Início » Brasil » Maioria dos entregadores de apps não quer carteira assinada, diz Ibope

Maioria dos entregadores de apps não quer carteira assinada, diz Ibope

De acordo com o Ibope, apenas 30% dos entregadores de apps desejam trabalhar com carteira assinada (CLT)

Darlan HelderPor

O Ibope divulgou uma pesquisa que mostra que a maioria dos entregadores de apps como iFood, Uber Eats e Rappi não quer trabalhar com carteira assinada. O instituto questionou se eles preferem o modelo atual com horário flexível e possibilidade de atuar em várias empresas simultaneamente, ou trabalhar com base na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Paralisação de entregadores de iFood, Rappi e Uber Eats em São Paulo (Foto: Roberto Parizotti/Fotos Públicas - 01/07/20)

A pesquisa revela que 70% preferem manter a flexibilidade e 30% desejam ter a carteira assinada. Os profissionais também responderam sobre a melhor empresa para se trabalhar com o serviço de entrega — o iFood é o preferido. A companhia brasileira é considerada a melhor para 64%, enquanto o Uber Eats fica em segundo lugar (16%) e o colombiano Rappi em terceiro (7%).

Quando questionados sobre a remuneração, 56% afirmam que o iFood paga melhor, Rappi aparece em seguida (14%) seguido do Uber Eats (9%).

Rappi (Foto por Carlos Felipe Pardo/Flickr)

Com relação à paralisação exigindo melhores condições de trabalho, o Ibope apresenta que 40% apoiam o movimento Breque dos Apps, 23% não apoiam e 18% são indiferentes. Já 8% não ficaram sabendo da iniciativa. O Ibope entrevistou 1.000 entregadores de apps nos dias 17 e 18 de julho.

Entregadores de apps marcam nova paralisação

Uber Eats / Pixabay / Imagem de Postcardtrip

Uber Eats / Pixabay / Imagem de Postcardtrip

Em São Paulo, os entregadores de apps marcaram outra paralisação para este sábado (25). A categoria continua exigindo melhores condições de trabalho, além de aumento no valor da corrida, seguro de vida e contra roubos, e entrega de EPIs, para evitar a contaminação pelo novo coronavírus, entre outros.

Os debates sobre o tema ganharam notoriedade durante a pandemia já que os profissionais não pararam durante a crise.

O primeiro Breque dos Apps ocorreu há quase um mês. Entregadores de iFood, Rappi, Uber Eats e Loggi se uniram em vários estados brasileiros exigindo mudanças no sistema de trabalho atual.

Com informações: Exame.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
12 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

 • 令和 • Ward'z de Souza 🇯🇵🎌🦊🔥 - Risonho e Límpido (@Wardz_de_souzA)

Maioria dos entregadores de apps entenderam como app funciona.

Guilherme Macêdo da Cruz (@guyilherme)

Não apenas a liberdade de trabalharem quando querem e como querem, mas perceber que com CLT não tem mágica. Não tem como todo mundo ser contratado. E ninguém quer ficar desempregado.

Léx Ferracioli (@Lex_Ferracioli)

Sempre querem mexer em algo que está dando certo, toda a vida foi assim com os motoboys, muitos são freelancer e adoram a flexibilidade, outros tem carteira assinada e “mais segurança/estabilidade”, cada um busca o que for melhor para si, sem necessidade de obrigatoriedade.

Bruno (@Unknown)

A verdade é que a CLT é uma velharia ultrapassada que precisa ser removida e criado algo novo com novas diretrizes.
Os entregadores já perceberam isso, assim como uma boa parcela da população.