Início » Celular » Motorola Edge e Edge+ chegam ao Brasil com 5G e preço de até R$ 7.999

Motorola Edge e Edge+ chegam ao Brasil com 5G e preço de até R$ 7.999

Motorola retorna aos celulares super premium (e super caros) com Edge+, Snapdragon 865 e compatibilidade com 5G sub-6

Paulo Higa Por

A Motorola anunciou nesta quinta-feira (2) o Edge+, um celular topo de linha com processador Qualcomm Snapdragon 865, tela de 6,7 polegadas com laterais curvadas e, pela primeira vez no país, compatibilidade com 5G. O smartphone chega ao Brasil por R$ 7.999 junto com o Motorola Edge, uma versão mais simples que também conta com suporte à próxima geração de redes móveis.

Motorola Edge+

Motorola Edge+ tem Snapdragon 865, 5G e tela curvada

O Edge+ marca o retorno da Motorola ao segmento topo de linha (ou “super premium”, como diz a empresa). Ele traz o melhor processador da Qualcomm e números enormes, como 12 GB de RAM, 256 GB de armazenamento, bateria de 5.000 mAh e câmera principal de 108 megapixels, cobrando bem caro por isso — é o mesmo preço de lançamento do Samsung Galaxy S20 Ultra.

A estreia do 5G no país ainda está longe, mas a Motorola destaca a compatibilidade com as novas redes em comunicado à imprensa. O gerente de produto da Motorola, Thiago Masuchette, explica ao Tecnoblog que o aparelho possui modem Snapdragon X55 e suporta o 5G nas frequências sub-6, como os 3.500 MHz previstos no leilão da Anatel, mas não as ondas milimétricas (mmWave); elas são exclusivas de uma versão da operadora Verizon, que não será vendida no Brasil.

Motorola Edge+

A tela do Edge+ tem 6,7 polegadas, painel OLED, resolução Full HD+, compatibilidade com HDR10+, taxa de atualização de 90 Hz e leitor de impressões digitais. As laterais possuem uma curvatura pronunciada, de 90 graus, lembrando o Huawei Mate 30 Pro. As laterais abrigam uma bandeja de atalhos para aplicativos e podem acender quando o celular estiver com a tela para baixo, para alertar sobre notificações e chamadas recebidas.

A câmera frontal é de 25 megapixels e fica em um furo no canto superior esquerdo, enquanto a traseira abriga três câmeras: uma principal de 108 megapixels com lente de abertura f/1,8, uma ultrawide e macro de 16 megapixels (f/2,2) e uma teleobjetiva de 8 megapixels (f/2,4) com zoom óptico de 3x e estabilização óptica de imagem. É possível filmar em 6K a 30 fps.

Motorola Edge+

A bateria de 5.000 mAh suporta carregamento TurboPower de 18 watts com o adaptador incluso na caixa e, segundo a Motorola, pode aguentar até dois dias longe da tomada. Pela primeira vez em muito tempo, desde o Moto Maxx, a empresa está lançando um celular com carregamento sem fio — inclusive reverso, com a possibilidade de abastecer outros dispositivos compatíveis com Qi a 5 watts.

A Motorola também destaca os alto-falantes estéreo, que são os “mais poderosos e de maior volume já vistos em um smartphone”, nas palavras da fabricante, além da compatibilidade com Wi-Fi 6.

Diferenças em relação a outros celulares caros me chamam a atenção: ele continua com uma entrada padrão para fones de ouvido de 3,5 mm (yay!), não tem nenhum tipo de certificação IP para proteção contra água (boo!) e não filma em 8K, embora o processador da Qualcomm tenha essa capacidade. Outra limitação estranha é que mesmo a gravação em 4K é limitada a 30 fps, não chegando aos 60 fps dos concorrentes.

O Motorola Edge+ chega ao Brasil na cor Thunder Grey (um cinza azulado bem bonito) com preço sugerido de R$ 7.999. A pré-venda começa nesta quinta-feira (2) e os compradores receberão o produto a partir de 14 de julho.

Motorola Edge: Snapdragon 765 e os chamarizes do Edge+

Motorola Edge

Também há uma versão menos cara do Edge+, que mantém boa parte das características do irmão maior, mas com baixas no desempenho. O Motorola Edge também possui uma tela curvada OLED de 6,7 polegadas e 90 Hz, os alto-falantes estéreo da Waves Audio e compatibilidade com 5G sub-6, mas traz um processador mais simples, o Snapdragon 765.

O Edge que será vendido no Brasil tem 6 GB de RAM e 128 GB de armazenamento. As câmeras frontal e traseiras são basicamente as mesmas, com exceção da principal, cuja resolução cai de 108 para 64 megapixels. Com isso, a gravação de vídeo também fica limitada a 4K, em vez dos 6K do irmão mais caro. A bateria é de 4.500 mAh e suporta apenas carregamento com fio, também com promessa de dois dias de autonomia.

Com hardware mais simples, o Edge será vendido nas cores preto e vermelho por R$ 5.499. Ele também estará disponível em pré-venda entre os dias 2 e 13 de julho, sendo que os primeiros compradores de qualquer modelo ganharão um fone de ouvido Bluetooth (Motorola Vervebuds 100) como brinde.

Motorola Edge+ – ficha técnica (Brasil):

  • Tela: OLED de 6,7 polegadas com resolução Full HD+, curvatura Endless Edge, taxa de atualização de 90 Hz e HDR10+
  • Processador: Qualcomm Snapdragon 865 octa-core com GPU Adreno 650
  • RAM: 12 GB LPDDR5
  • Armazenamento: 256 GB (UFS 3.0)
  • Câmera frontal: 25 megapixels (f/2,0)
  • Câmera traseira:
    • Principal: 108 megapixels (f/1,8) com tecnologia Quad Pixel e estabilização óptica de imagem
    • Ultrawide e macro: 16 megapixels (f/2,2) com campo de visão de 117 graus
    • Telefoto: 8 megapixels (f/2,4) com zoom óptico de 3x e estabilização óptica de imagem
    • Profundidade: sensor de tempo de voo (ToF)
    • Captura de vídeo em 6K 30 fps, 4K 30 fps e Full HD 60 fps
  • Bateria: 5.000 mAh com carregamento TurboPower de 18 watts, wireless de 15 watts e reverso de 5 watts
  • Conexões: 5G sub-6, 4G, 3G, 2G, Bluetooth 5.1, Wi-Fi 6 (802.11ax), USB-C e P2
  • Sistema operacional: Android 10
  • Dimensões: 161,1×71,4×9,6 mm
  • Peso: 203 gramas

Motorola Edge – ficha técnica (Brasil):

  • Tela: OLED de 6,7 polegadas com resolução Full HD+, curvatura Endless Edge e taxa de atualização de 90 Hz
  • Processador: Qualcomm Snapdragon 765 octa-core com GPU Adreno 620
  • RAM: 6 GB
  • Armazenamento: 128 GB com expansão por microSD de até 1 TB
  • Câmera frontal: 25 megapixels (f/2,0)
  • Câmera traseira:
    • Principal: 64 megapixels (f/1,8) com tecnologia Quad Pixel
    • Ultrawide e macro: 16 megapixels (f/2,2) com campo de visão de 117 graus
    • Telefoto: 8 megapixels (f/2,4) com zoom óptico de 2x
    • Profundidade: sensor de tempo de voo (ToF)
    • Captura de vídeo em 4K 30 fps e Full HD 60 fps
  • Bateria: 4.500 mAh com carregamento TurboPower de 18 watts
  • Conexões: 5G sub-6, 4G, 3G, 2G, Bluetooth 5.1, Wi-Fi 6 (802.11ax), USB-C, P2 e rádio FM
  • Sistema operacional: Android 10
  • Dimensões: 161,6×71,1×9,3 mm
  • Peso: 188 gramas

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
15 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Igor Nagase (@nagasedesu1)

Putz kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk a piada

@LeandroCSC

A tela Edge não surpreende a mais ninguém. Não é algo novo . Mas o aparelho é ,sim,muito bem construído,tem sua elegância. E pelo texto realmente tem outros bons atributos. Com certeza eu vou querer ver um review feito pelo Higa. Mas infelizmente os preços podem arruinar os planos da Motorola. Entre pagar muito caro em iPhone ,Samsung ou Motorola, grande parte das pessoas ,hoje,ainda vai ficar com iPhone ou Samsung. Agora se os testes realmente comprovarem excelência e se houver aquela queda de preços comum nos Androids ,talvez ele venha despertar maior interesse… Mas à priori,eu digo à priori, ele ainda não será capaz de atrair o público.

imhotep (@imhotep)

Eu só fui ter um aparelho com 4G, uns 3 ou 4 anos depois de a tecnologia ser implantada no Brasil.
Provavelmente vai ser a mesma coisa com o 5G, qd aparelhos e planos estiverem com condições melhores.

² (@centauro)

No papel, parece um aparelho bacana pro segmento topo de linha.

Mas o preço…

Mafiotecano (@Mafiotecano)

OITO MIL REAIS

@bkdwt

Melhor coisa que fiz foi ter comprado meu S9+ em 2018. Paguei 2600 e pouco e já ganhei duas trocas de tela como cortesia (uma na semana passada inclusive). Comprar smartphone premium hoje tá quase impossível!

O meu vai continuar comigo durante um booooommmm tempo, bastando depois eu trocar a bateria do mesmo e voilà.

Sérgio (@trovalds)

Li o preço de lançamento do Edge+, dei uma gargalhada gigante. Pensei cá comigo que logo vai cair de preço horrores, etc. Mas daí eu vi o preço do Edge. Tive que levantar e colocar a cara na sacada de tanto que eu ri. R$ 5.499 em um Snapdragon 765? A empresa perdeu totalmente a noção.

Isso sem considerar os “defeitos”, como o carregador ser só 18W (os Snapdragon desses celulares são compatíveis com o QC 4.0, que carrega a até 27W) e não ser a prova d’água.

Bom, como vai rolar review, vamos ver o que os aparelhos oferecem. PODE ser uma boa aquisição futura se o preço do Edge cair pra uns R$ 1.999, que é o que de fato vale. O Edge+? Nah… mas pelo menos temos uma alternativa aos Galaxy S com Snapdragon. Novamente: se o preço se tornar mais condizente.

Pedro Resende (@Pedro_Resende)

Nem sei pra que lançar nesse preço, sinceramente, não vai vender nada. A Motorola não é Samsung ou Apple, sem contar que lá fora esse aparelho é consideravelmente mais barato do que o S20 ultra.

@LeandroCSC

@bkdwt Onde se deu a compra? E a cortesia? Loja Samsung? Gostaria de saber. Meu S10e até hoje não encontrei uma película de vidro decente. Estou apenas com a película anti-risco que vem de fabrica. Tenso.

@LeandroCSC

O que pra vc é uma camera boa,pode ser não ser para outra pessoa,por exemplo. E concordo que hoje quase nenhum aparelho vale o que cobra e que seria prudente não comprar logo após o lançamento. Mas isso não muda o fato de que existem smartphones com diferenças de qualidade em processamento , câmera ,tela e outros itens. O reviews estão aí pra provar. E o que vc chama de “atestado de trouxa” pra mim é apenas opção por ter melhor experiência,mesmo. Isso é algo subjetivo e tbm relacionado às necessidades de cada um. Não cabe julgamento.

Kleverton Soares (@Kleverton)

Isso é teste para ver quem realmente gosta do Android de verdade. Entre um Android nesse preço e um Iphone eu prefiro o Iphone.

Uso Android pelo fato dos preços serem mais “justos”.

Eric Viana (@Eric_Viana)

Chegamos ao famoso momento:
Não sei se compro uma moto ou dou entrada num celular…

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Acontece que são esses “trouxas” que financiam a massificação da tecnologia. Se hoje todos os smartphones tem leitor biométrico, foi porque um iPhone lançou. E se hoje um smartphone da linha A tem leitor biométrico embaixo da tela, foi porque a Samsung lançou isso em um top de linha. A mesma coisa com aparelhos dobráveis.

Concordo que acima de 5 mil a coisa fica bem intragável. Mas não da para atribuir culpa somente a fabricante. Ela obviamente tem a margem de lucro, mas tenha absoluta certeza que no mínimo 34% é imposto (fora seguro, custo operacional…), enquanto nos Estados Unidos, não chega a 10% para o consumidor final.

anon31878329 (@anon31878329)

Porque eu posso pagar e quero o aparelho de ultima geração, tenho atestado de trouxa? Para mim, esse tipo de frase, passa atestado de dor de cotovelo…

Sou usuário da linha Note da Samsung e estou muito contente com o que é entregue, ninguém paga as minhas contas ou coloca comida na minha mesa, para achar-se no direito de intrometer-se no que gasto ou não.

Tiago Jeronimo (@TiagoJL)

Exibir mais comentários