Início » Antivírus e Segurança » Ex-engenheiro da Microsoft é preso por roubar US$ 10 mi da empresa

Ex-engenheiro da Microsoft é preso por roubar US$ 10 mi da empresa

Volodymyr Kvashuk usava sua conta de teste na Microsoft para adquirir gift cards que depois eram revendidos

Emerson Alecrim Por

O ucraniano Volodymyr Kvashuk (26 anos), ex-engenheiro de software da Microsoft, foi condenado a nove anos de prisão nos Estados Unidos por roubar o equivalente a mais de US$ 10 milhões da companhia. Ele obteve o montante explorando uma falha no sistema de créditos da Microsoft Store durante meses.

Kvashuk trabalhava sobretudo fazendo testes na loja online com pedidos simulados. Por corresponderem a compras fictícias, o sistema da plataforma impedia automaticamente o envio de produtos associadas a elas. Pelo menos deveria ser assim: em dado momento, o engenheiro de software percebeu que a sua conta de teste poderia ser usada para obtenção de créditos (gift cards).

Os gift cards permitem a aquisição de produtos reais. Foi o que Kvashuk fez. Inicialmente, ele comprou uma assinatura do Office e algumas placas de vídeo. Com o passar do tempo, o engenheiro se arriscou mais. Ele passou inclusive a usar contas de testes criadas por colegas para aumentar a arrecadação no esquema.

Campus da Microsoft em Redmond (imagem: Stephen Brashear/Microsoft)

Campus da Microsoft em Redmond (Imagem: Stephen Brashear/Microsoft)

Entre o final de 2017 e o início de 2018, Kvashuk já havia obtido indevidamente milhões de dólares em gift cards na loja Microsoft. Esses créditos foram revendidos por bitcoins que, posteriormente, eram sacados na Coinbase.

Autoridades americanas apontam que, em um período de sete meses, o engenheiro obteve cerca de US$ 2,8 milhões com o esquema. Os valores foram transferidos para contas bancárias e de investimentos.

Na tentativa de encobrir os seus rastros, Kvashuk também recorreu a contas de e-mail temporárias, usou um serviço que “mistura” bitcoins para dificultar rastreamentos e acessou a loja da Microsoft com VPN, por exemplo. Mas ele cometeu alguns erros, como acessar contas diferentes com a mesma conexão de VPN (e, portanto, com o mesmo IP).

Esse deslize permitiu aos investigadores traçar uma relação entre as transações realizadas por essas contas. O enriquecimento rápido de Volodymyr Kvashuk também levantou suspeitas. Com o dinheiro do esquema, ele comprou uma casa à beira-mar no valor de US$ 1,6 milhão e um carro da Tesla avaliado em US$ 160 mil.

Para piorar a situação, o engenheiro preencheu formulários de imposto de renda com informações falsas sobre seus bens. Nos documentos, ele alegou, por exemplo, que os bitcoins obtidos foram um presente de seu pai.

No fim das contas, a investigação não deixou dúvidas sobre a atividade criminosa do engenheiro. Kvashuk começou a trabalhar na Microsoft em agosto de 2016 e foi demitido em junho de 2018. Mas essa não foi a única punição. Ele foi julgado e condenado a pagar uma indenização de US$ 8,3 milhões.

Além disso, Volodymyr Kvashuk recebeu uma pena de nove anos de prisão. Ele foi considerado culpado por crimes de fraude eletrônica, lavagem de dinheiro, roubo de identidade (por usar contas de seus colegas), apresentação de informações fiscais falsas, entre outros. O engenheiro vive nos Estados Unidos, mas poderá ser deportado após o cumprimento da pena.

Com informações: Ars Technica, IRS.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
4 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Caleb Enyawbruce (@Enyawbruce)

O cara trabalhava numa das 5 maiores empresas do mundo. Mas a ganância e a falta de caráter falaram mais alto…

@Banana_Phone

Se ele não tivesse exagerado tanto, não levantaria suspeitas, mas o cara roubou milhões de dólares.

² (@centauro)

Bom, ele roubou provavelmente mais do que ele conseguiria ganhar trabalhando a vida inteira dele.
Não sei qual era o salário dele lá, mas supondo que fosse $10.000 por mês. Ele roubou $10.000.000, ou seja, o equivalente a 1000 salários.
1000 salários você ganha trabalhando por 83.3 anos.