Início » Telecomunicações » Filtros contra interferência no 5G serão instalados em sete anos

Filtros contra interferência no 5G serão instalados em sete anos

5G de 3,5 GHz pode causar interferência na TV aberta via satélite; operadoras querem filtro de mitigação para antenas parabólicas

Lucas BragaPor

O leilão de 5G deve ocorrer em 2021, e a frequência de 3,5 GHz pode causar interferências no serviço de TV aberta via satélite (TVRO), que utiliza banda C. A distribuição de filtros LNBF para as antenas parabólicas poderia resolver o problema, mas a substituição de equipamentos em todo o Brasil pode demorar sete anos.

Antenas parabólicas (Imagem: Lucas Braga/Tecnoblog)

Antenas parabólicas (Imagem: Lucas Braga/Tecnoblog)

O cronograma foi previsto pela Conexis (antigo SindiTelebrasil), que representa as principais operadoras de telecomunicações. A entidade estima que será necessário implementar o filtro em equipamentos de 1,37 milhão de pessoas que estão no CadÚnico do Governo Federal e vivem em regiões onde a interferência seria causada.

Este é o cronograma para solução de interferência do 5G proposto pela Conexis:

PeríodoCidades
12 mesesBelo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, e São Paulo
24 mesesRestante das capitais e cidades com mais de 500 mil habitantes
36 mesesCidades com mais de 200 mil habitantes
48 mesesCidades com mais de 100 mil habitantes
60 mesesCidades entre 30 e 100 mil habitantes e restante do PGMC 1 (municípios competitivos)
72 mesesRestante das cidades com PGMC 2 (municípios potencialmente competitivos)
84 mesesRestante das cidades com PGMC 3 (municípios pouco competitivos)

Migração para Banda Ku custaria R$ 1,75 bilhão

Caso a solução de mitigação com filtro LNBF não seja aceita pela Anatel, o esforço será ainda maior: o desligamento do serviço de TVRO na Banda C e transferência para a banda Ku implicaria em decodificadores, antenas e filtros em todos os 5.570 municípios brasileiros, com custo muito mais alto para as operadoras.

No plano de mitigação de interferências, a Conexis espera que as operadoras gastem R$ 224,13 milhões com a distribuição e instalação de filtros. A migração da banda C para a banda Ku seria 7,8 vezes mais cara, chegando a R$ 1,75 bilhão – isso considerando a cotação do dólar a R$ 4,18 e equipamentos apenas para usuários do CadÚnico.

Com informações: Telesíntese

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
5 usuários participando