Início » Brasil » O consumidor, mais uma vez, se dá mal

O consumidor, mais uma vez, se dá mal

Avatar Por

Por mais que a gente bata na mesma tecla, nunca é demais voltar a esse assunto: o quanto nós, consumidores, estamos abandonados à nossa própria sorte. Falo especificamente da decisão da justiça suspendendo a validade da Nota Técnica do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) de considerar o aparelho celular como serviço essencial.

Anotem bem o nome da juíza: Maria Fernanda de Toledo Rodovalho, da 12ª Vara da Fazenda Pública, de São Paulo. Foi ela quem decidiu que as empresas não são obrigadas a trocar de imediato celulares que saíram das lojas com defeito.

É curioso: considera-se os serviços de telecomunicações como essenciais, mas o aparelho, que serve de suporte, não. Sem ele simplesmente não há serviço!

Como à decisão cabe recurso, só nos resta esperar. E lamentar.

Com esse episódio, aproveito para puxar o gancho do quanto nossas assistências técnicas são burocráticas e ruins. Não é raro ficarmos sem nossos aparelhos durante todo o prazo para conserto, que é de um mês. Para piorar, são comuns histórias de idas-e-voltas por não solução do problema. Daí seguem-se 2, 3, 4 meses… E nada. Cansado, o consumidor que não pode ficar sem seu aparelho – importante ferramenta de trabalho de muitos – desiste e compra outro. Há ainda os casos em que, fora da garantia, o orçamento do reparo chega perto do valor de um aparelho novo.

Em ambas as situações, estamos compactuando com a iniciativa das empresas de promover a rápida troca de aparelhos, retroalimentando uma indústria que, ao invés de oferecer inovações tecnológicas, quer impô-las, pensando unicamente no lucro.

Somam-se a isso as falhas na legislação: os produtos fabricados na Zona Franca de Manaus recebem isenção de impostos, o que não acontece com as peças de reposição!

Há modelos de aparelhos que são mais recorrentes nos problemas, o que nos leva a cogitar se não há alguma falha estrutural. Mesmo assim, donos desses aparelhos são os que mais sofrem, pois frequentemente a empresa fabricante retorna as queixas dizendo que não foram encontrados defeitos.

O pós-venda de muitas empresas continua péssimo, como sempre foi. São cobranças indevidas, falta de informações, falta de acessórios, falta de assistências, problemas com entregas, e aquele eterno email blasé: “obrigado pelo contato, nossa preocupação maior é o bem dos consumidores, mas não podemos fazer nada por você.”

E o que dizer de aparelhos que simplesmente não têm assistência técnica no país? É o caso do iPhone da Apple, pelo menos do ponto de vista oficial. Corriam rumores que a Anatel estava atrasando a homologação do novo modelo, o iPhone 4, por causa disso. Segundo o Correio Braziliense, a agência não estaria satisfeita com a assistência técnica do smartphone no Brasil.

Quem é que, como consumidor, não tem uma história de terror para contar? Resta esperar que apareça alguém que realmente nos represente com mais vigor, fazendo valer nossos direitos.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Eduardo
Vale lembrar que se o produto ficar na assistência por mais de 30 dias ou ele retornar à assistência pela terceira vez, apresentando o mesmo problema, vc pode exigir seu dinheiro de volta ou um aparelho novo.
Adilson dos Santos Dantas
Alguns anos tive problemas com a assistência técnica da Nokia no qual fiquei quase um mês sem o celular. Eu poderia ter a opção de colocar o chip no aparelho corporativo que tinha mas o mesmo estava com o sim lock de outra operadora e o problema era apenas na troca do visor e, como faltava uma semana para garantia terminar fui aproveitar logo e peguei este chá de cadeira. Outro dia foi com um cabo flex de outro Nokia da minha esposa. Como o aparelho estava fora da garantia, consegui trocar em menos de uma hora numa loja em Nova Iguaçu. Diferente da assistência técnica oficial, ao menos foram rápido no conserto. E, agora, quanto a Maria Fernanda de Toledo Rodovalho recebeu para fazer esta brincadeira com os consumidores??? Tomara que apareça um outro juiz com bom senso e derrube essa decisão no recurso.
Daniel Docki
o brasil é uma merda, lei só funciona com pequenas e médias empresas, essas multinacionais se escondem, não tem endereços...único contato é via telefone que nem merece comentários. To sem um iphone que deu problema a mais de 6 meses e tento entrar em contato com a claro que foi quem me vendeu e é minha operadorae nada. Procon? isso não funciona, já registrei e nada, só entrando na justiça...e dinheiro para isso? e o tempo que isso vai levar? sinceramente o brasil é uma merda
@terriani
Concordo com quase tudo o que li aqui, porém, o quem mais me chamou atenção foi o comentario dizendo que a "Justiça" tem que ser "Justa"... Alguém já viu isso acontecer no Brasil???
RaphaelDDL
Como diria o @caodadepressao "Não desanime com uma derrota. Amanhã tem mais"
RaphaelDDL
Vo xingar muito no twitter! É sériow!
RaphaelDDL
E neste caso, ela não foi justa, logo, foi comprada.
Hernani
Existe uma lei que se o produto comprado tiver defeito de fábrica ele será trocado por um totalmente novo em um prazo de 7 dias, como vai ficar agora, qual lei vai valer?
kylefurtado
Grande novidade, sempre sobra pra gente.
guimjr
A Juíza, na verdade, não acabou "suspendendo a validade da Nota Técnica do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC)" como notiticiado aqui e pela grande imprensa. Após a expedição da nota técnica e com base nela, o PROCON de SP decidiu notificar a ABINEE (associação dos fabricantes) para cumprir o decidido pelo DPCD. A decisão da juíza foi no sentido que de a nota técnica tem "caráter opinativo" e não força de lei. Confiram aqui na íntegra: http://bit.ly/c2x8vN. Ou seja, pra ela não existe obrigatoriedade. Nada impede que o PROCON siga em frente e multe os fabricantes pelo descumprimento da nota técnica, bem como que a ABINEE tente na justiça o contrário.
@marcelomuraro
Comprei meu iPhone 3GS naquela "promoção" da Oi. Sem levar em consideração os problemas que venho efrentando com essa empresinha ordinária, o cabo de dados do iPhone veio com defeito e, com poucos dias de uso, não permitia que o aparelho fosse reconhecido pelo computador. Ao constatar que o problema era no cabo, não tive dúvida: comprei um cabo novo. Preferi gastar do que ter de sofrer com a péssima assistência técnica da SIMM do Brasil que, de incício, deu sinais de que eu iria ter os problemas citados neste post. Dos juízes (sem juízo), como é o caso desta "supracitada", só se pode mesmo lamentar, vendidos à iniciativa privada :(
Braz Moura Locateli
Meu irmão comprou um Sony Erisson W380, da deu defeito, assistência depois de um mês diz que o celular estava oxidado e dai não era problema dela. Esse celular apresenta o problema com varias pessoas no Brasil inteiro, foi um celular extremamente problemático, as comunidades do Orkut só falam mal. No final das contas meu irmão ficou sem celular e assistência não servil pra nada.
JoseRenan
não tem como piorar
@AntonioVeras
Nem vai. Para ela é melhor coisa é trocar o aparelho, desde que esteja no período de garantia, é claro. E se não estiver, eles te dão um desconto para comprar outro, ou não.
@_LDV
Sim mas ela pode ser corruptá né
Exibir mais comentários