A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) finalmente estreou no Brasil. Ou quase isso. Aos trancos e barrancos, as regras entraram (ou não) em vigor em 14 de agosto de 2020 e muitos pontos ainda não foram esclarecidos. Quem é a autoridade que vai fiscalizar o uso das informações? Como a lei protege sua privacidade? E como as empresas se adaptaram?

No segundo bloco, comentamos a batalha épica entre Fortnite, Apple e Google. A Epic Games desafiou as gigantes do iOS e Android, lançando uma nova modalidade de pagamento que contorna as taxas de 30% cobradas pelas lojas de aplicativos. O Battle Royale foi banido da App Store e do Google Play, mas a desenvolvedora já estava com tudo pronto e meteu processo em todo mundo! E agora?

Participantes

Assine o Tecnocast

Créditos

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
5 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Fabricio de Oliveira Silva (@LonelyEagle)

O podcast está muito bom. Uso o Google Podcasts, quase nunca vejo a artes da capa, mas essa está genial.

@FabForte

Quanto à LGPD, é Brasil, né, gente? Nunca vai funcionar direito, aqui…
Da briga “Épica”, me ocorreu uma coisa: a Apple pode sobreviver sem a Epic, mas esta pode sobreviver sem aquela? Não sei se as empresas de games vão se unir contra a Apple. Acho que a Epic vai sozinha nessa.

 • 令和 • Ward'z de Souza 🇯🇵🎌🦊🔥 - Risonho e Límpido (@Wardz_de_souzA)

Ninguém vai querer arranjar briga com uma empresa que vale 2 trilhões de dólares e gera 4x mais receita que a Play Store.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

A questão é que a Apple não fez nada de errado, já a Epic infringiu uma regra que ela concordou e com isso fez bilhões em lucro ao longo dessa parceria.

Brigar contra a Apple é fácil, agora quero ver brigar com todas as outras lojas onde ela disponibiliza os jogos, que já a taxa de 30% é comum a todas.

A Epic escolheu o caminho mais sujo para travar uma batalha. Ela infringiu essa regra premeditadamente e já estava preparada para atacar, já sabendo que seria punida, como é comum nesses casos de infração.

Se ela quer condições melhores para os devs, o
que duvido muito, deveria ter escolhido um caminho mais honesto. A luta é justa, a Apple é só um alvo bem grande de mirar. Porém não é a Apple sozinha quem tem que mudar, é todo o mercado de lojas on-line de distribuição de app.

Que se crie uma regulamentação que ofereça segurança para os 3 lados: Desenvolvedores, consumidores e a detentora da loja.

E a Apple não soube aproveitar a oportunidade de fazer uma auto promoção entre a comunidade dev, chamando-os para discutir novas regras (Embora tenha criando um meio de contestar regras que os devs acham injustas) para um ambiente mais produtivo e competitivo e seguindo princípios de equidade. Isso teria acalmado os ânimos e talvez desse tempo da investigação de práticas monopolistas terminar.