Início » Brasil » Antes da Black Friday, preços sobem no Magalu, Americanas e Ricardo Eletro

Antes da Black Friday, preços sobem no Magalu, Americanas e Ricardo Eletro

Levantamento do Vigia de Preço mostra lojas que mais subiram ou baixaram preços nos últimos dias antes da Black Friday 2020

Felipe Ventura Por

É uma tradição anual: varejistas aumentam os preços algum tempo antes da Black Friday para poderem fazer ofertas pela metade do dobro. Um levantamento do Vigia de Preço indica que isso está acontecendo nas lojas online da Asus, JBL e Multilaser, além de plataformas de e-commerce como Americanas, Magazine Luiza e Ricardo Eletro.

Pagamentos online (Imagem: Pixabay)

Pagamentos online (Imagem: Pixabay)

O Vigia de Preço, mesma empresa que faz a extensão Assistente de Compras do Tecnoblog, preparou um ranking da Black Friday com as lojas que mais aumentaram ou baixaram preços nos últimos 30, 15 e 7 dias. A lista é feita com ferramentas automatizadas que monitoram 125 milhões de produtos em mais de 1.500 e-commerces no Brasil.

A partir disso, é calculada a proporção de produtos cujo preço aumentou (no intervalo de 1% a 5%, de 5% a 15%, ou acima de 15%), cujo preço diminuiu (de 1% a 10%, ou acima de 10%) e cujo valor se manteve estável (variou entre -1% e 1%). Você pode conferir o ranking neste link.

Lojas com altas de preço mais extremas

Primeiro, vamos considerar somente os aumentos extremos de preço (acima de 15%), assim como as quedas mais relevantes (acima de 10%).

Segundo o Vigia de Preço, quase 27% dos produtos vendidos na loja online da JBL ficaram mais caros nos últimos trinta dias; no caso da Asus, a proporção é de 25%. Enquanto isso, cerca de 12% dos itens na Ricardo Eletro, Americanas e Magalu tiveram forte aumento de preço, incluindo aí os vendedores do marketplace.

Estas são as lojas que tiveram mais produtos com altas variações de preço nos últimos 30 dias:

Quantos produtos tiveram alta de preço acima de 15%? Quantos produtos tiveram queda de preço acima de 10%?
JBL 26,7% 1,6%
Asus 25,2% 0,0%
Multilaser 18,7% 6,5%
Ricardo Eletro 12,6% 1,8%
Magazine Luiza 12,4% 2,6%
Americanas 12,3% 4,1%
Kabum 12,1% 3,8%
Girafa 11,2% 3,0%
Casas Bahia 10,5% 3,2%
Fast Shop 5,7% 5,0%
Submarino 4,3% 1,0%
Amazon 4,2% 1,4%

Lojas com mais aumentos (ou cortes) de preço

O ranking do Vigia de Preço destaca sites que tiveram variação superior a 1%, seja de alta ou de baixa. Levando em consideração esses números, a ordem muda um pouco, mas as Americanas, Magalu e Ricardo Eletro continuam liderando. De um jeito ou de outro, é bom ficar de olho e prestar atenção no histórico de preços para aproveitar a Black Friday.

Eis os principais destaques do ranking, considerando as variações entre -1% e 1% nos últimos 30 dias:

Quantos produtos aumentaram de preço? (mais que 1%) Quantos produtos baixaram de preço? (mais que 1%)
Asus 71% 7%
JBL 59% 2%
Americanas 41% 17%
Multilaser 38% 21%
Magazine Luiza 35% 26%
Ricardo Eletro 30% 15%
Amazon 30% 13%
Girafa 28% 19%
Kabum 28% 11%
Casas Bahia 22% 11%
Submarino 18% 4%
Fast Shop 17% 19%

Atualizado às 20h25: o texto foi modificado para se concentrar nas variações extremas de preço (alta superior a 15% ou queda maior que 10%), assim refletindo melhor a movimentação das lojas antes da Black Friday 2020.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
24 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

. (@Mr.Robot)

Eu sei que vai parecer clichê mas BF não existe no Brasil, o máximo é uma euforia dos lojistas com a desova de alguns produtos seguidos de algumas “promoções isca” pra atrair os clientes seja nas lojas físicas ou e-commerce

Caleb Enyawbruce (@Enyawbruce)

É bem dificil encontrar descontos reais, e quando se vê são de produtos encalhados ou de baixa qualidade.

Rafael César Neves (@rneves)

Magalu e Kabum estou acompanhando de perto, muitos produtos subiram, e muitos outros eles afirmam ser promoção onde não existe. Alguns desses casos até veiculados em propaganda de TV. Para os produtos que estou procurando não encontrei nenhuma promoção real ainda.

² (@centauro)

Black Friday, quando a metade do dobro é preço promocional.

Gabriel Lode (@Gabriel_Lode)

No BR é Black Fraude, Aumentasse 500,00 em cima do valor do produto e dá desconto de 250,00 Famoso “engana trouxa” cliente compra e não reclama, mas na hora de comprar na mercearia da esquina fica mendigando 1 real !!

Vitor (@Vitor_Silva)

Ainda bem que aproveitei o Dia do Solteiro da China,

@ksio89

E os parcos produtos realmente em promoção são poucos que conseguem comprar porque o servidor das lojas não aguenta a alta demanda, todo ano é a mesma coisa. Ou então fazem como a Kabum, que põe meia dúzia de unidades em promoção (e um contador fake), que esgota em segundos.

@ksio89

Acho que fazem isso porque a grande maioria dos consumidores não acompanha os preços e não acessa sites comparadores de preço, que costumam ter um histórico de preços, ou frequenta sites de promoção, onde os usuários fazem esse acompanhamento.

O que deve ter de desinformado que acredita no velho “de R$ X por R$ Y”, sendo que o produto nunca custou X reais, não está no gibi.

Roberto (@furutani)

O site só fornece porcentagens, deveria apresentar também a listagem dos produtos com valor anterior e atual.

imhotep (@imhotep)

Black Friday de verdade é em janeiro.

Douglas (@Basch)

E quando realmente é promoção de algo bom, tem 5 unidades a venda q esgotam em 3 segundos.

Matheus Moreno (@Matheusandyou)

Quero apenas a promoção de livros do início do mês, quer perdi por algumas horas. 30% de desconto no preço final dos livros.

@Rogerio.Neves

Estou chocado! Não pera…

Mendes (@dimenfer)

A Black Frauday nem começou ainda e o povo já está chorando, aliás, todo ano é o mesmo choro.

Reginaldo Ribeiro (@Reginaldo_Ribeiro)

JBL está vendendo a Link Music por 409 no boleto, a mesma estava 1200 até esses dias atrás.
Anos passado também pré BF comprei meu Note (americanas) e minha TV (submarino) com preços bem abaixo dos praticados e com cashback. É tudo questão de ficar atento nas coisas que vocês tem interesse

Exibir mais comentários