Início » Negócios » Copiar é mais rápido que inovar, dizem funcionários do Facebook

Copiar é mais rápido que inovar, dizem funcionários do Facebook

A troca de mensagens dentro do Facebook aconteceu no primeiro semestre de 2012, quatro anos antes do Instagram copiar o Snapchat

André Fogaça Por

Em e-mails internos do Facebook, divulgados pela Câmara dos Estados Unidos, funcionários revelaram que copiar é mais rápido do que inovar. A afirmação apareceu justamente quando o assunto de desenvolvimento de apps internos estava em voga, poucos anos antes do Instagram copiar o Snapchat.

Facebook Mark Zuckerberg

Foto por Anthony Quintano/Flickr

A troca de mensagens aconteceu em 2012 e tem Mark Zuckerberg, diretor executivo do Facebook, na lista de remetentes. Em um dos momentos, o executivo dono do Facebook afirma que “na China existe uma forte cultura de clonar coisas de forma muito rápida e de criar diversos produtos no lugar de focar em apenas uma coisa por vez”.

Zuckerberg continua e diz que entende a queda na qualidade que copiar outros pode acarretar, mas afirma que o crescimento do mercado torna difícil identificar quem é o original e quem é o clone. Exemplos de recursos clonados pelo lado chinês estão em partes do Pinterest, Tumblr, Voxer que foram levados para outras plataformas do país asiático.

Outro executivo afirma que “copiar é definitivamente mais rápido”. Ele comenta que em 2007 conseguiu criar uma rede social na Índia muito parecida com o Facebook, com o trabalho de três ou cinco pessoas. “Os caras que copiam também não perdem tempo lançando produtos que eles notaram que não funcionam tão bem. Eles só copiam qualquer coisa que já funciona ou que pode gerar dinheiro”, complementa.

A conversa prossegue com um “eu adoraria ser muito mais agressivo e ágil ao copiar a interface dos concorrentes até a última milha”, com “vamos copiar o Pinterest!” saindo de um remetente que teve o nome removido no documento disponibilizado.

No final dois nomes estão na mensagem mais recente da lista: Roger e Snap. Muito provavelmente Snap é o Snapchat e o papo foi de 2012, quatro anos antes do Instagram lançar os stories que se apagam em 24 horas e que são literalmente uma cópia do mesmo recurso lá do Snapchat. Vale lembrar também que foi em 2012 que o Facebook comprou o Instagram por US$ 1 bilhão.

A mais recente cópia do Facebook também envolve o Instagram e é o Reels, que segue exatamente o mesmo formato de vídeos do TikTok.

Com informações: The Verge.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
10 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

João Almeida (@Joao_Almeida)

Realidade: copia quem não tem criatividade.

É diferente de um sistema operacional em que 3 distintos oferecem as mesmas opções (pra mim isso é bom). Já redes sociais que se copiam, estão apenas desesperadas para se manter.

Douglas Furtado Gonçalves (@DouglasFurtado)

As gigantes de tecnologia se tornaram imensas por canibalizar as concorrentes, não porque venceram pelo melhor produto. Vitória do dinheiro. É aquela coisa:money, power and glory.

imhotep (@imhotep)

Copiar não é errado.
A Apple e a MS popularizaram o sistema de janelas da Xerox.

O Instagram popularizou o stories e matou o Snapchat, q nunca chegou verdadeiramente às massas.

Se copiar e fizer melhor, não vejo problemas. Nem sempre é possível inovar da noite para o dia, ainda mais nessa área.

Leonardo G. Roese (@leonardoroese)

Na natureza nada se cria, tudo se copia…ditado vééééio.

² (@centauro)

Copiar é mais rápido que inovar.
A afirmação parece correta pra mim.
Só acrescentaria que também é mais barato.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Pse, aí entra mais na questão que boas soluções se tornam padrão e perde o status de cópia. Um exemplo foi os gestos do iPhone X, que o Android adotou, com pequenas modificações.

Já redes sociais em sua essência, costumam ser diferentes uma das outras, como forma de atrair seu público alvo. Mas quando esse público alvo se torna relevante o bastante, entra na mira das grandes redes sociais.

O Snapchat recusou a oferta de compra. O Facebook foi lá e implementou um recurso que fazia sucesso na concorrência, no seu app que tinha uma base instalada maior, não deu outra, por conveniência o usuário optou pelo que já tinha mais seguidores. Snapchat lançou filtros legais, o que as pessoas fizeram? Usaram os filtros do Snapchat, gravaram o stories e repostaram no Instagram.

Uriel (@Uriel)

Todas essas não fizeram melhor!

João M. (@RonDamon)

Realidade: copiar dá dinheiro*

Matt (@hadtohear)

Exato, menos custos em P&D

imhotep (@imhotep)

Não é o que a história e principalmente o market share contam. Só isso importa.

Leonardo G. Roese (@leonardoroese)

O mudo de software é meio “a Deus dará” quanto a proteção de propriedade intelectual. Em outras áreas se resolve com patentes, mas software não tem proteção eficiente e permite uma empresa que gastou milhões em uma plataforma ser copiada se o desenvolvedor alterar a ordem das coisas mesmo que sutilmente.

Uriel (@Uriel)

Não fazer melhor, não quer dizer que não vá ganhar mais dinheiro e nem que não vá ser muito grande! O povo ama bostas kkk