Início » Negócios » Apple, Disney e outras estão preocupadas com banimento do WeChat

Apple, Disney e outras estão preocupadas com banimento do WeChat

Para Apple, Disney, Ford e Walmart, banimento do WeChat pelos EUA pode afetar suas vendas na China

Emerson Alecrim Por

O iminente banimento do WeChat pelo governo dos Estados Unidos preocupa algumas gigantes americanas. Representantes da Apple, Disney, Ford e Walmart teriam participado de uma conferência com a Casa Branca para expressar as consequências que o bloqueio do plataforma chinesa de mensagens poderá ter sobre seus negócios.

Do mesmo modo que o WhatsApp é bastante popular no ocidente, o WeChat domina as trocas de mensagens na China. Mas o aplicativo vai muito além disso: a ferramenta é amplamente utilizada no país para pagamentos, compras online e transferência de valores.

Neste ponto, fica fácil entender as preocupações das gigantes americanas. Se a Apple tiver que retirar o WeChat da App Store, por exemplo, os chineses darão preferência a aparelhos de marcas locais que não barram o aplicativo. Isso poderia fazer as vendas do iPhone caírem drasticamente — em torno de 30%, estima um analista.

iPhone - WeChat - App Store (Foto: Bruno Gall De Blasi/Tecnoblog)

Essa preocupação não é exagerada. O WeChat é extremamente popular, tanto que, para muita gente na China, não acessar o serviço seria equivalente a ficar offline.

Para Disney, Ford, Walmart e outras companhias nos Estados Unidos, o banimento ao aplicativo implicaria em dificuldades na comercialização de produtos ou serviços para consumidores chineses, justamente pela ampla utilização do WeChat como meio de pagamentos.

Vale lembrar que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou ordens executivas na semana passada que proíbem negociações de companhias americanas com a ByteDance e a Tencent, empresas chinesas responsáveis, respectivamente, pelo TikTok e WeChat.

O banimento está previsto para começar em 20 de setembro. Até lá, o governo dos Estados Unidos deverá especificar quais tipos de transações estarão efetivamente proibidas.

É por isso que Apple, Disney e outras companhias estão conversando com autoridades americanas. A expectativa é a de que o banimento seja anulado ou, pelo menos, flexibilizado, se limitando apenas a usuários do TikTok e WeChat dentro dos Estados Unidos, por exemplo.

Com informações: Wall Street Journal.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
6 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

² (@centauro)

Mais um típico caso de canetada sem a devida análise do escopo das consequências.

A (@ksssskkkks)

honestamente eu acho q esse ban vai dar em nada, até pq essa história de proteção de ameaças a infraestrutura crítica, saúde e segurança pública, e segurança econômica e nacional (essa foi a justificativa dada pela casa branca) é claramente falsa. trump só quer banir esses apps pq ele não gosta da china pq ela compete economicamente com os eua. se esse banimento acontecer, provavelmente vai ser bem relaxado, especialmente pq um monte de companhias americanas dependem do mercado e indústria chinesa. além disso não é como se china não fosse retaliar, né.

(por outro lado, trump não pensa antes de agir, então )

A (@ksssskkkks)

acho q não, pq pelo q eu vi na política da app store, bens e serviços q são usados fora do app não devem ter compra in-app (acho que é por isso que apps de bancos, por exemplo, não têm compra in-app). posso estar errado.

fonte: Seção 3.1.5(a) das App Store Review Guidelines

LekyChan (@LekyChan)

lendo isso me veio uma duvida a mente, se empresas americanas estão proibidas de fazer negócios com a tencent isso não afetaria a indústria de games? já que ela é dona/sócia de várias dessas empresas?

Bruno (@Unknown)

A expectativa é que mesmo com Biden (Trump não tem condições de ganhar), o movimento anti-china continue nos EUA, talvez até pior.
Então mesmo que o Trump dê pra trás, ele mesmo ou o Biden vai ter que continuar bloqueando empresas chinesas em seu país.

A (@ksssskkkks)

tem razão. isso não deve acabar tão cedo