Início » Brasil » Bolsonaro reduz imposto sobre PS5, Xbox e outros videogames

Bolsonaro reduz imposto sobre PS5, Xbox e outros videogames

Anúncio de redução no IPI de consoles foi feito por meio das redes sociais do presidente nesta segunda-feira (26)

Ana Marques Por

O presidente Jair Bolsonaro vai reduzir novamente os impostos sobre consoles de jogos no Brasil. O anúncio, feito nesta segunda-feira (26) pelas redes sociais, afirma que a decisão será publicada no Diário Oficial da União (DOU) nesta terça (27). Essa é a segunda vez que o presidente promove redução no IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) de videogames – a medida pode afetar os preços de lançamentos como o PS5 e o Xbox Series X.

Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR - 14/08/2020)

Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR – 14/08/2020)

Os motivos para a redução, de acordo com o presidente, são as reclamações da comunidade gamer. Durante uma transmissão ao vivo, Bolsonaro explicou: “A garotada ano passado resolveu reclamar do preço de jogos eletrônicos, chips, etc. E tinha um degrau de imposto, e nós conseguimos passar o maior degrau de 50% para 40%. E agora a molecada voltou a chiar novamente e com razão.”

Com o novo decreto, o IPI passa a ser:

(a) de 40% para 30%: consoles e máquinas de jogos;

(b) de 32% para 22%: de partes e acessórios dos consoles e das máquinas de jogos de vídeo cujas imagens são reproduzidas numa tela;

(c) de 16% para 06%: máquinas de jogos de vídeo com tela incorporada, portáteis ou não, e suas partes.

A redução não contempla ainda os jogos eletrônicos propriamente ditos, como cogitou o presidente no início de outubro.

Atualização 29 de setembro, 18h: após a medida envolvendo a redução do IPI, a Microsoft anunciou corte de preço na pré-venda do Xbox Series X e Xbox Series S. O primeiro reduziu o preço de R$ 4.999 para R$ 4.599 e o segundo passou de R$ 2.999 para R$ 2.799. Os dois consoles serão lançados no Brasil em 10 de novembro.

Dólar ainda pode manter preço nas alturas

Apesar da redução no IPI, os preços de consoles de última geração e acessórios ainda devem ser altos este ano. Além dos demais impostos, como o ICMS e o Imposto sobre Importação, a alta do dólar e a crise econômica decorrente da pandemia da COVID-19 são fatores que influenciam diretamente nos valores cobrados do consumidor final.

Até o momento, não houve nenhum anúncio sobre redução de preços nos lançamentos da Microsoft e Sony previstos para novembro. Os Xbox Series X e S chegarão ao mercado nacional por R$ 4.999 e R$ 2.999, respectivamente. Já o PlayStation 5 está em pré-venda, por R$ 4.999 (PS5) e R$ 4.499 (PS5 Digital Edition).

Cabe ressaltar que há uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) em andamento no Senado com o objetivo de levar a zero o imposto para consoles e jogos produzidos no Brasil. No entanto, sua última movimentação aconteceu em agosto de 2019.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
24 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@LeandroCSC

Mesmo sendo crítico ao governo,não vejo o porquê de criticar a medida. Toda redução de impostos é bem vinda. Porém a busca por reduções de impostos não pode parar por aí. Precisamos que outros setores tbm sejam contemplados. O Brasil está sufocado com tanta carga tributária! Chega!

Emanuel Schott (@Emanuel_Schott)

Vi “YouTuber” por ai dizendo que mesmo que fosse vendido pelo preço americano, continuaria caro, já que custaria não sei quantos salários minimos e que lá custa não sei quantas semanas de salario (como se quem ganha $1200 consegue tirar $500 do bolso, assim, do nada) e bla bla bla.

Só que ele desconsiderou um fator IMPORTANTISSIMO feito aqui: nós parcelamos as coisas. Nem eu que ganho bem tenho coragem de pagar R$2.700 a vista, no dinheiro.

Caso fosse cobrado o mesmo que nos EUA, seriam 12x de 20% de um salário mínimo. Hoje é 50% isso, CINQUENTA por cento. Uma família com salario de, sei lá, dois a três salários mínimos teria condições de adquirir um desses pro filho, já que pesaria menos de 10% do salário. Hoje não dá.

Dito isso, toda redução de impostos é bem vinda.

Alisson Santos (@alisson)

Alguns comentários que vi no Facebook e Twitter mostram o quanto a população brasileira na média possui baixo desempenho em matemática. Comentário bastante recorrente foi de que se o imposto federal reduziu 25%, logo, o preço do console reduzirá 25%. Ignoram, portanto, que o imposto federal é só uma parte de tudo o que incide sobre o preço final do produto.

Adriano Garcez (@Adriano_Garcez)

infelizmente vai reduzir nada do preço final dos consoles de nova geração.
dólar ridiculamente alto e ICMS ainda muito alto. vai demorar pra chegar num preço minimamente justo.

Emanuel Schott (@Emanuel_Schott)

Ano passado. A alíquota foi de 50% pra 40%. Isso reduziria R$175 do preço do PS4. Caiu R$200 do preço oficial quando a Sony liberou os novos preços.

@Comentador

A bozolandia vai a loucura

@Comentador

Agora só falta o boçal abaixar o valor do dólar kkk

Alberto Roberto (@ComentarioMilGrau)

É um negócio bom pra ambos os lados, mas SEMPRE vai ter aquele cara do contra só pq não foi o candidato dele eleito que fez.

O problema disso é somente o dólar, pois na casa dos 5.50 fica embaçado que algo realmente abaixe no preço.

Guilherme Borges (@Loumier)

Aqui adotamos regime de câmbio flutuante, que é o correto a se fazer. Ficar manipulando câmbio na base da canetada sempre dá ruim.

Gabriel Arruda (@gdarruda)

Não é uma questão simples, porque o governo precisa ter responsabilidade fiscal. O dinheiro que deixa de ser arrecadado precisa ser pego de outro lugar ou algo ser cortado, pelo menos essa é a política do teto de gastos apoiada pelo governo atual (parte dele, ao menos).

Na melhor das hipóteses. a arrecadação sobre consoles é pouco relevante e está ganhando capital político “barato” com a base dele. Se for relevante, ele está sendo mais irresponsável ainda de abrir mão de arrecadação no momento em que os gastos dos governos serão exorbitantes, ainda mais por ele que está pressionando para manter o auxílio emergencial por causa da popularidade.

Em resumo, é populismo que na melhor das hipóteses é inofensivo. O maior problema do imposto no Brasil não é tanto o valor que está “em linha” com outros países, mas como é complexo e regressivo. Reduzir X% em um produto dispensável é secar gelo.

Klaus Ferrer (@Klaus_Ferrer)

Acho que a redução de tributos sem uma conversa séria com as empresas de nada se resolve.

Não vamos ser bobos, lógico que os impostos aqui são surreais, mas as empresas adoram isso pra poder por os preços lá nas alturas, é bom pra todo mundo, que não seja o consumidor final.

É necessário que as empresas também façam a parte delas, o que duvido que façam.

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

Brasil precisa com urgência separar o preço da mercadoria dos impostos, só assim para as empresas não embolsarem a redução de impostos.

O produto custa X + Y de imposto, se reduzirem o imposto o produto passar a custar X + Z de impostos, fica clara a mudança.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Acho que não. Empresas querem pagar menos impostos possíveis, e esse dinheiro salvo se reverte em margens maiores. O mesmo para imposto sobre produtos, existem categorias em que esses impostos ultrapassam 40%.

Vamos usar os US de referência, lá uma empresa paga em torno de 16.5% em impostos. E o imposto que você paga sobre os produtos, mesmo tendo variações de região para região, ficam no máximo em 10%. Isso implica em mais caixa para a empresa, ou para o cidadão, que estará efetivamente dando menos dinheiro para o governo.

No Brasil somado a carga tributária, temos a falta de transparência. Tudo já vem embutido no preço final. Se as pessoas soubessem escancaradamente quanto pagam, a exemplo do PS5. Tornaria as coisas mais claras. Sempre se culpa a empresa, mas onde começa e termina a parcela de culpa dela?

Rodrigo (@rodrigo1)

Sendo você fruto da “pátria-educadora era Paulo Freire”, como podemos saber se você não é um desses analfabetos funcionais citados por você mesmo? O que te leva a crer que você é um iluminado que não foi influenciado por isso?

Rodrigo (@rodrigo1)

É por pensamentos assim que os índices de inadimplência do Brasil são tão altos, que as pessoas pagam juros tao altos e que os juros no Brasil são tão altos e o spread bancário é tão alto. Em 12 meses muita coisa pode acontecer que você pode precisar desse dinheiro da parcela. Se estivesse só guardando, paciência, a compra do videogame atrasaria alguns meses. Mas enfim, a vida financeira é sua.

E muito provavelmente você conseguiria abater um pouco do valor vendendo o videogame da geração passada junto com os jogos ou outro item.

PS: Além disso, em 12 meses vai ter pago juros. Pois o tal do “12 vezes sem juros” não é bem assim. Se tem desconto à vista, esse desconto é o juro do parcelado.

Exibir mais comentários