Início » Telecomunicações » SP distribuirá chips com 3 GB de internet para estudantes

SP distribuirá chips com 3 GB de internet para estudantes

Chips do governo serão entregues para estudantes da rede pública em situação de pobreza e extrema pobreza

Lucas Braga Por

O governo de São Paulo irá distribuir 750 mil chips de internet 4G para alunos, professores e funcionários da rede pública estadual. Destinados à população mais vulnerável, a medida deve habilitar o ensino remoto ou híbrido e permitirá a execução de atividades fora da sala de aula durante a pandemia do novo coronavírus.

A gaveta na lateral esquerda suporta dois SIM cards e a entrada para microSD (de até 256 GB)

Chip de celular. Foto: Emerson Alecrim/Tecnoblog

Chips do governo terão internet 4G, ligações e SMS

Serão dois pacotes de dados fornecidos pelo governo do estado:

  • Para alunos: 3 GB de internet por mês
  • Para professores e servidores: 5 GB de internet por mês

O plano também dá acesso ilimitado ao Centro de Mídias, onde os conteúdos pedagógicos são publicados pelas escolas. Os chips dos professores ainda incluem ligações e SMS.

A medida está restrita aos estudantes em situação de pobreza e extrema pobreza no CadÚnico que estejam matriculados do 8° ano do Ensino Fundamental até o 3° ano do Ensino Médio. Os chips serão distribuídos pelas escolas entre os meses de novembro e dezembro de 2020.

O investimento será de R$ 75 milhões para o serviço funcionar durante 12 meses. O governo não divulgou qual é a operadora que irá fornecer o acesso. Em junho de 2020, o estado contratou 22,9 mil chips da TIM com 20 GB de internet por R$ 441 mil. Com duração de quatro meses, os planos foram destinados aos alunos de ETECs e FATECs.

Além de São Paulo, outros estados adotaram medidas para viabilizar o ensino remoto. O Distrito Federal firmou uma parceira para zero rating com a Claro e TIM, e estudantes que utilizam essas operadoras têm acesso gratuito à plataforma de ensino. Já o Rio Grande do Sul fez um acordo com Claro, Oi, TIM e Vivo para patrocinar os dados gastos com o Google Classroom.

Com informações: Telesíntese.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
8 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@ksio89

Muito pouco, 3GB vão embora em um instante ao assistir meia dúzia de aula em vídeo, transmissões ao vivo nem pensar também.

@teh

era mais facil ser ilimitado bloqueado a apps que possa ser utilizados para fins de estudos.

² (@centauro)

Por mais otimizado que as video conferências sejam, a não ser que a transmissão das aulas fique fora da franquia, é realmente bem improvável que 3GB por mês seja o suficiente.
E 5GB pros professores? Se o professor quiser fazer uma chamada individual com os alunos, já era a franquia também.

⠀ (@mdcosta)

Mas na própria matéria fala que tem “acesso ilimitado ao Centro de Mídias, onde os conteúdos pedagógicos são publicados pelas escolas”. Ou seja, os 3GB são pras outras coisas.

² (@centauro)

A pergunta é se nesse centro estão inclusas a transmissão de aulas ao vivo ou se é só gravação de aula onde o aluno não consegue interagir com o professor e os outros alunos em tempo real.

@ksio89

Confesso que passei batido nesse trecho, se vídeos e áudios da plataforma tiverem zero rating já ajuda bastante. Mas se não contemplar transmissões ao vivo e videoconferência, não sei se 3GB serão suficientes.

E se o dinheiro do contribuinte não fosse para o ralo da corrupção, daria para o governo comprar um Chromebook para cada estudante, porque redigir textos, ler documentos e assistir vídeo-aulas numa telinha de celular é sofrimento demais. Nos EUA o Chromebook fez sucesso na rede pública de ensino e já corresponde a mais de 60% dos computadores usados nas escolas.

Hemerson Silva (@Hemerson_Silva)

Aqui na Unifesp, a faculdade distribuiu uma porrada de Chromebooks para quem realmente precisa. Achei fantástico. Além disso, para esses alunos, a faculdade está custeando a internet fixa até 80 reais, o que dá para contratar um plano razoável para quem se encontra nessa situação.

@ksio89

Muito legal a iniciativa, o grande potencial do Chromebook é sem dúvida na educação, pena que ainda custem muito caro no Brasil. Com o Google Docs rodando na nuvem, e podendo instalar aplicativos de Android, já não se faz tão necessário um laptop rodando Windows e Office/LibreOffice.

@Boleto

Só se for aúdio, pq vídeo não dura uma semana isso e ao vivo então nem pensar.

O plano também dá acesso ilimitado ao Centro de Mídias, onde os conteúdos pedagógicos são publicados pelas escolas.

A menos que esse Centro de Mídias armazene as vídeoaulas, mesmo assim 3GB para um mês é muito pouco

Michael (@Michael)

Melhor que Tim Beta!