Início » Negócios » Vendas de PCs crescem no mundo com aumento do home office

Vendas de PCs crescem no mundo com aumento do home office

HP, Lenovo, Apple e Acer vendem mais notebooks e desktops após queda no primeiro trimestre; Dell sofre com estagnação

Paulo Higa Por

O mercado de PCs cresceu no mundo todo no segundo trimestre em meio à demanda gerada pelo aumento do trabalho remoto. Depois de um período de queda nas vendas devido à paralisação das fábricas na pandemia de coronavírus, as gigantes HP, Lenovo, Apple e Acer produziram até 36% mais computadores em relação ao mesmo período de 2019.

Dell G5 5590 Notebook

Duas consultorias registraram o crescimento, ainda que em proporções distintas. Para a IDC, a indústria vendeu 72,26 milhões de PCs entre abril e junho, uma alta de 11,2% em base anual, enquanto o Gartner registra 64,8 milhões de unidades, um crescimento de 2,8% em relação ao segundo trimestre de 2019.

A diferença nos números é causada pela metodologia de cada consultoria: a IDC contabiliza “desktops, notebooks e workstations, mas não tablets e servidores x86”, enquanto o Gartner leva em conta “PCs de mesa, notebooks e ultraportáteis premium, mas não Chromebooks ou iPads”.

Estas foram as maiores fabricantes de PCs no mundo no segundo trimestre de 2020, segundo o IDC:

Fabricante Unidades Fatia de mercado Crescimento anual
HP 18,082 milhões 25,0% 17,7%
Lenovo 17,411 milhões 24,1% 7,4%
Dell 12,010 milhões 16,6% 3,5%
Apple 5,594 milhões 7,7% 36,0%
Acer 4,828 milhões 6,7% 12,7%
O resto 14,337 milhões 19,8% 6,8%
Total 72,261 milhões 100% 11,2%

E estes são os números do Gartner para o mesmo período:

Fabricante Unidades Fatia de mercado Crescimento anual
Lenovo 16,197 milhões 25,0% 4,2%
HP 16,165 milhões 24,9% 17,1%
Dell 10,648 milhões 16,4% -0,3%
Apple 4,368 milhões 6,7% 5,1%
Acer 4,007 milhões 6,2% 23,6%
Asus 3,593 milhões 5,5% 21,4%
O resto 9,829 milhões 15,2% -22,4%
Total 64,808 milhões 100% 2,8%

Segundo a IDC, tanto a frequência quanto o custo dos fretes aéreos e marítimos retornaram aos níveis próximos de antes da pandemia. A produção de PCs também subiu, “em alguns casos ultrapassando os níveis anteriores”, permitindo que os varejistas e distribuidores consigam atender à demanda. Na América Latina, mesmo com uma queda contínua no mercado de computadores, os laptops cresceram 10%.

Notebooks crescem; Dell tem primeira queda em 4 anos

“Apesar da queda de 4% no mercado de PCs em base anual, os envios de notebooks cresceram 10%, o melhor resultado dos últimos dois anos para essa categoria. Mobilidade se tornou uma prioridade em todos os países da região, o que causou uma redução significativa nos desktops. Trabalho remoto, ensino à distância e entretenimento impactaram positivamente o mercado de notebooks para consumidores e empresas”, diz a IDC sobre a América Latina.

A queda da Dell, de acordo com os números do Gartner, ocorreu na maior parte do mundo. Segundo a consultoria, a fabricante enviou mais PCs para o Japão, Europa, Oriente Médio e África, mas perdeu espaço em todas as outras regiões, com o maior declínio, de 20%, sendo registrado na América Latina. Trata-se da primeira queda anual nas vendas da Dell desde o início de 2016.

A dose de fôlego no mercado de PCs, no entanto, não deverá durar muito tempo: segundo a IDC, o movimento de alta continuará em julho, com pedidos em atraso ainda na fila, mas deverá reduzir à medida que a recessão econômica global se aprofundar.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
6 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Júlio César (@Potrinho)

Nossa, a Asus vendeu pouquinho. Jurava que era uma marca forte no mercado de notebooks. Dell e HP nunca mais, não tive sorte com elas.

@ksio89

Eis o que acontecerá quando a demanda diminuir devido ao aprofundamento da crise:

lojas no exterior: vamos baixar os preços pois a demanda caiu

lojas no Brasil: vamos aumentar os preços ainda mais para compensar a queda na demanda

Tiago Jeronimo (@TiagoJL)

Na hora do Home Office as pessoas finalmente se deram conta de que a conversa que Notebook era desnecessário e Smartphone dava conta de tudo era balela.

É bom que a Dell veja esse resultado e crie vergonha na cara para parar de vender notebook por 3k com tela HD. Tenho um notebook Dell que comprei em 2014 e me serve muito bem até hoje (principalmente depois que instalei um SSD de 1gb nele), mas procurei um Dell com um bom CxB para minha esposa ano passado e não achei nada na Dell que tivesse tela Full HD e custasse menos de 4k, acabei comprando um Samsung Expert X30.

Tulio Eduardo (@Tulio_Eduardo)

A pandemia mudou bastante coisa, inclusive nesse aspecto. Diversas empresas colocaram os seus colaboradores de Home Office, devido isso tiveram que adquirir laptops para tal ação. Por outro lado, muitas pessoas estão deixando de trocar de smartphone esse ano, para trocar o seu laptop antigo ou comprando o seu primeiro laptop.