Início » Negócios » Xiaomi lucra mais no segundo trimestre, apesar da pandemia

Xiaomi lucra mais no segundo trimestre, apesar da pandemia

Xiaomi teve problemas na Índia, mas conseguiu fechar segundo trimestre de 2020 com alta de receita e lucro

Emerson Alecrim Por

A Xiaomi teve queda de lucro nos três primeiros meses de 2020. Havia dúvidas quanto ao segundo trimestre, portanto: a companhia conseguiria se recuperar? A resposta é um sonoro ‘sim’. Divulgados nesta quarta-feira (26), os resultados financeiros mais recentes da Xiaomi indicam lucro equivalente a US$ 650 milhões, aumento de quase 130% na comparação ano a ano.

Xiaomi

No segundo trimestre do ano, a companhia registrou receita de 53,54 bilhões de iuanes, valor que corresponde a US$ 7,8 bilhões. Analistas de mercado previam que esse montante ficaria em 51,41 bilhões de iuanes. Houve um aumento de 3,1% em relação ao segundo trimestre de 2019 e de 7,7% na comparação com os três primeiros meses de 2020.

Já o lucro para o trimestre fechou em 4,49 bilhões de iuanes, montante correspondente aos mencionados US$ 650 milhões. Além de alta de 129,8% em relação ao mesmo período de 2019, o valor indica aumento de 108% na comparação com o trimestre anterior.

Esse desempenho é fruto da recuperação das vendas da Xiaomi em seu principal segmento: o de smartphones. Foram 28,3 milhões de aparelhos vendidos no segundo trimestre.

O total ficou abaixo das 29,2 milhões de unidades comercializadas no mesmo período de 2019, mas não deixa de ser um bom número, afinal, a companhia teve que lidar com os efeitos da pandemia de COVID-19 no decorrer dos últimos meses.

Embora a China continue sendo um mercado importantíssimo para a Xiaomi, os números positivos no segundo semestre foram alcançados, em grande parte, graças à atuação internacional da marca. Só na Europa, as vendas da companhia aumentaram 64,9% em relação ao mesmo período de 2019, de acordo com um levantamento da Canalys.

Xiaomi Redmi 9 (Foto: Divulgação/Xiaomi Espanha)

Xiaomi Redmi 9

Os resultados só não foram mais interessantes porque a Xiaomi enfrenta restrições na Índia, outro mercado importante: como parte dos esforços para combater o avanço da COVID-19, o país implementou uma série de restrições em março que resultou no fechamento da maioria das lojas e fábricas locais.

Um processo gradual de reabertura aliviou a situação, mesmo assim, as vendas da Xiaomi foram prejudicadas no mercado indiano. A expectativa é a de que, no atual trimestre, esse problema seja muito menos impactante.

Com informações: TechCrunch.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
1 usuário participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação