Início » Celular » LG Velvet: nome novo, costume antigo

LG Velvet: nome novo, costume antigo

Nova aposta da LG no segmento premium, Velvet tem design que agrada, mas preço de estreia é alto demais

Paulo Higa Por
Nota Final 8.9

O código de modelo G910 não me deixa mentir: este celular poderia simplesmente se chamar G9 ThinQ, sendo apenas mais um sucessor da linha premium da LG. Mas a fabricante coreana decidiu renovar seus produtos: o Velvet, além de fornecer uma dose de oxigênio ao estrear uma marca, tenta reerguer um negócio que não dá lucro à empresa há quase seis anos.

Quase como um novo começo, o Velvet tem visual diferente dos modelos anteriores da linha G, segue o mercado ao trazer uma tela gigante de 6,8 polegadas e não deixa o hardware para trás. Nem o preço. Lançado por R$ 4.299, ele tem a missão de ser mais barato que os melhores do mercado, mas superior aos celulares intermediários. Será que compensa? Eu testei o Velvet nas últimas semanas e conto tudo neste review.

Análise do LG Velvet em vídeo

Aviso de ética

O Tecnoblog é um veículo jornalístico independente de tecnologia que ajuda as pessoas a tomarem sua próxima decisão de compra desde 2005. Nossas análises de produtos são opinativas e não possuem nenhuma intenção publicitária. Por isso, sempre destacamos de forma transparente os pontos positivos e negativos de cada produto.

Nenhuma empresa, fabricante ou loja pagou ao Tecnoblog para produzir este conteúdo. Nossos reviews não são revisados nem aprovados por agentes externos. O Velvet foi fornecido pela LG por empréstimo. O produto será devolvido à empresa após os testes.

Design e tela

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O Velvet é um smartphone que inaugura uma linha de design na LG, tanto que a empresa foca bastante no aspecto visual nos materiais publicitários do aparelho. Analisando friamente, ele não tem nada de muito inovador, com notch em formato de gota na câmera frontal, tela com laterais curvadas e pintura perolada que já eram vistos na concorrência. Mas é fato que o celular ficou muito bonito e elegante, especialmente na cor branca.

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

As laterais curvadas tanto na frente quanto na traseira fazem parecer que o Velvet é ainda mais fino que 7,9 mm. O peso de 180 gramas também impressiona pela leveza, ainda mais considerando que estamos falando de um celular com tela enorme de 6,8 polegadas e uma bateria respeitável de 4.300 mAh. E a LG não economizou nos extras: os alto-falantes são estéreos, a entrada de fone de ouvido continua aqui e a carcaça tem proteção contra água.

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

A tela P-OLED do Velvet tem resolução Full HD+ e excelente qualidade de imagem, com brilho forte e o preto perfeito do painel orgânico. As cores me agradam no modo natural, com saturação equilibrada e uma temperatura tendendo para o frio, mas você pode fazer ajustes finos nas configurações para deixar tudo ao seu gosto. Sob o display, existe um leitor de impressões digitais óptico que foi rápido e preciso em quase todas as situações.

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Como um bom celular premium, o Velvet possui corpo feito de metal e vidro que conta com certificação IP68 para proteção contra água e poeira. A LG também continua apostando na resistência militar, o que não torna o aparelho inquebrável, mas é uma segurança a mais para o usuário. Para os mais cautelosos, uma capa de proteção transparente acompanha o produto.

Software

O Android 10 do Velvet roda uma interface personalizada da LG que evoluiu nos últimos anos, ganhando ícones simplificados, telas mais limpas e alguns poucos elementos translúcidos. Eu tenho más lembranças dos menus de configurações espalhados em múltiplas telas nos celulares da LG, e é bom ver que a empresa reorganizou tudo.

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Por padrão, todos os aplicativos ficam concentrados nas telas iniciais, sem um menu dedicado a eles, mas você pode mudar esse comportamento nas configurações. O Velvet traz alguns softwares de utilidade questionável pré-instalados, como joguinhos e um serviço de reserva de hotéis; todos eles podem ser completamente desinstalados.

O gravador de som nativo é acima da média, oferecendo uma série de ajustes e codecs, incluindo a possibilidade de gravar em FLAC em 24 bits a 192 kHz; também existe um modo ASMR, para gravar sons mais suaves. Já o QuickMemo+ é o aplicativo de notas da LG, permitindo colorir ilustrações já existentes, fazer anotações em texto ou rabiscar com pincéis e canetas.

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O software da LG poderia ganhar um fôlego com os acessórios vendidos à parte, como o Dual Screen, que adiciona uma segunda tela parecida com a do G8X ThinQ, ou a caneta Stylus Pen com ponta eletrostática, que transforma o Velvet em uma espécie de Galaxy Note mais em conta. Infelizmente, a LG decidiu não trazer esses itens no lançamento do Velvet no mercado brasileiro.

Câmeras

Talvez a principal marca de design do Velvet esteja nas câmeras traseiras com lentes dispostas no formato de “gotas de chuva”, nas palavras da LG. O conjunto óptico é triplo, composto por uma câmera principal de 48 megapixels, um sensor de profundidade de 5 megapixels para o efeito de desfoque de fundo e uma lente ultrawide com campo de visão de 120 graus.

A definição com a câmera de 48 megapixels é boa, mas o algoritmo da LG não lida tão bem com cenas de alto contraste e às vezes esconde as áreas de sombra, destacando o alcance dinâmico limitado do sensor, mesmo com HDR. Na lente ultrawide, notei uma aberração cromática lateral em algumas copas de árvores, que pode incomodar os mais detalhistas. Em condições favoráveis, no entanto, o Velvet apresenta resultados decentes, mais que suficientes para se sair bem no Instagram.

Foto tirada com a câmera principal do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera principal do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera ultrawide do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera ultrawide do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera ultrawide do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera ultrawide do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera principal do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera principal do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera ultrawide do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera ultrawide do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera principal do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera principal do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Com pouca luz, o modo de visão noturna do Velvet faz bem o trabalho de equilibrar a exposição e ressaltar a iluminação do cenário sem estourar as luzes ou exagerar nas cores, mas deixa um resquício de ruído na câmera principal, principalmente no céu. Quanto à lente ultrawide, é melhor simplesmente não usá-la se a iluminação não estiver boa, já que os ruídos e a falta de definição aparecem com força.

Foto noturna tirada com a câmera principal do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto noturna tirada com a câmera principal do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto noturna tirada com a câmera ultrawide do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto noturna tirada com a câmera ultrawide do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Já a câmera frontal de 16 megapixels é boa, sem impressionar na nitidez, mas capturando boas selfies, com cores bem ajustadas e um estilo que me lembrou vagamente os aparelhos da linha Google Pixel, com sombras bem marcadas ao redor do rosto e uma leve tendência à subexposição.

Foto tirada com a câmera frontal do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera frontal do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera frontal do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera frontal do LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Particularmente, senti falta de um modo de gravação de vídeo manual, recurso bastante elogiado em alguns topos de linha anteriores da LG. E o modo de gravação ASMR, que a empresa tento destaca nos materiais de publicidade para gravar sons relaxantes e vozes sussurrantes, pode até ser legal, mas eu ficaria bem mais feliz com uma filmagem em 4K a 60 fps, que não está presente no Velvet.

Considerando as câmeras dos concorrentes da mesma faixa de preço, o Velvet sofre mais com ruído em ambientes com baixa iluminação e o alcance dinâmico não é dos melhores. Não chega a ser ruim, mas é um nível de qualidade que eu esperaria de um Moto G9 Plus ou Galaxy A71, que custam muito menos.

Hardware e bateria

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O Velvet foi lançado em duas versões principais no mundo: uma com Snapdragon 765 5G, outra com Snapdragon 845 4G. Para o mercado brasileiro, a LG decidiu focar no modelo com 4G, justificando que as redes móveis de quinta geração ainda são incipientes por aqui. Essa é provavelmente a proposta mais acertada, mas não é livre de controvérsias.

O Snapdragon 845 é um chip mais potente que o Snapdragon 765, mas é fabricado em uma litografia mais antiga, de 10 nanômetros, até por ter sido lançado em 2017. Com isso, ele tende a gastar mais bateria fazendo a mesma tarefa. Além disso, ao trazer esse processador em uma faixa de preço de R$ 4.299, a LG compete com o Galaxy S10 Lite (equipado com o Snapdragon 855, mais recente) e com topos de linha de gerações passadas que já estão mais baratos no varejo.

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

De qualquer forma, mesmo com um chip relativamente antigo e sem números impressionantes nos 6 GB de RAM e 128 GB de armazenamento, o Velvet se sai bem no desempenho. Boa parte dos jogos roda com os gráficos no máximo, embora eu tenha notado algumas travadinhas pontuais. No dia a dia, o aparelho se mostra bastante fluido, com animações suaves e aplicativos abrindo rapidamente.

A bateria de 4.300 mAh também aguenta o tranco. No meu teste padrão de quarentena, com três horas de reprodução de vídeo na Netflix, uma hora de navegação na web e 30 minutos de Asphalt 9, sempre no Wi-Fi e com brilho no máximo, a bateria foi de 100% para 47%, ficando no mesmo nível de topos de linha como o Galaxy Note 20 Ultra.

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Gostei da presença do carregamento sem fio, um recurso que só costuma estar disponível no segmento ultrapremium. Só a recarga com fio poderia ser um pouquinho mais rápida: o adaptador de tomada do LG Velvet é de 15 watts e enche a bateria em 1h58min, enquanto fabricantes como Samsung e Motorola já andam incluindo modelos de 25 ou 30 watts na faixa intermediária.

Vale a pena?

O Velvet é um nome novíssimo, mas a estratégia de lançamento me lembra qualquer outro topo de linha antigo da LG. Ou seja, produto é premium, tem características atraentes, não possui nenhum ponto negativo grave, mas o preço sugerido de R$ 4.299 está exagerado. Eu não tenho como dizer que vale a pena comprá-lo por esse valor, com rivais como Galaxy S20+ e iPhone 11 na mesma faixa.

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Mas, como costuma acontecer na LG, o preço no varejo tende a despencar em poucas semanas depois do lançamento, então eu sempre faço um exercício de adivinhar o cenário futuro. A qual preço valeria a pena comprar um Velvet? Talvez por metade do que a LG está cobrando na estreia.

Considerando só o produto, o concorrente direto do Velvet seria o Galaxy S10 Lite, encontrado por R$ 2,3 mil no momento em que eu fazia este review. Se os dois estivessem no mesmo preço, eu ainda escolheria o aparelho da Samsung para levar um processador melhor e câmeras levemente superiores, mesmo perdendo o carregamento sem fio e a proteção contra água.

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

LG Velvet (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Na Motorola, a opção mais próxima do Velvet seria o Motorola Edge, encontrado por cerca de R$ 3,3 mil. Ele traz uma tela melhor com taxa de atualização de 90 Hz e um conjunto de câmeras mais versátil, mas você paga caro demais só por causa do Snapdragon 765 5G. É por isso que a opção da LG de trazer o Velvet com Snapdragon 845 4G ao mercado brasileiro foi bastante acertada.

Longe de mim querer ditar o que os executivos da LG deveriam fazer no Brasil: a empresa tem méritos por ser a terceira maior fabricante há anos em um mercado tão grande. Mas, no final das contas, o Velvet é um celular que poderia mostrar a que veio e alavancar a marca, como a empresa tenta fazer em nível global. E acaba sendo só um nome novo com preço errado, como acontece todo ano desde o G5.

LG Velvet

Prós

  • Bateria aguenta o tranco
  • Design bem-acabado e elegante
  • Proteção contra água (IP68) e resistência militar
  • Tela grande com boa qualidade de imagem
  • USB-C, 3,5 mm, recarga sem fio: não falta nada

Contras

  • Câmeras abaixo da média da categoria
  • E os acessórios do Velvet?
  • Merecia um processador atualizado para fechar o pacote
  • Poderia ter preço mais agressivo na estreia para mostrar a que veio
Nota Final 8.9
Tela
9
Design
10
Câmera
7
Bateria
9
Software
8
Desempenho
9
Conectividade
10

Especificações técnicas

  • Tela: P-OLED de 6,8 polegadas com resolução Full HD+ (2460×1080 pixels);
  • Processador: Qualcomm Snapdragon 845 octa-core de até 2,8 GHz;
  • Conectividade: 4G, Wi-Fi 802.11a/b/g/n/ac, NFC, GPS, USB-C, entrada de 3,5 mm para fone de ouvido;
  • RAM: 6 GB;
  • Armazenamento interno: 128 GB;
  • Câmera frontal: 16 megapixels (f/1,9);
  • Câmeras traseiras:
    • Principal: 48 megapixels (f/1,8);
    • Ultrawide: 8 megapixels (f/2,2);
    • Sensor de profundidade: 5 megapixels (f/2,4);
  • Sistema operacional: Android 10;
  • Bateria: 4.300 mAh com carregamento rápido de 15 watts;
  • Cores: Aurora Grey (cinza), Aurora White (branco)
  • Dimensões e peso: 167,1 x 74,1 x 7,9 mm, 180 gramas.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
8 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@teh

Esse preço inicial é pra dar risada, pra discutir na web e etc. Depois sempre cai, ainda mais se tratando de um LG…

A LG pecou no processador nesse Velvet, mas… por conta da fama da LG acho que ela precisará de umas 3 gerações de celulares, sem problemas, pra re conquistar o consumidor.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Como intermediário premium está ótimo. Mas ela posiciona ele como top de linha?

 • 令和 • Ward'z de Souza 🇯🇵🎌🦊🔥 - Risonho e Límpido (@Wardz_de_souzA)

Tô mais curioso pelo review do LG Wing.
Mas me dei conta que é improvável ele ser lançado aqui…

Leo (@leonardoroese)

Eu gosto dos produtos da LG, sempre duraram bastante comigo, antendem bem, mas, realmente o preço…não anima.

Sérgio (@trovalds)

Por esse preço é mais fácil garimpar um S9+ que se duvidar é mais celular do que esse LG. Só perde na tela menor e na bateria. Processador é o mesmo.

CAV (@cav)

Tá mais para G9s do que G9 esse Velvet.
Aliás, G9s seria o modelo 5G.
O nosso brasileiro, está mais para G9 SE.
Lembrando que ainda tem uma edição do Velvet com Mediatek Dimensity 1000C, exclusivo da operadora norte-americana T-Mobile.

Celso Hashimoto (@celsoyh)

Cara, é triste ver a qualidade da câmera desse Velvet.
Eu tive um LG G4 e a câmera manual era sensacional. As fotos eram nítidas e tinha alguns controles essenciais para balancear a luz. Infelizmente, tive que trocar por um problema recorrente de burn in no display. Troquei por um S7 e a câmera dele não tinha nem comparação, principalmente a frontal. Parece que a LG perdeu a mão nesse sentido, não sei se as vendas foram fracas ou o que aconteceu pra ela tomar esse rumo.

@teh

Sim afinal seria o LG Q9 (pelo codigo do modelo), sedndo que o Q8 era o top da versão anterior, por isso vacilou mesmo.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

No Brasil pode ser, lá fora o flagship era a linha V alguma coisa.