Início » Telecomunicações » TIM diz que “5G do marketing” chega antes de leilão da Anatel

TIM diz que “5G do marketing” chega antes de leilão da Anatel

Pietro Labriola, CEO da TIM, afirma que "5G de verdade" só chegará após o leilão da Anatel; TIM se prepara para lançar 5G DSS em outubro

Lucas Braga Por

O CEO da TIM, Pietro Labriola, afirmou que o “5G de verdade” só existirá após o leilão de frequências da Anatel, que ocorrerá apenas no primeiro trimestre de 2021, e que o “5G do marketing” chega o quanto antes. A operadora se prepara para lançar a quinta geração com compartilhamento dinâmico de espectro (DSS) no mês de outubro.

Site da TIM sobre 5G. Imagem: Divulgação/Site TIM

Site da TIM sobre 5G. Imagem: Divulgação/Site TIM

A resposta foi dada após Labriola ser questionado sobre a data de lançamento da tecnologia no Brasil: “Se falamos do 5G de verdade, depois do leilão, mas se falamos do 5G do marketing, chega muito cedo”. O executivo também afirma que pretende melhorar a qualidade do serviço com a lógica da transparência, e, para isso, a TIM deverá ser mais assertiva ao explicar as verdadeiras vantagens da oferta.

TIM deve lançar 5G DSS neste mês

Mesmo tendo falado sobre “5G do marketing”, a TIM se prepara para lançar o 5G DSS já no mês de outubro em Bento Gonçalves (RS), Itajubá (MG) e Três Lagoas (MS). Ao contrário da estratégia de Claro, Oi e Vivo, a TIM irá utilizar a tecnologia para banda larga residencial, no modelo FWA. Em nota ao Tecnoblog, a empresa afirmou que a ativação da rede foi concluída em setembro e que os testes de performance devem se iniciar nesta semana.

A TIM já vende acesso de banda larga residencial utilizando 4G. O TIM Live Internet é comercializado nos municípios cobertos pela frequência de 700 MHz e tem velocidade prometida de 5 Mb/s, mas com franquia de dados de até 80 GB. Os planos para o 5G DSS ainda não foram divulgados pela companhia.

TIM lançará 63 novas lojas em SP até 2021

A TIM divulgou a nova estratégia comercial para São Paulo. Ela irá inaugurar 42 novas lojas no estado até o final do ano e outras 21 unidades em 2021 em parceria com o grupo Jufap. Ao todo, a companhia terá 197 estabelecimentos no próximo ano. A operadora aposta na recuperação da economia brasileira: “Acreditamos que esta é a hora certa para investir no país”, afirmou o executivo. Cerca de 300 pessoas serão contratadas para a empreitada.

Labriola também revelou que a compra da Oi e a incorporação dos clientes irá permitir a abertura de novas lojas, mesmo que fora de São Paulo. O executivo explica que é necessário ter uma demanda de usuários existentes e potencial de novas assinaturas para que o investimento faça sentido.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
5 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Caleb Enyawbruce (@Enyawbruce)

Não consigo entender como os órgãos competentes deixam as operadoras usarem o termo “5G” para algo que não é 5G. Foi-se o tempo que “Geração” era baseada só na velocidade. O 5G tem uma série de recursos novos que não existem nas gerações anteriores. Os caras ainda são caras-de-pau e chamam abertamente de “5G do marketing”. Lamentável…

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

4.5G também não existe, é um termo de marketing.

Lucas Braga (@LucasBraga)

Mas o 5G divulgado pela Claro/Vivo/TIM não é um 5G “falso”. É uma nova tecnologia, com protocolos diferentes.

A única coisa que é diferente do suposto “5G de verdade” é que o espectro é compartilhado com outras tecnologias, como 4G e 3G. É certo que a experiência e velocidade do 5G é melhor com uma frequência totalmente dedicada a tecnologia, mas o 5G DSS não deixa de ser 5G.

@ksio89

E o 4G+, também é marketing?

Mateus B. Cassiano (@mbc07)

Sobre os termos usados, o Brasil nem é o pior caso, as operadoras americanas, por exemplo, marketaram o 3G+ que temos por aqui como 4G na época (enquanto o 4G “de verdade” chamaram de LTE) e a AT&T senão me engano fez o mesmo com o 4G LTE-A, aqui chamam de 4G+ ou 4.5G, mas lá tiveram a audácia de marketar como “5G E” ¯\_(ツ)_/¯

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Sim. O “certo” seria só LTE. Entregar mais velocidade ou não, é uma questão de otimizar o espectro e melhorar a infra das torres, quanto dos smartphones (mimo 4x4…).

O 5G sim, é uma nova tecnologia, mas daqui alguns anos vai surgir um 5.5G, que na verdade é só o 5G mas com um melhor rendimento, por já estarão dominando a tecnologia.

@ksio89

É meio confuso, pesquisando eu vi que existe o 4.5G oficial ou LTE Advanced Pro (LTE-A Pro), mas também há o LTE Advanced, (LTE-A) que eu creio ser o o “4G+” ou “4.5G” fake que as operadoras no Brasil marketeiam. O LTE-A seria o LTE com alguns recursos a mais como 4x4 MIMO, Carrier Aggregation e modulação 256QAM no downlink.

Acho que o @LucasBraga deve explicar melhor essa bagunça do 4G e dizer o que é marketing e o que é verdade.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Então, LTE. Isso que estava me referindo. 4.5G é nome comercial. Até teve uma polêmica. Teve uma operadora americana que chamou a rede dela de 5GE. Mas não tem nada a ver com 5G.

Caleb Enyawbruce (@Enyawbruce)

Sim, e ainda colocavam o 4 pequeno e o 5 gigante. Sempre achei absurdo