Início » Internet » Facebook classifica post negando aquecimento global como “opinião”

Facebook classifica post negando aquecimento global como “opinião”

Conteúdo de opinião não tem passado por checagem de fatos no Facebook e isso pode servir de "brecha" para desinformação

Emerson Alecrim Por

O Facebook tem agido proativamente no combate às informações e notícias falsas relacionadas à COVID-19. Por outro lado, o mesmo empenho não é notado com relação a outro assunto que frequentemente é alvo de desinformação: mudanças climáticas. A companhia tem tratado publicações sobre aquecimento global como opiniões que, portanto, não precisam de verificação.

Facebook

Para determinar que uma publicação é uma notícia falsa ou espalha inverdades, o Facebook trabalha com agências de verificação de fatos em várias partes do mundo. Estima-se que cerca de 50 organizações prestam esse tipo de serviço para a plataforma.

O número é grande porque, além de cobrir conteúdos oriundos de várias partes do mundo, a checagem de fatos pode ser dividida por temas. Há agências que são focadas, por exemplo, em verificação de postagens sobre mudanças climáticas.

Se uma publicação for considerada falsa ou espalhar desinformação, ela poderá ser mantida na rede social, mas terá seu alcance reduzido, exibirá avisos que indicam que o conteúdo é enganoso ou parcialmente falso e poderá ser acompanhada de links que apontam para a informação correta, por exemplo.

Foi o que aconteceu com uma publicação da CO2 Coalition, grupo que nega as mudanças climáticas e defende que as emissões de carbono não prejudicam o planeta. O conteúdo em questão foi analisado pela agência Climate Feedback e classificado como informação falsa.

No entanto, a CO2 Coalition apelou para o Facebook, que acabou liberando a publicação. Aos verificadores, a companhia justificou a decisão argumentando que o conteúdo em questão era de opinião, razão pela qual não estava sujeito aos critérios de checagem de fatos.

Facebook

Agora, o Facebook vem sendo pressionado para assumir uma postura mais rigorosa sobre esse tipo de conteúdo. De modo geral, especialistas no assunto defendem que postagens de opinião tenham espaço na rede social, mas sejam restringidas se, claramente, divulgarem informações falsas ou prejudiciais, do contrário, os propagadores de desinformação usarão essa “brecha” com mais frequência.

Procurado, o Facebook respondeu que todo conteúdo baseado em conteúdo falso, mesmo que de opinião, está sujeito às checagens e que está trabalhando para deixar isso mais claro em suas diretrizes. A empresa não explicou, porém, se fará análises mais rígidas especificamente sobre postagens relacionadas a mudanças climáticas.

Com informações: The New York Times.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
9 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

José Vieira (@Jose_Vieira)

A que ponto chegamos, rs… Grupos que desconhecem como a ciência funciona, ou mesmo que nem de perto desconfiam o que seja essa tal coisa, pressionam uma rede social - a qual elegeram entidade promotora da verdade, a denunciar como falso aquilo com o qual não se alinham, ou simplesmente não acreditam. É preciso deixar claro que não existe nenhuma PROVA CIENTÍFICA de que o CO2 influi sobre a temperatura da Terra. Até ONDE A CIÊNCIA É CAPAZ DE INVESTIGAR, por enquanto, é apenas uma hipótese carente de provas e desmentida por vários períodos onde o nível de CO2 se elevou bastante na atmosfera e mesmo assim a temperatura permaneceu estável ou caiu. Logo, a menos que a tal Climate Feedback consiga provar que o CO2 eleva a temperatura no planeta quem deve ter o carimbo de entidade validadora suspenso é a própria agência. Não existe verdade absoluta em ciência, tudo é circunstancial.

João Almeida (@Joao_Almeida)

Parece que esse comentário foi feito em 1920 KKKKKKKKKK Feliz 2020, colega. Já existe várias comprovações e fatos sobre isso. E não, a ciência não depende das circunstâncias quando algo já está provado.

Anderson Antonio Santos Costa (@Anderson_Antonio_San)

Então, páginas que defendem a Terra Plana e outras pseudociências serão opinião no Facebook???
Isso é danoso demais.

José Vieira (@Jose_Vieira)

De acordo com o Michaelis:
COMPROVAÇÃO; sf
1 Ação de comprovar; comprobação.
2 JUR Prova apresentada juntamente com outra.
3 JUR Ação de evidenciar a verdade através da apresentação de mais de uma prova.

Se em 2020 mudou, ou se tens estes dados que ninguém possui, favor apresentar. rs…

Em tempo, em 2018, especula-se que a emissão de carbono pelo homem foi de 37 bilhões de toneladas,; digo especula-se, porque a metodologia não é uniforme para esses medições; entanto, os fluxos naturais de carbono (COMPROVADOS) entre os oceanos, vegetação e solos (incluídos vulcões, inativos e ativos sem erupções) somam 200 bilhões de tonelada por ano.

Agora esteja à vontade para apresentar seus dados; ou alinhe-se aos grupos de pressão que classificam tudo que não entendem, desconhecem ou não acreditam como fake news.

² (@centauro)

Eu não sei em que pé está o estudo sobre comprovação empírica da relação entre CO2 e aquecimento global, mas uma pesquisa rápida aqui me mostra que, nas publicações científicas, há um consenso grande de que existe aquecimento global E que a causa é antropogênica.
Fontes:
- Reply to ‘Quantifying the consensus on anthropogenic global warming in the scientific literature: A re-analysis’ (confirmam que o consenso gira em torno dos 97±1%).
- Quantifying the consensus on anthropogenic global warming in the scientific literature (encontram um consenso de 98% analisando o abstract dos artigos, além de apontarem que há um grande volume de artigos que não se posicionam no abstract, situação esperada quando há um consenso sobre um assunto, já que o foco dos cientistas passa a ser perguntas onde há debate. No caso, não há mais debate sobre o aquecimento global sendo causado pelo homem)
Scientists Reach 100% Consensus on Anthropogenic Global Warming (é o mais recente que encontrei, mas é meia-boca)

Então eu diria que os cientistas estão de acordo de que o aquecimento global existe e que é causado pelo homem.

Agora, isso quer dizer que existe evidência empírica dissol?
Não necessariamente.
Mas isso não é necessário para que haja um consenso e que a ciência aceite esse consenso como sendo uma verdade até que o contrário seja provado (ou até que essa verdade passe a entrar em conflito gritante com a realidade).
Exemplos não faltam. Os bósons de Higgs, por exemplo, foram teorizados lá nos anos 60 e só foram provados de fato recentemente. Nesses 50 anos de intervalo, eu imagino que a existência dessa partícula não só foi aceita, como a ciência avançou considerando que essa partícula existia.

Ou seja, não é necessário que haja evidência empírica para uma hipótese fazer parte de um paradigma científico (no termos kuhniano), e o paradigma atual da ciência climática parece ser que o aquecimento global é real e causado pelo homem. E eu suponho que seja esse consenso que o FB levou em consideração.

Óbvio que esse ser o paradigma não significa que seja correto. E existem cientistas que não aceitam esse paradigma e tentam provar o erro desse paradigma e mudá-lo.
Por hora, ainda não conseguiram convencer a maioria.

(Dá pra debater sobre os riscos do consenso científico e como isso pode dificultar pesquisas contrárias ao consenso, já que tais pesquisas teriam muito mais dificuldade para conseguir financiamento e tal, mas isso é outro bicho.)