Início » Software » Linuxcon: Linus Torvalds, tietagem e o futuro do Software Livre

Linuxcon: Linus Torvalds, tietagem e o futuro do Software Livre

Por
7 anos atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

No primeiro dia da Linuxcon, uma coisa já ficou clara para todos os participantes: eventos precisam urgentemente ser mais organizados. Afinal, não é nada animador ficar meia hora na fila e descobrir só no final que não existe fila única, mas sim filas separadas por nome, e que eu, estando como imprensa, poderia ter pego outra fila. Óbvio, não havia ninguém para comunicar isso.

Alguns efeitos de Avatar foram feitos com Linux. Alguns trechos do roteiro foram escritos por uma ostra

Findo o desentendimento inicial, o evento começou com uma apresentação especial de Jim Zemlin, diretor executivo da Linux Foundation. Entre números e curiosidades sobre o estado atual do Linux, Jim ressaltou um fato importante: o PC comum está morrendo. Saem os gabinetes com teclado, mouse e monitor e entram os mais diversos dispositivos, como smartphones, tablets, netbooks, notebooks e até sistemas intra-veiculares. Ou seja, o acesso à informação se tornou muito mais importante que o sistema operacional. E a missão do Linux para usuários comuns é justamente ser capaz de prover esses diversos dispositivos com um sistema robusto, estável e, principalmente, livre.

Linus e Jim, respectivamente. "Tô nem aí, tô nem aí", cantava Linus

Logo depois, em uma exclusiva rápida com jornalistas, Linus Torvalds e Jim Zemlin responderam a diversas perguntas sobre o Software Livre e Linux em geral. Aqui cabe ressaltar o modo de pensar de Linus: a maioria das respostas dele normalmente começavam com “Eu não sei, sou só um engenheiro (de software)” ou “Eu não me importo, Jim sabe melhor disso do que eu”. Ou seja, Linus não se importa com rixas como Microsoft X Linux ou distro X distro, ou até mesmo números precisos de utilização. Ele é um programador, pragmático, e para ele só importa uma coisa: show me the code.

Além disso, chama atenção a clareza e simplicidade com que Linus pensa. Citar todas as frases dele seria quase impossível, mas algumas merecem destaque por mostrar a sua visão de negócios para o Linux e o Software Livre:

Você não precisa instalar (o Linux), existem live CDs que você pode usar para testar, se acostumar e se gostar da experiência, instalar.

Eu não quero que o Linux domine o mundo, quero que o Linux seja o melhor sistema operacional que existe.

Eu não me importo que as pessoas usem software pago dentro Linux. Quero que elas sejam livres para escolher.

É uma selva lá fora, e o mais rápido e mais forte vai vencer. E eu acho que Linux é o mais rápido e mais forte.

Logo depois, em uma coletiva para todos os presentes, Linus, Jim e Andrew Morton (mantenedor oficial do Kernel Linux) bateram um longo papo sobre Software Livre, desenvolvimento, suas expectativas para o futuro e o mercado brasileiro. Andrew Morton foi claro ao falar sobre seus reais motivos para trabalhar com Linux “Quero que na minha lápide esteja escrito ‘Ele foi útil’. E eu me sinto útil para o mundo todo ajudando a manter o Kernel Linux…“. A partir daí, tiveram início as palestras propriamente ditas.

Show do Restart? Não, Linus causando

Interessante também notar a tietagem em volta do criador do Linux: em vários momentos uma multidão de fãs cercava Linus Torvalds, pedindo fotos, autógrafos, conselhos espirituais e afins. Ao se fechar na sala de imprensa, era visível o cansaço de Linus, mas ainda assim ele tentava responder a todas as perguntas de quem estivesse por perto.

"E se você puxar o cabelo para trás, vai ficar mais profissional, mas aí a calvície fica mais evidente..."

Sobre o resto do evento, percebo que tanto imprensa quanto os usuários e desenvolvedores parecem ter estacionado em 2002. Todos ainda tem as mesmas dúvidas e as mesmas filosofias de uma época diferente, em que o ódio pela Microsoft era o que dava o tom da comunidade. Enquanto palestrantes ressaltavam o uso do Linux e a portabilidade com diversos sistemas operacionais, algumas perguntas e comentários ainda tentavam fomentar alguma rixa. “Não temos nada contra a Microsoft, nós reportamos alguns bugs do SMB para eles e eles de vez em quando também nos ajudam com o Samba“, disse Jeremy Allison, encerrando sua palestra sobre “como fazer um produto com SAMBA”.

É impossível acompanhar todas as palestras e discussões em um evento como esse, mas é interessante notar como o discurso mudou, amadureceu. Se antes todo evento de Linux tinha uma certa militância ou ênfase em apresentar o Linux para leigos, a Linuxcon mostrou que já é possível fazer um evento sobre Software Livre sem envolvê-lo em ideologias e mantendo um nível técnico avançado.