Início » Brasil » Claro e empresas de blockchain testarão voto online com TSE

Claro e empresas de blockchain testarão voto online com TSE

Claro, IBM e outras 24 empresas farão teste para votação online do projeto Eleições do Futuro, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral)

Emerson AlecrimPor

As Eleições Municipais de 2020 estão marcadas para 15 de novembro, mas a data também vai servir de palco para as demonstrações do projeto Eleições do Futuro, que visa abrir caminho para votações online no Brasil nos próximos anos. Entre as companhias que irão participar dos testes estão Claro, IBM e empresas focadas em blockchain.

Tribunal Superior Eleitoral (Imagem: Marcus Amorim/Flickr)

Tribunal Superior Eleitoral (imagem: Marcus Amorim/Flickr)

Em setembro, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) realizou um chamamento público para recrutar empresas interessadas em apresentar soluções para viabilizar a votação online. Todas as propostas deveriam se basear em três requisitos: segurança da votação, proteção ao sigilo do voto e eficiência.

Mais de 30 companhias manifestaram interesse, das quais 26 foram selecionadas. O próximo passo consiste justamente na realização de demonstrações com as soluções apresentadas por cada uma.

Os testes serão feitos em Curitiba (PR), Valparaíso de Goiás (GO) e São Paulo (SP). A Claro, por exemplo, vai realizar demonstrações na primeira cidade. Por sua vez, a IBM fará testes na capital paulista. A lista completa de participantes é esta:

Valparaíso de GoiásSão Paulo (local 1)São Paulo (local 2)Curitiba
Infolog TecnologiaGold LockNeuvoteClaroFidelity Mobile
GoLedgerOriginalMyProcertiExsisNova Opção Representação
RelataSoftBlueTrixThomas Greg & Sons do BrasilIndra CompanyLever Tech
SmartmaticGriauleWaves EnterpriseServix InformáticaPerseu Software
CertsignIBMVSoftINEPP
DigiSignCriptonomia

Repare que, além de Claro e IBM, a lista inclui companhias especializadas em certificação digital (Certisign, DigiSign), segurança digital (como a Gold Lock) e tecnologias biométricas (como a VSoft), por exemplo.

Também é notável a participação de empresas especializadas em blockchain, como GoLedger, OriginalMy e Waves Enterprise. Pudera: a forma como os dados são registrados no blockchain fazem soluções do tipo serem bastante cogitadas para reduzir ou até eliminar o risco de fraudes em eleições online.

Locais das demonstrações

As demonstrações serão realizadas das 10:00 às 15:00 nos seguintes endereços:

  • Curitiba: PUC/PR, Rua Imaculada Conceição, 1.144, Prado Velho;
  • Valparaíso de Goiás: Colégio da Polícia Militar Fernando Pessoa, Rua Juscelino Kubitschek, 59, Jardim Céu Azul;
  • São Paulo (local 1): Instituto Presbiteriano Mackenzie, Rua Itambé, 145, Higienópolis;
  • São Paulo (loca 2): a definir.

Todas as demonstrações serão acompanhadas pelo TSE e serão abertas ao público, que poderá testar os sistemas votando em candidatos fictícios.

De acordo com o TSE, o objetivo das demonstrações é “conhecer o que as empresas têm a oferecer em conhecimento e tecnologia” para as votações no futuro. “Não está em discussão a possibilidade de o TSE abrir mão do controle do sistema de votação”, destaca o órgão em nota.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
6 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Daniel Ribeiro (@danarrib)

Será que dessa vez o “código fonte aberto” será uma das premissas? Porque até hoje o código fonte da urna eletrônica é fechado. Ninguém consegue saber se a urna faz o que realmente deveria fazer.

Goku SSGSS (@renatodantas)

Como já comentaram nesta matéria, ainda há partes do código da urna que foram desenvolvidas por empresas privadas e, por contrato, não podem divulgá-las (ainda).

Concordo que, com a abertura do código, além de possibilidade de melhorias por parte da comunidade e da transparência do que ocorre sob o código, o TSE só tem a ganhar. Mas o código da urna é liberado para visualização antes das eleições por partidos políticos, Ministério Público e OAB em um ambiente restrito.

Lucas (@Lucas)

É muito bom a realização de projetos do tipo, mas acho extremamente difícil um projeto desse dar certo num futuro próximo. Por mais seguro que o sistema seja, não tem como garantir o sigilo do voto.

Felipe Corrêa Ramos (@fcramos)

Acho bem interessante a ideia de votação usando a tecnologia do blockchain.