Início » Jogos » Google Play também bane Fortnite para Android após disputa com Epic

Google Play também bane Fortnite para Android após disputa com Epic

Epic tenta contornar taxa de 30% cobrada por lojas de apps; empresa ofereceu desconto permanente para compras diretas

Paulo Higa Por

O Google bloqueou na noite desta quinta-feira (13) a distribuição de Fortnite por meio da Play Store. O battle royale já havia sido suspenso na App Store após violar as diretrizes da Apple. As responsáveis pelo Android e iOS travam uma batalha contra a Epic Games, que tenta contornar a taxa cobrada pelas lojas de aplicativos em compras dentro do jogo.

Fortnite / Epic Games (Foto: Reprodução / Felipe Vinha)

A briga começou quando a Epic Games lançou uma nova modalidade de pagamentos dentro de Fortnite: seria possível adquirir conteúdos do jogo diretamente com a desenvolvedora, sem passar pelo método tradicional de compras in-app de Google e Apple. Com a novidade, os usuários poderiam comprar V-Bucks, a moeda do game, com descontos de até 20% de forma permanente.

É claro que o Google Play e a App Store não gostaram nem um pouco da ideia, já que as lojas ganham uma comissão de 30% para qualquer compra realizada dentro de aplicativos. A Apple, por não oferecer alternativas para baixar aplicativos no iOS, está na mira de outras empresas de tecnologia e tenta provar ao mercado que suas taxas não são anticompetitivas.

Fortnite para Android ainda pode ser baixado

Em comunicado, o Google confirma o banimento do jogo na principal loja de aplicativos do Android: “Embora Fortnite permaneça disponível no Android, não podemos mais disponibilizá-lo na Play Store porque viola nossas políticas. No entanto, deixamos em aberto a possibilidade de continuar nossas discussões com a Epic e trazer Fortnite de volta ao Google Play”.

O Google ressalta que Fortnite ainda pode ser baixado por outros meios. “O ecossistema aberto do Android permite que os desenvolvedores distribuam apps por meio de múltiplas lojas de apps. Para os desenvolvedores de jogos que optarem por usar a Play Store, temos políticas consistentes que são justas para desenvolvedores e mantêm a loja segura para os usuários”, diz a empresa.

Fortnite para Android continua sendo distribuído por meio do site oficial, que permite baixar o APK do jogo para instalá-lo manualmente. A Epic Games também incentiva o download do game por meio da Samsung Galaxy Store.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
18 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Sérgio (@trovalds)

Isso é ganância de executivo fominha mesmo. Ficaram anos sem ver dinheiro e de repente quando encontram a galinha dos ovos de ouro querem ficar com tudo só pra eles. Concordo que 30% não é exatamente pouco mas ficar nessa queda-de-braço só vai levar ao prejuízo deles mesmos. Pior que 30% a menos é não ganhar nada.

Aproveitando: alguém tem ideia de qual a proporção entre jogadores de PCs versus a de jogadores no mobile?

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Numericamente não, mas se analisarmos que esses 30% te dão acesso a estar em uma plataforma que está presente em mais de 80% dos dispositivos mobile do mundo, é até pouco.

O mesmo para a Apple, que da acesso a estar em uma vitrine para os usuários mais mão aberta e rentáveis que no Android. Acaba que é justo a cobrança tbm.

João Almeida (@Joao_Almeida)

Epic Games viu que ninguém baixava pelo site oficial deles e resolveu tirar pra ver se consegue pelo menos mais 2 downloads kkkkkk

² (@centauro)

Será que a Samsung vai pegar o bonde e banir também?

LekyChan (@LekyChan)

Errado, a epic ganha comissão em cima de todo jogo que usa a engine delees.

Além disso 30% é padrão de mercado, até lojas varejistas cobram por volta disso também.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Exatamente, privada. Ninguém é obrigado a disponibilizar o app, mas o fazem porque essas plataformas são uma ponte até o consumidor final. Elas estão literalmente pagando os 30/15% para ter acesso a esse público.

Seria o mesmo que você ter uma loja e ceder um espaço para terceiros. E para esses terceiros estarem na sua vitrine, precisam pagar uma taxa.

Ocorre o mesmo em salões de beleza. O profissional paga uma taxa que gira em torno de 30% sobre todos os serviços comercializados. E porque ele aceita esses termos ? Para ter uma cadeira no salão, e se valer do prestígio do mesmo, para conquistar novos clientes.

Para ter a sua marca de alimentos na prateleira de um desses grandes mercados, também tem uma taxa. Ou você acredita que as marcas são escolhidas aleatoriamente. Se for marca nova então, precisa pagar mais ainda para ter acesso a essa vitrine.

Existem diversos exemplos, uns qualificados, outros não. Tem argumento para os dois lados.

Jonathan (a.k.a Halls) (@akahalls)

Vai na fé, cara!

Agora sobre o banimento em si: tivesse entrado com processo antes de fazer coisas que violam as regras da loja rsrs Mas o q eles queriam de fato era a publicidade gratuita

LekyChan (@LekyChan)

O pessoal ta achando que Apple e Google concorrem com os Pagseguro da vida sendo só um método de pagamento.
Mas Apple, Google, Steam, Amazon e outras lojas tanto digitais quanto físicas não oferecem um simples meio de pagamento, mas sim toda uma infraestrutura.

Júlio Tenório (@JulioTenorio)

Sim, o jogo é gratuito, mas tem compras dentro do jogo, ou acha que ela fornece o jogo por bondade? Se usa a plataforma de outra empresa para disponibilizar o produto, nada mais justo do que pagar.

Basicamente o que ela tem feito ultimamente, entra em polêmica e com isso aparece em todo lugar.

Bruno (@Unknown)

Sim, 30% é normal em qualquer comercio, alguns tem 40% de margem, depende bastante.

“Ah mas é muita coisa, empresas estão ficando ricas as custas dos outros”
Oras, basta criar sua própria loja, cobra 10~20% e fique milionário sugando todo o mercado de publishers para ti, boa sorte. Ninguém é obrigado a aceitar isso, no caso dos restaurantes estão bem cientes dos 30% tanto que é mais caro o preço dos pratos via Ifood que pessoalmente ou pedindo por telefone. Aliás, se lembro bem todas as empresas de entrega citadas por você não tem lucros ainda.

Agora imposto? Imposto é roubo, você é forçado a pagar por serviços de péssima qualidade que ninguém perguntou se tem interesse ou não, partindo como base que ninguém escolhe o país que quer nascer.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Sim, se ele quiser estar na mão de mais de 90% da população. Ele também pode escolher lançar um console e não ter atravessador, mas daí não vai atingir o mesmo número de pessoas.

Melhor ter 70% de bilhões de downloads, que 100% de meia dúzia de usuários de console. Mas na verdade não precisa escolher entre um e outro, pode ter os dois. Só se adequar que cada plataforma tem seu modelo de negócios.

LekyChan (@LekyChan)

Aluguéis em shopping também são variáveis de acordo com o faturamento da loja.

² (@centauro)

No ecommerce você tem plataformas também que cobram uma taxa do vendedor (Amazon, Mercado Livre e praticamente toda loja grande hoje em dia).
Essas plataformas são equivalentes às lojas de aplicativos.

A taxa cobrada por essas plataformas (de ecommerce ou aplicativos) não é apenas lucro pra dona da plataforma.
Essa taxa cobre, dentre outras:

manuteção da plataforma;
1.1. manuteção da infraestrutura
1.2. manuteção da reputação da plataforma (o que atrai clientes) hospedagem do anúncio processamento das transações intermediação das transações serviço de suporte ao cliente (vendedor e comprador) lucro da mantenedora da plataforma acesso aos compradores da plataforma

Muitas vezes é muito mais negócio pagar a taxa da plataforma do que vender diretamente pro cliente porque os custos da loja criar, manter e trazer clientes para a sua própria plataforma são altos demais. Principalmente o último (trazer clientes), já que convencer o cliente de que vale a pena para ele comprar na sua loja online onde só você vende coisa é melhor do que ir comprar no Mercado Livre ou Amazon, onde ele pode encontrar praticamente tudo de tudo sendo vendido e pagar tudo em uma única compra e ter um canal unificado pra resolver qualquer problema que ele tenha.
A mesma análise vale para lojas de aplicativos, com a diferença da Apple, que a única forma de você ter o seu aplicativo disponível de maneira legal no iOS é via App Store. Mas quem disse que qualquer desenvolvedor precisa ter o direito de ter o seu app na loja da Apple?

² (@centauro)

Tanto Apple quanto Google baniram o Fortnite porque burlaram as regras da plataforma.
É que nem você tentar passar o seu contato pessoal no ML pra terminar a transação fora da plataforma. Isso é contra as regras e, se você for pego fazendo isso, pode ser banido.

De novo, a única diferença do iOS e do Android é que no iOS você é obrigado a usar a App Store pra vender seus aplicativos (desconsiderando jailbreak, se é que isso ainda é feito no iOS). Mas, novamente, eu não vejo o motivo de a App Store ser obrigada a permitir que qualquer desenvolvedor venda aplicativos lá.

LekyChan (@LekyChan)

Não, pois há um valor minimo que a loja tem de pagar para o shopping.
No caso do exemplo do ML, oque a Epic fez é vender no ML, mas dentro da pagina dele colocar outro meio de pagamento que não passa pelo mercado pago. A Google não liga da EPIC fornecer o APK por fora e nesse APK a EPIC usar o meio de pagamento que ela quiser, ela esta reclamando da EPIC colocar outro meio de pagamento que não passa pela Play Store na versão que é hospedada na Play Store.

Exibir mais comentários