Início » Internet » Google quer transformar YouTube em canal de vendas

Google quer transformar YouTube em canal de vendas

Vídeos sobre produtos como eletrônicos, brinquedos e maquiagem poderão ter opção para comprar diretamente no YouTube

Victor Hugo Silva Por

O YouTube pode estar prestes a se tornar um concorrente para empresas como Amazon e Alibaba. A plataforma estuda oferecer uma opção para usuários comprarem na mesma página após assistirem vídeos de produtos, que vão de eletrônicos a brinquedos e maquiagem, e, assim, passar a atuar como um novo canal de vendas do Google.

YouTube

YouTube

A informação foi divulgada pela Bloomberg, que confirmou com um porta-voz do YouTube que os testes estão sendo realizados com um grupo restrito de canais. De acordo com a reportagem, o objetivo é usar os vídeos sobre produtos como um catálogo para que usuários encontrem informações e comprem diretamente pela plataforma.

Para identificar que produtos um vídeo está abordando, o serviço começou a pedir que eles sejam sinalizados pelos criadores de conteúdo nas configurações. A partir disso, os dados são integrados com outras ferramentas do Google. A Bloomberg também destacou que a plataforma testa desde 2019 uma integração com a ferramenta de e-commerce Shopify para donos de canais mostrarem até 12 produtos abaixo de seus vídeos.

Ao se tornar um canal de vendas, o YouTube garantiria mais uma fonte de receita, mas não há detalhes sobre como isso acontecerá. Caso o plano seja tirado do papel, a tendência é que a plataforma fique com uma parte do faturamento dos produtos destacados. Ainda não informações sobre como e qual será a remuneração para criadores de conteúdo que fazem vídeos sobre produtos.

Vendas no YouTube e Facebook

Como lembra o Ars Technica, o CEO do Google, Sundar Pichai, já indicou que um canal de vendas no YouTube pode ser uma boa oportunidade. “Quando você pensa sobre coisas como unboxing e análise de produtos, também são um espaço natural para transações”, afirmou Pichai, ao apresentar o balanço do primeiro trimestre de 2020. “Estou ansioso para que essas integrações cheguem ao YouTube e funcionem melhor também”.

Vale lembrar que, se as mudanças forem oficializadas, o YouTube terá a concorrência do Facebook, que também possui uma área de vendas. O Facebook Shop permite que lojistas usem a rede social como uma vitrine para seus produtos, inclusive com a opção para os vendedores criarem uma espécie de loja virtual e oferecerem opções para cliente entrar via Messenger, Facebook ou Instagram.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
6 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Dereck (@dereckbolsanelo)

Se realmente for como o divulgado, você entra em um canal ou vídeo e o produto que está sendo mostrado está disponível para compra eu acho que poder dar certo.
Mas tenho medo de começar a oferecer produto na página inicial e estragar a plataforma =/

Eu (@Keaton)

Semi-offtopic: que wallpaper é esse que está no celular? Parece um night shoot bem tirado.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

A ideia de todo não é ruim. O problema como sempre é a índole das pessoas. Quero ver quantos canais irão falar que tal aparelho ou produto é ruim, quando tem o intuito de vendê-lo.

Acho que essa ferramenta abriria um potencial para venda de itens exclusivos dos canais, como : Canecas, camisas… No meio tech vejo um espaço para aqueles canais que vendem os smartphones que testam, para fazer caixa.

Mas talvez a atitude que mais ajudaria os criadores de conteúdo, seria uma ferramenta nativa para sorteios, e a venda de artigos exclusivos do canal.

² (@centauro)

O que estou pensando aqui é: se eu faço um vídeo de unboxing de um produto qualquer que eu comprei, qual exatamente vai ser a minha motivação pra colocar esse produto pra vender no Youtube, sendo que ele nem é um produto meu?
Faz sentido para quem produz o produto produzido pra produção do vídeo, mas pra quem compra de terceiros?
A não ser que exista um sistema de afiliados.
Mas daí não é diferente do que já existe hoje com a Amazon e outras lojas.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Acredito que seria uma loja mesmo. Os criadores que não possuíssem loja própria poderiam oferecer cupons ou o link direcionaria para loja parceira e com isso garantia a comissão. Meio que regulamentaria isso. Com a Google ficando um uma fatia dessa movimentação.

@Banana_Phone

Essa loja de camisas e canecas já existe faz um tempo, mas poucos canais tem.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Sim, mas não é algo diretamente do YouTube. Ela é gerenciada com parceiras.