Início » Negócios » Huawei cogita vender Honor, marca de celulares baratos

Huawei cogita vender Honor, marca de celulares baratos

Huawei pode vender divisão Honor para distribuidora Digital China, mas TCL e Xiaomi também são potenciais compradoras

Emerson Alecrim Por

Fortemente atingida pelas sanções comerciais aplicadas pelo governo dos Estados Unidos, a Huawei Technologies deve se desfazer de uma de suas marcas para lidar com a situação: há rumores de que a companhia irá vender a divisão de smartphones Honor para a Digital China por um valor que pode chegar a US$ 3,7 bilhões.

A Honor surgiu em 2013 e lança, desde então, celulares voltados ao público jovem e a consumidores com orçamento mais restrito. Os aparelhos da marca são comercializados principalmente na China, mas também têm presença significativa no sudeste da Ásia e parte da Europa.

Graças a esses mercados, a Huawei conseguiu vender 14,6 milhões de aparelhos Honor apenas no segundo trimestre de 2020, número que corresponde a 26% das 55,8 milhões de unidades comercializadas pela companhia no mesmo período.

Honor 9A (imagem: reprodução/Huawei)

Honor 9A (imagem: reprodução/Huawei)

O problema é que, diante da dificuldade de obter software e componentes para celulares em função das sanções impostas pelo governo americano, a Huawei está tendo que rever as suas prioridades. Aparentemente, a companhia pretende se concentrar em smartphones high-end daqui para frente.

Essa seria a principal razão para a venda da Honor. Outro motivo seria o fato de essa divisão operar com margens de lucro pequenas, o que significa que o impacto financeiro da transação não seria muito grande para a Huawei.

Fontes próximas à empresa informaram à Reuters que as negociações com a Digital China estão avançadas. A companhia é a principal distribuidora de celulares Honor atualmente.

O valor da compra ainda não teria sido definido, mas fala-se que o montante deve variar entre 15 bilhões e 25 bilhões de iuanes, ou seja, ficaria na faixa entre US$ 2,3 bilhões e US$ 3,7 bilhões.

Outros potenciais compradores não foram descartados, no entanto. Entre eles estariam a TCL e, veja só, a Xiaomi.

Para Kuo Ming-chi, analista da TF International Securities, a venda da Honor seria muito interessante para a indústria chinesa, pois livraria a marca das sanções aplicadas pelos Estados Unidos.

As empresas mencionadas foram procuradas pela Reuters, mas nenhuma comentou o assunto.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
2 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@Banana_Phone

Quando eu fui morar na Austrália eu vi que a Huawei vendia aparelhos lá e na época eu estava interessado no Honor 8, mas aí acabei descobrindo que mesmo pertencendo a Huawei, a linha Honor não era vendida por lá.
Acabei pegando um HTC 10 e me arrependi muito, a bateria dele era péssima. Ele tinha uma tela QuadHD de 2560x1440 que drenava a bateria. Ele tinha câmeras muito boas, mas na câmera traseira tinha foco a laser e ele sempre atrapalhava quando eu queria tirar uma foto com um vidro na frente, pois o foco sempre era no vidro, não na paisagem.