, se essa liberdade toda não está virando contra nós mesmos, penso que deveria haver alguma forma de marcar as mensagens como spam, ou pornografia, etc… Ou mesmo limitar o compartilhamento de um video até certo ponto.
Enfim, não acho que censurar seja o caminho, mas alguma atitude precisa ser tomada, as pessoas são sim influenciadas por mensagens falsas, e penso que isso precisa ser combatido com seriedade.

Rodrigo (@rodrigo1)

Nós chegamo a um ponto que as pessoas não acreditam quando acusamos alguma fake news. Meu pai é um desses, difícil convencer. É #globolixo mas o zap é deus. É claro que a globo tem um viés, todo meio de comunicação tem. O que essa turma não percebe é que eles escolhem as notícias como verdadeiras justamente aquelas em que vai de encontro com seus interesses. Muitas vezes não é nem ignorância, é viés de confirmação.