Início » Saúde » IgG e IgM: entenda as siglas do Teste de Anticorpos Coronavírus

IgG e IgM: entenda as siglas do Teste de Anticorpos Coronavírus

Teste de Anticorpos Coronavírus: veja se vale investir no exame, os valores ($) aproximados e entenda os possíveis resultados

Gabrielle Lancellotti Por
TB Responde

O Teste de Anticorpos Coronavírus é uma avaliação sorológica. Nessa análise, é medida a quantidade de anticorpos presentes na parte líquida do sangue (soro), de uma pessoa que possivelmente está infectada — por um vírus, no caso da COVID-19 — ou já esteve nessa condição (ou seja, já foi infectada anteriormente pelo vírus analisado).

No teste, duas siglas se destacam: IgG e IgM. Ambas são classes de anticorpos, que são detectadas em exames sorológicos, feitos a partir de uma amostra de sangue. Para entender seus significados, alguns conceitos biológicos precisam ser relembrados.

Teste de Anticorpos Coronavírus/Pixabay/Gerd Altmann

Antígenos x Anticorpos

Segundo o Manual MSD [msdmanuals/sistema-imune], antígeno é uma substância que o sistema imunológico — responsável pela defesa do corpo — consegue reconhecer para, então, preparar uma resposta imunológica. O antígeno pode ser, por exemplo, um componente de um vírus.

Anticorpos (imunoglobulinas) são proteínas que se fixam ao antígeno de um invasor para indicar que ele deve ser atacado ou, diretamente, anular a sua ação.

Anticorpo x Antígeno/ MSD Manuals/Reprodução Gabrielle Lancellotti

Sendo assim, o aumento do número de anticorpos para combater e eliminar um componente, considerado perigoso para o corpo, faz parte da resposta imunológica — reação que é observada em uma análise sorológica.

Para cada antígeno reconhecido há, pelo menos, um anticorpo específico para combatê-lo. Dessa forma, no decorrer da vida, uma diversidade dessas proteínas é formada.

IgG e IgM

Imunoglobulina G (IgG) e Imunoglobulina M (IgM) são classes de anticorpos.

As da classe “M” podem ser vistas na fase inicial da doença. As da classe “G”, por outro lado, indicam que já faz algum tempo que o corpo foi infectado e que, possivelmente, foi desenvolvida uma imunidade contra o agente causador da enfermidade.

No caso da COVID-19, causada pelo novo coronavírus, ainda não é conhecida a eficiência e durabilidade da imunidade, relacionada ao marcador IgG.

Ou seja, não é possível afirmar com certeza que um indivíduo infectado pelo SARS-CoV-2, não poderá ser contaminado pela segunda vez.

Coronavírus/Pixabay/iXimus

Teste de Anticorpos Coronavírus: proposta e resultados

No dia 28/04, a Anvisa aprovou a proposta de que testes rápidos (ensaios imunocromatográficos) sejam feitos em farmácias, por profissionais treinados.

O órgão regulador indica que os testes não devem ser usados como medida exclusiva para confirmar o diagnóstico da doença, mas sim como mais um meio de informação, que deve ser analisado por um médico, juntamente com outros dados clínicos.

Vale destacar que esse tipo de teste deve ser feito cerca de 10 dias após o aparecimento dos sintomas da COVID-19 — tosse, febre, coriza, dor de garganta e dificuldade para respirar, são os mais comuns, segundo o Ministério da Saúde.

De acordo com a agência, esse tempo é importante porque, na fase inicial da infecção, resultados falsos negativos (indivíduos que testam negativo, porém na realidade eles têm anticorpos) são comuns. Isso acontece devido à ausência ou baixos níveis de anticorpos e dos antígenos do vírus, presentes no material coletado.

Valores e possíveis resultados

Alguns laboratórios de redes particulares dispõem do Teste de Anticorpos Coronavírus. Os exames são previamente agendados e, em algumas cidades, a coleta é feita na residência da pessoa. O preço do exame varia de R$ 245 até, aproximadamente, R$ 300.

Segundo o Grupo Fleury, os possíveis resultados são:

IgG NEGATIVA

IgG POSITIVA

IgM NEGATIVA Indica que a pessoa nunca foi infectada pelo vírus e que, possivelmente, é vulnerável a ele. Indica que a pessoa foi infectada em momento anterior (pelo menos 3 semanas antes) e pode estar imunizada. No caso da COVID-19, por eficiência e durabilidade desconhecidas.
IgM POSITIVA Possível infecção recente Indica infecção recente (provavelmente, há menos de 3 semanas)

Em casos de igM positiva, o laboratório enfatiza que é importante repetir o exame, após 7 dias, para observar se há surgimento de igG e gerar resultados mais assertivos. Essa medida tem o objetivo de eliminar falsos positivos de igM.

Testes com eficiência questionável?

A utilidade dos Testes de Anticorpos Coronavírus pode se tornar duvidosa, ao pensarmos em algumas limitações:

  • Não serve como método único para diagnóstico da COVID-19;
  • É indicado ser feito cerca de 10 dias após o surgimento dos sintomas. Como administrar corretamente esse teste em pacientes assintomáticos?;
  • Em alguns casos é indicado que o exame seja feito novamente, para eliminar resultados falsos positivos.

Muitas incertezas ainda permeiam o tema. Entretanto, alguns fatos merecem atenção: o Teste de Anticorpos Coronavírus, ao apresentar igG positivo, não é um atestado de imunidade eficaz e duradoura contra o SARS-CoV-2.

Sendo assim, a população não deve relaxar nas medidas sanitárias, como o uso de máscaras ao sair de casa, a lavagem cuidadosa dos alimentos e das mãos e cuidados redobrados com a higiene pessoal.

Com informações de: MSD Manuals, Anvisa, Ministério da Saúde, Fleury, Labi Exames, SBAC e Veja Saúde.

Comentários da Comunidade

1 usuário participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Participe da discussão