Início » Negócios » Dona do TikTok censurou conteúdo anti-China em app de notícias

Dona do TikTok censurou conteúdo anti-China em app de notícias

Dona do TikTok, ByteDance censurou conteúdos que se opõem ao governo chinês em app de notícias, diz agência de notícias

Bruno Gall De Blasi Por

A ByteDance, dona do TikTok, censurou conteúdo anti-China em um aplicativo de notícias indonésio. Segundo a Reuters nesta quinta-feira (13), moderadores do BaBe (Baca Berita) da Indonésia foram orientados por uma equipe estabelecida na sede da empresa chinesa, em Pequim, a remover publicações que se opõem ao governo chinês.

ByteDance, dona do TikTok, censurou conteúdo anti-China em app de notícias, segundo Reuters (Foto: Unsplash/Kon Karampelas)

Os relatos partem de seis pessoas a par do assunto. Elas contam para a agência de notícias que conteúdos com críticas ao governo chinês foram censurados até meados de 2020 a partir de orientações dadas aos moderadores do aplicativo após a aquisição de todas as operações do aplicativo indonésio, em 2018, em sequência aos acordos feitos com o governo local para reverter o banimento do TikTok na Indonésia.

Ao The Verge, um porta-voz do Baca Berita afirma que “em nossos primeiros dias, antes de sermos capazes de adotar a abordagem mais localizada que usamos hoje, o BaBe tinha algumas práticas de moderação que não eram consistentes com nossa filosofia de fazer com que a equipe indonésia decidisse o que é apropriado para o seu mercado”.

“Essas diretrizes foram substituídas em 2019 e, desde então, construímos e capacitamos equipes de moderação locais para tomar decisões adequadas ao mercado local”, explicaram ao site especializado nesta quinta-feira (13).

Procurada pela Reuters, a ByteDance não teceu mais comentários sobre o assunto.

TikTok e WeChat (foto) devem ser banidos dos Estados Unidos (Foto: Bruno Gall De Blasi/Tecnoblog)

TikTok e WeChat devem ser banidos dos Estados Unidos

O TikTok e o WeChat podem ser banidos dos Estados Unidos em breve. No último dia 6, o presidente Donald Trump assinou ordens executivas que proíbem empresas norte-americanas de fazerem negócios com a ByteDance e a Tencent por ameaçar “a segurança nacional, a política externa e a economia dos EUA”. As medidas entram em vigor em 20 de setembro.

O futuro dos aplicativos chineses, ainda assim, é incerto, já que as ordens executivas não explicitaram o banimento do TikTok e WeChat no país. Para Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, a proibição da rede social pode criar um precedente ruim em outros países. Outras companhias norte-americanas se preocupam com o banimento do mensageiro.

O TikTok também é investigado na França, pela Comissão Nacional de Informática e Liberdades (CNIL), por uso de dados de usuários.

Com informações: Reuters e The Verge

 

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
6 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

² (@centauro)

Mas o que importa é que eles não compartilham os dados com a China, né?

Eu (@Keaton)

ByteDance is dancing.

Falando sério, é estranho que eles tenham poder de censurar coisas fora do pais deles… imagina o TecnoBlog não podendo falar mal da china. Tá doido.

² (@centauro)

Bom, é a plataforma deles, eles moderam o conteúdo como bem entenderem.
E essa é a máxima que muita gente, inclusive aqui nos comentários, parece aceitar quando se trata de plataformas privadas de conteúdo.

Eu (@Keaton)

No dia que o Tecnoblog começar a censurar coisas à pedido de outro pais, principalmente china e melhor coreia, eu deixo de frequentar o Tecnoblog. Serião mesmo.

Moderar conteúdo por causa de falta de civilidade ou conteúdo sensível (no pais) é uma coisa, por culpa de outros já são outros 500…

² (@centauro)

A dúvida pra mim é se o ByteDance censurou a pedido do governo ou por “conta própria” (pra evitar problemas com o governo).

Eu (@Keaton)

Se censurou fora da China, para mim não faz a menor diferença. Governo chinês não manda fora do próprio território. O que for feito fora do território não é responsabilidade deles.

Tipo o Facebook bloqueando aquelas contas estrangeiras apenas no território brasileiro ao invés de banir como fez com as brasileiras.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Vamos além. Qual o comportamento desse algoritmo fora da China ? Lá a gente sabe que o estado controla a população a cerca do que podem ou não ter acesso. E as empresas tem que acatar.

Pode ter sido apenas um “bug” que estendia esse comportamento para fora da China ou uma atitude deliberada.

² (@centauro)

Mas se estiver nos termos de uso que “críticas ao governo chinês serão banidas”, qual o problema? (provavelmente não está, mas apenas supondo)

@Douglas_Knevitz
Pode ser que eles tenham, num primeiro momento, simplesmente decidio aplicar as mesmas regras que aplicam na China pro resto do mundo.
Sendo eles uma empresa privada, não estão no direito de fazer isso? E se não aceitar os termos, não usa?

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Olha, se o Brasil que é o Brasil conseguiu, o que leva a crer que a China que é a segunda potência mundial não o faria?

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Claro que eles tem o direito de decidir o que pode circular na plataforma deles.

Mas aí entram outros componentes, como leis do país em que está atuando.

Eu (@Keaton)

Você leu o que tu escreveu? :I

O que o Brasil conseguiu? Facebook não baniu o pessoal estrangeiro, apenas bloqueou o acesso de brasileiro as contas. O que não é o mesmo que se o Facebook tivesse banido aquelas contas estrangeiras que foram criadas/mantidas fora da jurisdição brasileira.

² (@centauro)

Sim, um cenário onde uma empresa privada decide os termos de uso de seu serviço.

E pra deixar claro, eu não sou a favor dessa censura, estou aqui fazendo o papel de advogado do diabo.

Eu (@Keaton)

Nesse caso, censura prévia e explicita…

Problema de advogado do diabo é que tenta-se defender o que não devia ser defensivel. hahaha

² (@centauro)

Mas qual a diferença de banir críticas a um governo de banir pornografia ou incitação ao ódio, por exemplo?
Sendo a empresa uma entidade privada, ela pode decidir o que quer banir o que não quer banir.
Dependendo do que for banido, vai ter reação das pessoas, mas ela está em seu direito de definir as regras, não?

Eu (@Keaton)

Ahhh…

Vamos liberar a homofobia, xenofobia, discurso de ódio, racismo, extremismo e etc. O que pode dar errado? Afinal, é liberdade de expressão. Pera. Não é não.

Criticas à uma coisa nunca machucaram ninguém*. Mas as coisas acima…

*talvez o ego do Xi Jinping.

Imagina que bacana se uma empresa que nem o Facebook seguisse essa lógica e resolvesse liberar pedofilia e banir posts que “incitassem a homosexualidade”. Eles poderiam, né? E ninguém poderia reclamar, afinal é uma entidade privada e eles fazem o que der na telha…

Exibir mais comentários