Início » Cultura » Netflix ficará sem Harry Potter; filmes podem ir para HBO Max no Brasil

Netflix ficará sem Harry Potter; filmes podem ir para HBO Max no Brasil

Filmes de Harry Potter estão no streaming do Now (Claro/NET) e irão para HBO Go; Netflix também perdeu filmes da Disney

Felipe Ventura Por

A Netflix confirmou que os quatro filmes de Harry Potter em seu catálogo ficarão disponíveis até o dia 1º de novembro no Brasil; eles entrarão no HBO Go em 7 de novembro. A WarnerMedia é dona da famosa franquia de Hogwarts, e lançou este ano o serviço de streaming HBO Max, que está previsto para desembarcar na América Latina em 2021.

Harry Potter (Imagem: Divulgação/Warner)

Harry Potter (Imagem: Divulgação/Warner)

A HBO Go anunciou em seu site: “a magia de todos os filmes de Harry Potter reunidos em um só lugar; em 7 de novembro, Harry Potter assume o controle da HBO”.

Por enquanto, todas as adaptações dos livros de J. K. Rowling estão presentes no Now, da Claro/NET: no entanto, é necessário assinar TV paga com os canais Telecine. Alguns dos filmes também podem ser encontrados direto no Telecine, contratado de forma avulsa por R$ 37,90 mensais.

A WarnerMedia poderia consolidar todos eles em seu próprio serviço de streaming: a empresa confirmou que o HBO Max chegará à América Latina em 2021. Seria algo semelhante ao que a Disney fez antes do lançamento do Disney+ em novembro: os filmes da Marvel (Vingadores, Thor) e Pixar (Toy Story, Nemo) que estavam na Netflix foram removidos do catálogo; o mesmo ocorreu no Amazon Prime Video.

Harry Potter mudará de streaming no Brasil (Imagem: Reprodução/HBO)

Harry Potter mudará de streaming no Brasil (Imagem: Reprodução/HBO)

Existem alguns títulos que geram verdadeiras disputas entre serviços de streaming, como a série Friends — que também pertence à WarnerMedia. Os filmes de Harry Potter, que faturaram US$ 7,7 bilhões nos cinemas, são bastante visados por servirem como uma forma de reter e conquistar assinantes.

Nos EUA, o HBO Max estreou em maio com todos os oito filmes de Harry Potter, mas retirou todos em agosto. É que a WarnerMedia já havia feito acordo com a NBCUniversal pelos direitos de transmissão na TV e em plataformas digitais entre 2018 e 2025, mas conseguiu negociar uma “janela” para colocá-los em seu streaming de forma temporária.

Onde assistir Harry Potter via streaming no Brasil

Harry Potter… Plataforma de streaming
… e a Pedra Filosofal NET Now*, HBO Go**
… e a Câmara Secreta Now*, Netflix (até 1º de novembro de 2020), HBO Go**
… e o Prisioneiro de Azkaban Now*, Telecine, HBO Go**
… e o Cálice de Fogo Now*, Telecine, HBO Go**
… e a Ordem da Fênix Now*, Netflix (até 1º de novembro), HBO Go**
… e o Enigma do Príncipe Now*, Telecine, HBO Go**
… e as Relíquias da Morte – Parte 1 Now*, Telecine, Netflix (até 1º de novembro), HBO Go**
… e as Relíquias da Morte – Parte 2 Now*, Telecine, Netflix (até 1º de novembro), HBO Go**

*O streaming pelo NET Now requer assinatura de TV paga com pacote de canais Telecine.

**A partir de 7 de novembro de 2020.

Atualizado às 13h

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
8 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

LekyChan (@LekyChan)

hello torrent old my friend

Eduardo Silva (@Eduardo_Silva2)

Netflix (R$ 32,90, considerando o plano de duas telas, que parece ser o mais assinado, pode substituir pelo plano que quiser aqui), amazon prime video (R$ 9,90), disney+ (R$28,99), futuro substituto do HBO GO (nesse caso vou supor que continue R$ 34,90),youtube premium (R$ 20,90),telecine play (R$ 37,90) só essa brincadeira de ter tudo oficialmente dá R$ 165,49, ou você faz a famosa rachadinha de dividir o preço do streaming com seus amigos, ou praticamente voltamos à epoca da TV à cabo (apesar de que ver qualquer coisa à qualquer hora ainda é uma grande vantagem).

Sim,eu sei que você não é obrigado a assinar tudo, e algumas dessas marcas você nem liga (eu por exemplo não ligo para o youtube premium), minha comparação é que, antigamente, você assinava uma coisa e vinha tudo, agora as empresas estão segregando seus conteúdos, poxa, o que eu amava no netflix era poder ver as séries de vários canais diferentes a hora que eu quisesse (confesso que não tenho dados para afirmar se foi isso que chamou a atenção dos assinantes da netflix no passado, mas foi o que me chamou, aceito se descartarem esse argumento), agora se eu quiser ter acesso à tudo, por incrível que pareça, o jeito mais fácil é baixar o stremio e torrent neles, o que é uma pena, pois os preços são acessíveis, mas se juntar todos, é uma quantia alta.

² (@centauro)

Só agora?
Pirataria quase sempre foi mais fácil (isso quando não é a única opção).

Eduardo Silva (@Eduardo_Silva2)

Bom,antigamente você pelo menos tinha de garimpar torrent, buscar os sites que tinham menos vírus/propagandas, hj em dia vc baixa o app e tá tudo lá, e nem tem a desculpa que só pega em computador, o stremio tem pra tv,pra celular,etc. Na moral, antigamente era um pouco mais difícil,apesar de simples (principalmente pra quem cresceu com a internet,como eu e provavelmente vc), hj além de ser mais fácil, tudo está lá (como vc mesmo disse,é a única opção,ngm vai comprar dvd usado de série antiga pra poder assistir legalmente), a maior parte das veze os lançamentos já estão nos “alternativos” no dia do lançamento,então fazer o que, esquecendo o aspecto legal, a forma mais cômoda e completa de ver série hj em dia é com a pirataria.

🤷‍♀️ (@xavier)

Não precisa recorrer à pirataria, nem rachar a assinatura.
É só assinar um mês cada serviço e pronto!

Eduardo Silva (@Eduardo_Silva2)

A falta de comodidade de ficar trocando é grande para algumas pessoas, ficar trocando, se esquecer de cancelar um determinado serviço,e por aí vai, de novo, para quem se liga nisso é fácil, para boa parte dos sei lá quantos milhões de assinantes que cada empresa tem,não. Sei que eles facilitam ao máximo o cancelamento e a volta para assinar o serviço, existe os cartões pré pagos e por aí vai,mas ainda assim, tenta explicar para alguém que não tem a mesma mentalidade nossa que “é só vc assinar a netflix em janeiro,em fev entra lá pra cancelar e assina a prime, em março cancela a prime e vai pro telecine…” e por ai vai, fora que como os lançamentos são espaçados,alguma hora você vai assinar mais de um serviço em algum mês, e algumas séries saem em ritmo semanal (sim,você pode assinar só quando todos os episódios da temporada forem lançados,mas aí você pode perder um pouco do hype por não ver assim que sai), enfim, as variáveis são tantas que algumas pessoas podem simplesmente se cansar disso tudo (ou se cansar em pensar nisso tudo) e simplesmente assinar tudo e perder uma boa grana, ou não assinar nada e pensar algo como: “hum,tem tudo nesse app/site, e ainda é grátis…”, como eu disse, vai de pessoa pra pessoa, eu me contento em assinar somente dois e já era, nem sou mais ligado em séries como antigamente, mas não somos todo mundo, eu se tivesse no hype de todos esses serviços faria exatamente como você falou, assinar somente nos meses que me interessassem.

🤷‍♀️ (@xavier)

Vários pontos:

Se ficar pensando “ah, é difícil, é complicado”, então, que a pessoa pague todos os serviços e tenha a comodidade. Não existe almoço grátis e se quer tudo na mão, na hora, existe um preço a se pagar. Recorrer à pirataria é a pior coisa. É mais fácil (já que não tem nem que se preocupar que série A é no aplicativo X, enquanto série B é no app Z), mas não é o certo. Eu seria hipócrita se falasse que nunca recorri à lojinha do Paulo Coelho, porém é necessário que a população de um modo geral entenda que essa é, de longe, a pior forma de incentivar produções de qualidade.

Mas a discussão está tomando outro caminho.
Eu só quis apontar que não é só ter todos serviços ao mesmo tempo ou pirataria, existe um meio termo que é bom pra todo mundo. Se é fácil ou difícil, e se quer recorrer à pirataria, vai dos valores morais de cada um.

Eduardo Silva (@Eduardo_Silva2)

essa sua última frase é todo o meu ponto, comodidade por comodidade, tá empatado, em serviços de música por exemplo, ainda é muito mais cômodo assinar um spotify da vida para quem se importa com playlists bem montadas, com a capa dos discos, qualidade boa de áudio (e para quem quer lossless,tem o deezer e o tidal), enfim, só pela economia de tempo e praticidade, os serviços de música dão um banho na pirataria, já os serviços de vídeo,não.

Esse parágrafo acima está levando em conta somente o argumento técnico, quanto à moralidade, é outra história e vai de cada um, eu pessoalmente gosto da ideia de recompensar os produtores de conteúdo, por isso assino.

Juliano Ferretti (@Ferretti)

Os streamings de música deram tão certo, pois os artistas não tem dinheiro suficiente para ser o seu próprio app, assim os artistas preferem ter suas músicas no máximo de plataformas possível.

Já as produtoras de filmes, séries e documentários, tem dinheiro pra isso, até aí tudo bem, quanto mais concorrência, melhor, mas o problema é que cada produtora além do seu próprio serviço de streaming, elas ainda fecham os seus conteúdos somente para a plataforma própria.

Eu hoje só assino Netflix, pois o que eu gosto de assistir com frequência está lá, mas se eu quiser assistir um filme ou doc. fora do catálogo, prefiro comprar pelo iTunes.

Mas se as produtoras continuarem com esses posicionamentos, a tendência é o torrent voltar com força, inclusive já é realidade pois o repositório oficial do Popcorn Time no Github que estava parado desde 2016, voltou a ganhar atualizações.

Coincidência? Bom, acho que não.

Ian Carlos (@IanCarlos)

O grande baque da senhora Netflix é a mentira de toda empresa que vem alegando inovação. Ela chegou aqui, criou uma tendência, criticou a TV Fechada no processo, mas no fim está sendo igual ou pior. E com isso ela deu chances de as emissoras a seguirem se modernizando pra não saírem perdendo e ela mesma estacionou. A pior coisa que eu acho em uma emissora, fora os custos altíssimos delas é elas lançarem meio mundo de conteúdo e simplesmente pq não deu retorno, cancelar sem mais nem menos. Blz, não deu retorno elas não tem obrigação de continuar investindo em algo sem retorno. Porém, elas cativariam e muito os clientes se proporcionassem FINALIZAÇÃO. É um porre você passar seu tempo consumindo um conteúdo X pra no final não se obter NADA dele, nem uma simples satisfação de conclusão.

Aí a Netflix seguiu o mesmo rumo, cria 9731283102 títulos de conteúdo, e cancela 9731283100 sem dar um final. Pra gente que preza por conteúdo, perde a confiança na mesma e para de consumir. Eu mesmo não começo mais NENHUM título dela, e muitos eu não me importo mais em continuar exatamente por isso. E esse mês por exemplo, estarei cancelando sem previsão de voltar a assinar, e a única coisa que eu estou acompanhando nela nesses meses é uma série semanal que vou simplesmente baixar por Torrent/GDrive … E a culpa disso é da própria empresa. Aí ela cobra esse absurdo e não tem um pingo de consideração com os clientes (como várias outras empresas). A única que por enquanto pago sem dó é a Amazon Prime, pq mano, R$ 9,90/mês pra ter todos os benefícios é meio que um crime não ter … ainda mais pra mim que paguei R$ 17,00 pra ter todos esses benefícios por 1 ano, e ainda ganhei R$ 9,90, nisso ficou R$ 7,10 por 1 ano de Amazon Prime. Netflix e as demais se depender de mim, enquanto coobrarem esses absurdos por conteúdos cancelados eu quero que se fodam.

e vamo do bom e velho torrent.