Início » Brasil » Maioria dos entregadores de apps não quer carteira assinada, diz Ibope

Maioria dos entregadores de apps não quer carteira assinada, diz Ibope

De acordo com o Ibope, apenas 30% dos entregadores de apps desejam trabalhar com carteira assinada (CLT)

Darlan Helder Por

O Ibope divulgou uma pesquisa que mostra que a maioria dos entregadores de apps como iFood, Uber Eats e Rappi não quer trabalhar com carteira assinada. O instituto questionou se eles preferem o modelo atual com horário flexível e possibilidade de atuar em várias empresas simultaneamente, ou trabalhar com base na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Paralisação de entregadores de iFood, Rappi e Uber Eats em São Paulo (Foto: Roberto Parizotti/Fotos Públicas - 01/07/20)

A pesquisa revela que 70% preferem manter a flexibilidade e 30% desejam ter a carteira assinada. Os profissionais também responderam sobre a melhor empresa para se trabalhar com o serviço de entrega — o iFood é o preferido. A companhia brasileira é considerada a melhor para 64%, enquanto o Uber Eats fica em segundo lugar (16%) e o colombiano Rappi em terceiro (7%).

Quando questionados sobre a remuneração, 56% afirmam que o iFood paga melhor, Rappi aparece em seguida (14%) seguido do Uber Eats (9%).

Rappi (Foto por Carlos Felipe Pardo/Flickr)

Com relação à paralisação exigindo melhores condições de trabalho, o Ibope apresenta que 40% apoiam o movimento Breque dos Apps, 23% não apoiam e 18% são indiferentes. Já 8% não ficaram sabendo da iniciativa. O Ibope entrevistou 1.000 entregadores de apps nos dias 17 e 18 de julho.

Entregadores de apps marcam nova paralisação

Uber Eats / Pixabay / Imagem de Postcardtrip

Uber Eats / Pixabay / Imagem de Postcardtrip

Em São Paulo, os entregadores de apps marcaram outra paralisação para este sábado (25). A categoria continua exigindo melhores condições de trabalho, além de aumento no valor da corrida, seguro de vida e contra roubos, e entrega de EPIs, para evitar a contaminação pelo novo coronavírus, entre outros.

Os debates sobre o tema ganharam notoriedade durante a pandemia já que os profissionais não pararam durante a crise.

O primeiro Breque dos Apps ocorreu há quase um mês. Entregadores de iFood, Rappi, Uber Eats e Loggi se uniram em vários estados brasileiros exigindo mudanças no sistema de trabalho atual.

Com informações: Exame.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
12 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

 • 令和 • Ward'z de Souza 🇯🇵🎌🦊🔥 - Risonho e Límpido (@Wardz_de_souzA)

Maioria dos entregadores de apps entenderam como app funciona.

Leandro Alves (@KILLME)

“Imagine my shock”

Mesma coisa de quem faz trabalho freelancer, só quer o dinheiro na mão e trabalhar quando quiser/precisar. Liberdade acima de qualquer coisa.

Guilherme Macêdo da Cruz (@guyilherme)

Não apenas a liberdade de trabalharem quando querem e como querem, mas perceber que com CLT não tem mágica. Não tem como todo mundo ser contratado. E ninguém quer ficar desempregado.

@wellerstz

achei a pergunta bem desonesta.

era pra fazerem duas perguntas, se preferem horário flexível ou não, e a outra se preferem trabalhar de carteira assinada ou não

se me perguntassem se gosto de horário flexível eu iria dizer que sim, mas se prefiro estar por CLT ou por fora, eu iria preferir a CLT

Léx Ferracioli (@Lex_Ferracioli)

Sempre querem mexer em algo que está dando certo, toda a vida foi assim com os motoboys, muitos são freelancer e adoram a flexibilidade, outros tem carteira assinada e “mais segurança/estabilidade”, cada um busca o que for melhor para si, sem necessidade de obrigatoriedade.

Bruno (@Unknown)

A verdade é que a CLT é uma velharia ultrapassada que precisa ser removida e criado algo novo com novas diretrizes.
Os entregadores já perceberam isso, assim como uma boa parcela da população.

Bruno Who? (@brunossn)

A verdade é que presenciei um monte de classe média defendendo CLT pra entregadores, sem nem mesmo perguntarem se eles queriam.

Bruno Who? (@brunossn)

Mas tem como ser CLT com horário flexível?

Nicolas Gleiser (@Nicolas_Gleiser)

Só uma informação extra pra galera discutindo a CLT , o mundo não é feito de pessoas solteiras que ganham mais de 5k, pra quem ganha muito pouco e não consegue poupar ou se planejar pro futuro, a clt ajuda muito com algumas garantias, e não me venha com “se não existir CLT o cara vai ganhar mais” pq todo mundo sabe que isso não é verdade, se a CLT não existir, no máximo eles vão aumentar o lucro

@wellerstz

hoje em dia está mais fácil até, trabalhando remoto vc “faz seu horário”

imhotep (@imhotep)

Formalmente eu não sei, mas na minha empresa eu dava total liberdade para os funcionários da área técnica. Se cumpriu a meta da semana ou mês, pode até ir pra casa. O que importa é a empresa estar indo pra frente e todos crescendo.

Leandro Alves (@KILLME)

Nem precisa mais fazer paralisações, agora vão criar o próprio app (atitude natural) para competir com o ifood, rappi e uber.

O formato será em forma de cooperativa, então provavelmente vão pagar mais para os motoqueiros.

Fonte: https://www.uol.com.br/tilt/noticias/bbc/2020/07/27/adeus-ifood-entregadores-tentam-criar-cooperativa-para-trabalhar-sem-patrao.htm

Eu acho que deveriam ter feito isto antes, aí eles mesmos podem ser seus patrões e dividir o lucro em partes iguais. Claro que eu não acredito que esse tipo de coisa funcione, mas vamos ver hehehe.

Bruno Who? (@brunossn)

Mas ainda precisa fazer um horário fixo, e de 6 a 8 horas por dia, certo?

Gigo CAP (@GigoCAP)

Não dá pra comparar um home office que um pra entrega, né? Se o cara faz 5 entregas por dia, já era. Fica sem emprego e sem flexibilidade de horário.

Esse modelo de CLT só funciona pra entregador fixo do estabelecimento, o resto é utopia.