Início » Celular » Apple confirma preços do iPhone 12 no Brasil: até R$ 14 mil

Apple confirma preços do iPhone 12 no Brasil: até R$ 14 mil

Preço do iPhone 12 no Brasil começa em R$ 6.999 e vai até R$ 13.999; celulares contam com 5G, Apple A14 Bionic e novo visual

Bruno Gall De Blasi Por

A Apple revelou os preços da linha iPhone 12 no Brasil nesta sexta-feira (6): eles começam em R$ 6.999 e chegam a até R$ 13.999. Depois do anúncio nos Estados Unidos em outubro de 2020, o iPhone 12, iPhone 12 Mini, iPhone 12 Pro e iPhone 12 Pro Max chegarão ao nosso país com 5G, novo visual, processador A14 Bionic e suporte a MagSafe, mas sem o carregador e o fone na caixa.

iPhone 12 Pro Max dourado (Imagem: Divulgação/Apple)

iPhone 12 Pro Max dourado (Imagem: Divulgação/Apple)

A pré-venda começa em 13 de novembro, e os aparelhos chegam às lojas uma semana depois, no dia 20. A Apple confirma ao Tecnoblog que todos os modelos do iPhone 12, 12 Mini, 12 Pro e Pro Max estarão disponíveis em todas as suas capacidades: 64, 128 e 256 GB para os modelos padrão e Mini; e 128, 256 e 512 GB para o Pro e Pro Max.

O iPhone 12 e o 12 Mini serão vendidos nas cores azul, branco, preto, verde e vermelho. Já as opções Pro e Pro Max estarão à venda em azul, dourado, grafite e prata. Vale lembrar que os smartphones da Apple não serão mais acompanhados pelo carregador e fones de ouvido na caixa; os acessórios serão vendidos separadamente. (A empresa foi notificada pelo Procon-SP por causa disso.)

Quais são os preços do iPhone 12 no Brasil?

Confira, a seguir, os valores oficiais da Apple para nosso país:

Modelo Espaço Preço no Brasil Preço nos EUA
iPhone 12 Mini 64 GB R$ 6.999 US$ 729
128 GB R$ 7.499 US$ 779
256 GB R$ 8.499 US$ 879
iPhone 12 64 GB R$ 7.999 US$ 829
128 GB R$ 8.499 US$ 879
256 GB R$ 9.499 US$ 979
iPhone 12 Pro 128 GB R$ 9.999 US$ 999
256 GB R$ 10.999 US$ 1.099
512 GB R$ 12.999 US$ 1.299
iPhone 12 Pro Max 128 GB R$ 10.999 US$ 1.099
256 GB R$ 11.999 US$ 1.199
512 GB R$ 13.999 US$ 1.399

Quais são as novidades do iPhone 12?

A Apple deu um novo ar ao visual de seus celulares em 2020. Tal qual o iPhone 4 e iPhone 5, os lançamentos possuem laterais retas, com molduras metálicas achatadas. Além disso, os smartphones contam com certificação IP68: segundo a Apple, os telefones podem ficar submersos em até 6 metros por até 30 minutos.

O iPhone 12 Mini é o novato da turma, com tela de 5,4 polegadas. Já o iPhone 12 possui display de 6,1 polegadas. As edições Pro e Pro Max, por sua vez, contam com painéis de 6,1 e 6,7 polegadas, respectivamente. As telas de todos os celulares da Apple são OLED e contam com a tecnologia Ceramic Shield, que promete mais resistência.

iPhone 12 (Imagem: Divulgação/Apple)

iPhone 12 (Imagem: Divulgação/Apple)

O suporte às redes de quinta geração (5G) é uma das principais novidades dos sucessores do iPhone 11; eles serão compatíveis com o futuro 5G do Brasil. Os telefones ainda contam com o A14 Bionic, processador de 5 nanômetros que promete 50% a mais de eficiência em gráficos em relação a “qualquer outro smartphone”, segundo a Apple.

Quanto às câmeras, o iPhone 12 e 12 Mini contam com dois sensores de 12 megapixels na traseira. As edições Pro e Pro Max, por sua vez, trazem uma câmera tripla de 12 MP acompanhada pelo sensor LiDAR do iPad Pro (2020) para mapear profundidade 3D e melhorar a qualidade de fotos.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
22 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Marcos Oliveira (@marcosoliveiran)

Preços totalmente fora da realidade do brasileiro. Com esses preços da para imaginar até que a apple está ensaiando uma futura saída do BR futuramente.

Pika das Galaxias (@PikaDasGalaxias)

Rapaz… Rapaz… Rapaz…
Captura de tela 2020-11-06 1041191084×783 210 KB

Esse é o PC já montado mais caro na pichau, hoje 06/11/2020, como é a sensação de andar com um produto mais caro que uma maquina dessa no bolso em nosso maravilhoso e seguro país?

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Depende de qual brasileiro você se refere. O Brasil movimenta bilhões com o mercado de luxo. Se não existisse potencial, não teríamos centros de compras focados apenas em atender a esse segmento.

² (@centauro)

Provavelmente da maioria dos brasileiros.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Mas aí que está, ela não precisa vender para a maioria, só para quem interessa a ela.

² (@centauro)

Eu sei.
Só estou respondendo seu comentário sobre “qual brasileiro” se refere o “fora da realidade” do Marcos.

Marcos Oliveira (@marcosoliveiran)

Me refiro a ampla maioria dos brasileiros que recebem menos do que os 7 salários mínimos cobrados pela versão mais básica de 64gb.

É claro que existe público para tudo, como vocês mesmo disso existe esse mercado de pessoas que aceitam pagar mais de mil reais até em simples peças de roupa.

Meu comentário é que com esses preços, a apple não precisa manter uma operação no país para atingir esse público.

Pika das Galaxias (@PikaDasGalaxias)

Nunca pensei nesse ponto de vista, mas é a pura verdade.

Esqueci, mas tem o lance da assistência técnica, então precisa.

Gabriel Arruda (@gdarruda)

Não acho que seja um mercado tão pequeno assim, luxo tem níveis. iPhone é um pequeno luxo, não é tão inacessível assim para um classe média alta.

Ademais, a Apple está investindo nos de entrada como iPhone SE e o iPad, o que deve ter muito mais saída que os últimos lançamentos top de linha.

Filipe Espósito (@filipeesposito)

Eles já venderam o Apple Watch Edition no Brasil por R$135 mil. E eu conheço quem comprou rindo. Não é a realidade do país todo, de fato, mas não se esqueça que várias outras grifes atuam por aqui (não que a Apple seja de fato uma grife, mas tá se tornando uma com esses preços) — e nessa lógica, todas elas deveriam ir embora.

Filipe Espósito (@filipeesposito)

E tem isso também. Diferente de algumas empresas (como a Microsoft, que prefere nem tentar trazer produtos como o Surface pra cá), a Apple tem uma política de vender tudo em todo lugar pra quem quiser. Mas normalmente, nos países emergentes, eles se preocupam mais em impulsionar os modelos antigos. O iPhone SE mesmo sempre aparece em promoção por R$2.700. Eventualmente vai ter alguém pra comprar os mais caros, então por que não vender também?

Leandro (@lth_leandro)

O preço de qualquer coisa é relativo, depende do bolso de cada um, mas aqui vai um fato. Recentemente comprei um S20+ por 3900, o que para mim torna-o um celular caro. O Iphone 12 de 128 GB custa mais do que o dobro do que isso, algo difícil de justificar racionalmente. Mas também entendo que quem tem está no ecossistema tem outros elementos envolvidos.

Alisson Santos (@alisson)

A relação 1 para 10 (US$ 1.000 = R$ 10.000) que desde há muito tempo costuma ocorrer na conversão se manteve, apesar do dólar a quase 6 reais. Será que a Apple reduziu a margem?

Danillo Nunes (@danillonunes)

Uma pechincha! Vou comprar dois: Um branco para usar de dia e um preto para usar a noite.

Michael (@Michael)

Terei que trabalhar um ano e dois meses para pagar o iPhone mais top! Kkkkkk

Exibir mais comentários