Início » Comportamento » iFood revela clientes recordistas em pedidos durante pandemia

iFood revela clientes recordistas em pedidos durante pandemia

Um único usuário de São Paulo foi responsável por mais quase mil pedidos no aplicativo entre março e agosto de 2020

Ana Marques Por

O iFood divulgou, nesta sexta-feira (16), um relatório que mostra os hábitos de consumo de seus usuários durante a pandemia da COVID-19. Os dados revelam o aumento de pedidos no app nos meses de março a agosto de 2020, bem como as informações sobre os clientes recordistas em pedidos nesse período.

iFood tem aumento em pedidos na pandemia. (Imagem: Divulgação)

iFood tem aumento em pedidos na pandemia. (Imagem: Divulgação)

De acordo com o iFood, o usuário que fez mais pedidos durante os seis primeiros meses de pandemia mora em São Paulo. Ele foi responsável por 983 pedidos de março a agosto. Logo em seguida, temos um cliente do Rio de Janeiro, com 879 pedidos, e em terceiro, mais um usuário de São Paulo, com 817 pedidos.

O número total de entregas na pandemia ultrapassou a marca de 100 milhões. Em agosto, o iFood registrou um pico de 44,6 milhões de pedidos, e o número de restaurantes na plataforma também cresceu – no mesmo mês, a empresa contava com 236 mil estabelecimentos cadastrados (contra 131,2 mil, em novembro de 2019).

Hambúrguer foi o alimento mais pedido na pandemia

A permanência em casa parece não ter bastado para a adoção de hábitos mais saudáveis. O alimento mais pedido no iFood no Brasil foi o hambúrguer (primeiro colocado em quase todas as regiões do país) – somente no sudeste o lanche foi ultrapassado pela esfirra.

O Top 10 nacional, segundo a empresa de entregas, foi:

  1. Hambúrguer
  2. Esfirra
  3. Carne
  4. Sanduíche e wrap
  5. Sobremesa
  6. Sushi e sashimi
  7. Pão
  8. Frango e ave
  9. Açaí
  10. Bolo e torta doce

Fazendo um recorte para o aumento no número de pedidos, os pães foram recordistas. O iFood registrou crescimento de 277% para esse tipo de delivery. Já a demanda por sobremesas cresceu 203%, e os pedidos de peixes e frutos do mar aumentaram 148%.

Crescimento por tipos de refeição no iFood. (Imagem: Reprodução)

Crescimento por tipos de refeição no iFood. (Imagem: Reprodução)

A empresa divulgou ainda os números para períodos do dia, que mostra crescimento em demanda em todas as refeições – mas é o café da manhã que mostrou maior aumento no número de pedidos entre março e agosto. A variação é ainda maior no final de semana, onde todas as refeições crescem mais de 50%.

O iFood não revelou os números absolutos para cada tipo de refeição, mas a porcentagem é compreensível: pedir café da manhã pelo app não devia ser muito comum antes do isolamento, e com as recomendações da OMS para evitar a saída de casa, a prática passou a ser comum entre os clientes do aplicativo. Já aos finais de semana, a saída para um almoço em família ou jantar com amigos foi substituída por delivery em muitas residências.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
11 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

imhotep (@imhotep)

E descobrimos que o brasileiro usuário do Ifood não gosta de pizza.

(Sim, eu sei que muita pizzaria tem entrega própria).

Eu (@Keaton)

A Dominos, por exemplo, tem um que é mais barata que o iFood e tem bem mais opções.

² (@centauro)

Pedir pra entregar café da manhã.
Esse é um mundo que eu não conhecia.

Jamais confie em alguém que não gosta de pizza!

Sérgio (@trovalds)

Pizza não se sobressai porque a maioria dos pedidos do iFood é individual. E o preço de uma pizza pequena (ou brotinho) normalmente não compensa frente a um hamburger ou a um kit com 2 ou 3 esfirras.

Gigo CAP (@GigoCAP)

Cacete. Quase 1000 pedidos em pouco mais de 100 dias. Certeza que é uma empresa, não faz sentido alguém comer cerca de 7, 8 vezes por dia.

Joseilton Júnior (@Joseilton_Junior)

Eu continuo usando a boa e velha ligação telefônica. O mais moderno que chego a usar é o whatsapp (da minha esposa, pois não uso) para os estabelecimentos mandarem o cardápio (a foto do cardápio).
Quando escolho o que quero, ligo de novo e faço o pedido. Gosto desse contato. De ouvir vozes.

Léx Ferracioli (@Lex_Ferracioli)

Estou dentro desta estatística, aumentei drasticamente a utilização do app, principalmente pelo aumento dos cupons de desconto e de alguns restaurantes oferecerem fidelidade e posteriormente descontos de até 20%, outra coisa que está sendo bom, são os pedidos em grupo, aqui na empresa sempre utilizamos e dão 30% de volta (utilizo até em casa, faço grupo com minha esposa e peço lanches separadamente, por exemplo). Os cupons de mercado também são uma mão na roda, na maioria das vezes vale a pena quando o cupom é de R$20,00.

Dica: para receber mais cupons de desconto, sempre avaliem com nota de 1 à 4 no final do pedido, sobre você indicar o Ifood para um amigo, o programa entende que você não está muito satisfeito com o app e começa te enviar vários cupons

Siebel (@Siebel)

Queria saber o IMC do paulista recordista.

Eu (@Keaton)

@mobilon dá uma lida no TITULO dessa matéria.

Não deveria ser “iFood comidas/pratos recordistas em pedidos durante a pandemia”? Clientes não faz sentido. hahaha

Alvaro Teixeira (@alvaroamt)

Mas revelou justamente os clientes que fazem mais pedidos.

Eu (@Keaton)

“cliente recordista”?

Alvaro Teixeira (@alvaroamt)

O cara não bateu o recorde de pedidos? Rsrs

Eu (@Keaton)

Vixi, my bad. Eu li errado a matéria. To sem dormir direito desde sexta e sem dormir desde ontem. hahaha