Início » Internet » Mozilla fecha acordo bilionário para manter Google como padrão do Firefox

Mozilla fecha acordo bilionário para manter Google como padrão do Firefox

A Mozilla vai receber ao menos US$ 1,2 bilhão ao longo de três anos para o Firefox dar prioridade ao Google em vários países

Victor Hugo Silva Por

Em meio à reestruturação devido à pandemia do novo coronavírus, a Mozilla garantiu uma parte importante de sua receita para os próximos três anos. A organização chegou a um novo acordo para manter o Google como buscador padrão do Firefox em vários países. A renovação, que aconteceria apenas em novembro, foi antecipada e envolve o pagamento de ao menos US$ 1,2 bilhão ao longo dos próximos três anos.

Google como buscador padrão do Mozilla Firefox

Segundo fontes do The Register, o acordo gira entre US$ 400 milhões e US$ 450 milhões por ano até 2023. A Mozilla confirmou na quinta-feira (13) que renovou sua parceria com o Google, mas não deu detalhes sobre a duração ou os valores da negócio. De acordo com a organização, a relação entre as partes não foi alterada e o buscador seguirá como padrão no Firefox em vários países.

Os acordos como os que priorizam certos buscadores em algumas regiões oferecem à Mozilla uma boa parte de seu financiamento. Em 2018, eles representaram 95% de sua receita de quase US$ 451 milhões. A quantia foi essencial para pagar os cerca de 1.000 funcionários, que, naquele ano, representaram uma despesa de aproximadamente US$ 286 milhões.

Mozilla demitiu 250 funcionários

Ainda não está claro se o acordo influenciará os planos financeiros da Mozilla. Na terça-feira (11), cerca de 250 funcionários foram demitidos e o escritório em Taiwan foi fechado. A organização declarou que a decisão foi influenciada pela pandemia do novo coronavírus. O ajuste já acontecia desde o início de 2020, quando 70 pessoas foram demitidas sob a justificativa de “garantir estabilidade financeira a longo prazo”.

No entanto, a pandemia forçou um ajuste ainda mais acentuado. “Nosso plano pré-COVID não é mais viável. Falamos sobre a necessidade de mudanças — incluindo a possibilidade de demissões — desde a primavera [segundo trimestre]. Agora, essas mudanças se tornaram reais”, afirmou a organização.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
10 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

RenkinHagane (@RenkinHagane)

ainda bem, uso o firefox desde 2013, e não me arrependo, não estava preparado para o fim desse grande navegador.

LekyChan (@LekyChan)

Nós prezamos por sua privacidade… até o Google nos fazer uma proposta tentadora.

Eu (@Keaton)

Quero nem imaginar quanto o Google vai lucrar nesses 3 anos se ele está disposto a pagar 1.2b…

DeadPull (@DeadPull)

Opções > Pesquisa > Mecanismo de pesquisa padrão (mudar o buscador). Problema resolvido. Ninguém é obrigado a usar o Google.

Zanac_Compile (@Zanac_Compile)

Eu também, Netscape na veia, baseado no código fonte acerto dele.

Zanac_Compile (@Zanac_Compile)

Exatamente. Aqui só vou de DuckDuckGo, sem a intrusão do Google.

RenkinHagane (@RenkinHagane)

Exato, Continuar contribuindo para o monopólio do google é foda.

anon31878329 (@anon31878329)

No caso dos buscadores, não temos um monopólio, o que não falta são opções, DuckDuck, Qwant, Bing, Yandex, Search Encrypt, SearX, WolframAlpha e assim por diante.

Ou seja, com tantas opções e com grandes empresas apostando no segmento, fica evidente que a liderança do Google no ramo é SIM devido a qualidade de seu buscador.

Inclusive diversos buscadores já vem pré-configurados nos navegadores, precisando apenas o usuário optar por qual prefere, sem precisar, sequer, de conhecimento técnico para isso.

Desta forma, vou ter que discordar de você, não há monopólio, o que há é uma excelência no buscador da Google que faz as pessoas o preferirem. Um exemplo é com o Edge, vem com o Bing por padrão, mas a maioria acaba alterando para o Google.

Outro exemplo é quando o Firefox vinha com o Yahoo e a maioria trocava para o Google.

Portanto tentar justificar sua dominância por um monopólio que não existe é não querer reconhecer que o produto é bom e ninguém conseguiu oferecer algo a altura.

Gustavo Rezende (@Gustavo_Rezende)

Usava o FF durante algum tempo, mas mudei para o Chrome, mais rápido e me dá a integração com o navegador no celular. Sei que o FF também faz isso, mas tenho preferido o navegador do Google.

Zanac_Compile (@Zanac_Compile)

Se alguém oferecer algo melhor, o dominante cai na hora. Foi assim do altavista para o Google.

Realmente eu tb não chamaria de monopólio. Mudo para o DuckDuckGo sem dificuldade alguma. O problema grave do Google é não existir almoço grátis e o usuário ser muito forte a moeda de troca, acima dos limites do aceitável, uma intrusão que com o mundo cada vez mais digitalizado, a cada ano vira algo mais grave. E que bom que temos alternativas.

Zanac_Compile (@Zanac_Compile)

É fato, não é sarcasmo. Que com ter alternativa.

LekyChan (@LekyChan)

Vocês estão precisando ler mais.
Vamos lá, na maioria das discursões sobre qual navegador é melhor, todo mundo que usa Fire Fox diz usar o mesmo por ele ser oque mais se preocupa com a privacidade do usuário, o próprio Fire Fox não cansa de fazer propaganda sobre isso e assim como a Apple levanta a bandeira da privacidade, mas ai ele vai e faz um acordo com uma empresa como o Google que é justamente mal vista por essas pessoas que presam por privacidade, já que o Google coleta tudo de informação que consegue de cada usuário. Ou seja, ao fazer um acordo com uma empresa dessas o Fire Fox não esta se importando com a privacidade dos usuários dos países que envolvem esse acordo, oque vai contra toda essa propaganda que ele e seus usuários fazem dele.
Agora ficou claro essa postagem minha?

Marcelo (@Marcelo3M)

Uma vez eu tentei usar o FF e me inscrevi não sei aonde e a Mozilla não parava de mandar e-mails sobre privacidade, revolta digital, um monte de coisas revolucionárias e… Fecham acordo com o Google!

Marcelo (@Marcelo3M)

Concordo plenamente com você. Quem já recebeu os e-mails da Mozilla sabe do que você está falando.

Exibir mais comentários