Início » Negócios » Vi Station, que vendia celulares baratos da Meizu, desiste de smartphones

Vi Station, que vendia celulares baratos da Meizu, desiste de smartphones

Vi Station está com site quebrado, mas ainda responde no Reclame Aqui; empresa vendeu celulares sem homologação da Anatel

Felipe Ventura Por

A brasileira Vi Station se destacava por vender celulares Android da Meizu com um bom custo-benefício; os preços chegavam a R$ 399. Sem alarde, ela mudou de estratégia este ano, passando a trabalhar com Xiaomi e outras marcas. No entanto, a empresa acabou desistindo de smartphones e tomou um chá de sumiço: suas redes sociais não são atualizadas desde julho; e seu site ainda está no ar, porém não funciona.

Meizu Note 9 (Imagem: Divulgação/Meizu)

Meizu Note 9 (Imagem: Divulgação/Meizu)

O Tecnoblog tentou entrar em contato por e-mail, mas não obtivemos resposta; e ninguém atende o telefone do SAC (serviço de atendimento ao consumidor). A página oficial do Facebook e o perfil do Instagram foram atualizados pela última vez em 31 de julho.

O site oficial continua no ar, mas a formatação está totalmente quebrada e os links levam a páginas de erro. A Vi Station ainda não sumiu completamente: ela vem respondendo a queixas do Reclame Aqui, inclusive no último dia 2 de novembro.

Site da Vi Station está quebrado (Imagem: Reprodução)

Site da Vi Station está quebrado (Imagem: Reprodução)

A empresa possui uma loja oficial no Mercado Livre, mas não vende nenhum celular: em vez disso, ela comercializa som automotivo, máscaras de proteção, armação de óculos, perfumes, entre outros.

Vi Station ainda tem loja no Mercado Livre (Imagem: Reprodução)

Vi Station ainda tem loja no Mercado Livre (Imagem: Reprodução)

Vi Station vendeu celulares sem homologação da Anatel

A partir de janeiro de 2020, a Vi Station começou a vender celulares de outras marcas, como Xiaomi, Realme, Vivo e Oppo. A última referência a um modelo da Meizu (o M6s) foi em maio. Um dos posts mais recentes no Facebook, publicado em julho, anunciava o Redmi K30 a partir de R$ 3.699.

O Tecnoblog não conseguiu encontrar celulares da Realme, Vivo ou Oppo no sistema de homologação da Anatel, indicando que aparelhos como Vivo NEX 3, Oppo Find X2 e Realme X50 Pro estavam sendo vendidos sem autorização da agência.

Página da Vi Station menciona celulares da Xiaomi, Oppo, Vivo e Realme (Imagem: Reprodução/Facebook)

Página da Vi Station menciona celulares da Xiaomi, Oppo, Vivo e Realme (Imagem: Reprodução/Facebook)

Vale lembrar que, em 2019, descobriu-se que a Vi Station comercializava diversos smartphones da própria Meizu sem homologação da Anatel. Os últimos modelos liberados pela agência reguladora foram o Meizu C9 (M818H) e M5c (M710H); seus certificados tinha validade até setembro de 2020.

Clientes se queixam no Reclame Aqui sobre uma mudança nas regras: com isso, a empresa passou a oferecer só 3 meses de suporte gratuito para os celulares.

No Reclame Aqui, a Vi Station afirma: “a garantia legal de nossos produtos é de até 3 meses, posterior, conseguimos atender em caráter de orçamento”. Os termos antigos foram salvos no Internet Archive, e diziam que “o período de garantia tem a duração de 12 (doze) meses”.

Vi Station acumula queixas (Imagem: Reprodução/Reclame Aqui)

Vi Station acumula queixas (Imagem: Reprodução/Reclame Aqui)

A Vi Station está associada a dois números de CNPJ: um deles pertence à empresa HECSC Comércio de Eletrônicos Ltda., enquanto o outro é da Gainy Eletronics; ambas são sediadas em Itajaí (SC).

Entre suas atividades econômicas, estão a venda de equipamentos de áudio e vídeo, de informática e de telefonia, além de peças e acessórios novos para veículos. As duas inscrições foram abertas em 2015 e continuam ativas.

Obrigado pela dica, Willian!

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
3 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

João Luiz G (@Joao_Luiz_Gomes_Silv)

A história se repete… sempre quando anunciam uma grande prisão de celulares xiaomi, como meses atrás, uma loja fecha “do nada”

Levi Brito (@Levi_Brito)

Não sei como a DL está se segurando, visto que no mercado livre e até mesmo em outros marketplaces confiáveis (amazon, americanas, casas bahia) vendem celulares sem homologação e por preço inferior ao oficial devido as lojas de terceiros. Na minha cidade existe varias lojas virtuais de instagram que vendem Xiaomi com preços extremamente baratos vindo, obviamente de contrabando do Paraguai. Estão cobrando cerca de R$ 1300 no Redmi Note 8 nas ‘lojinhas’ enquanto no site oficial da DL custa mais de R$ 2000