Início » Celular » iPhone 12 chega ao Brasil em até 30x sem juros ou com desconto de 12%

iPhone 12 chega ao Brasil em até 30x sem juros ou com desconto de 12%

iPhone 12, 12 Mini, 12 Pro e Pro Max têm preços a partir de R$ 6.999; veja parcelamento de preço e descontos à vista em lojas online

Felipe Ventura Por

O iPhone 12, 12 Mini, 12 Pro e Pro Max estão chegando aos clientes do Brasil a partir desta sexta-feira (20) após um período de pré-venda: os celulares da Apple têm preços a partir de R$ 6.999 e não incluem fone de ouvido nem carregador na caixa. Todos são compatíveis com o 5G DSS oferecido pela Claro, Vivo e TIM; eles podem ser adquiridos com desconto à vista ou em até 30 vezes sem juros em cartões de loja.

iPhone 12 Pro e Pro Max (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

iPhone 12 Pro e Pro Max (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Devido ao preço salgado, o iPhone 12 talvez exija um prazo mais longo que o tradicional parcelamento em doze vezes. No entanto, você só encontra condições de pagamento mais generosas se tiver o cartão da loja. O Tecnoblog reuniu algumas das varejistas que dividem em mais vezes:

  • 30 vezes sem juros: Casas Bahia, Ponto Frio, Magazine Luiza
  • 18 vezes sem juros: Extra online (ou 24x com juros de 1,99% ao mês)
  • 15 vezes sem juros: Submarino, Americanas, Shoptime (ou até 36x com juros de 0,99% ao mês)

Se você estiver com o dinheiro em mãos, pode pagar o iPhone 12 à vista com desconto de 12% em diversas lojas, incluindo Casas Bahia, Ponto Frio, Extra online e Fast Shop. No Submarino, Americanas e Shoptime, o cliente recebe o desconto de 12% mais cashback de 3% se pagar com a carteira Ame Digital.

iPhone 12 em 30 vezes sem juros no cartão da loja (Imagem: Reprodução/Casas Bahia)

iPhone 12 em 30 vezes sem juros no cartão da loja (Imagem: Reprodução/Casas Bahia)

Quanto custa iPhone 12 com carregador e fone?

O iPhone 12 brasileiro é, por enquanto, o mais caro do mundo, se levarmos em consideração os preços oficiais da Apple. E há algo de diferente este ano: eles vêm sem adaptador de tomada e sem fones de ouvido; o mesmo passou a ocorrer com o iPhone XR, SE e 11. (A Apple foi notificada pelo Procon-SP e Senacon por causa disso.)

O carregador de 20W com porta USB-C custa R$ 199 na Apple Store, mesmo preço do acessório de 5W com USB-A que acompanhava a maioria dos iPhones. Os EarPods, por sua vez, têm preço oficial de R$ 219. Se você quiser recriar o conteúdo antigo da caixa, precisa gastar R$ 7.400 no iPhone Mini.

Modelo Espaço Preço sugerido Preço com carregador e fone
iPhone 12 Mini 64 GB R$ 6.999 R$ 7.417
iPhone 12 64 GB R$ 7.999 R$ 8.417
iPhone 12 Pro 128 GB R$ 9.999 R$ 10.417
iPhone 12 Pro Max 128 GB R$ 10.999 R$ 11.417

Você consegue reaproveitar fones antigos se forem sem fio, se tiverem o conector Lightning, ou se você possuir o adaptador com entrada 3,5 mm (R$ 99 na loja da Apple). No caso do carregador, pode ser mais difícil: o iPhone 12 vem com cabo USB-C, mas os modelos anteriores vinham com o adaptador USB-A, com exceção do iPhone 11 Pro e Pro Max.

O Tecnoblog está com o iPhone 12, 12 Mini, 12 Pro e Pro Max para testes, e vamos publicar os reviews nas próximas semanas. O que você quer saber sobre eles?

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
20 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

J. Alves (@alves)

Antes esse parcelamento maior podia ser feito com cartões do grupo pão de açúcar em qualquer loja do grupo, cartão Extra no Ponto Frio por exemplo, mas mês passado fui fazer uma compra assim e o máximo era 12x sem juros.

² (@centauro)

Dois anos e meio pagando por um smartphone.
Dois. Anos. E. Meio.

Sem chance.

Juliano Pereira de Castro (@JulianoJPC)

Tem o cashback em dinheiro (e não crédito do AME) do m-----. Não sei se pode ser citado.

No Magazine Luiza tava com 6% na pré-venda de cash back, e aí compensava mais do que o combo com o ame, pq no final era dinheiro que vc poderia transferir.

Mesmo caro, iphone 12 pro max foi um sucesso, já que em muitas lojas já acabaram os estoques.

Gigo CAP (@GigoCAP)

Eu acho muito e não faria nem ferrando.

Mas se a pessoa garante que vai ficar esses 2 anos e meio com o celular, que ele vai durar todo esse tempo, mesmo com imprevistos… Por que não?

Juliano Pereira de Castro (@JulianoJPC)

Sobre o parcelamento. Se a pessoa não tiver o azar de ser furtada/roubada, o smartphone dura fácil dois anos e meio, ao menos em desempenho. E com certeza conseguirá mais em revenda do que qualquer android com um ano ou mais.

Gigo CAP (@GigoCAP)

Facilidade de crédito, mais opções de parcelamento (até consórcio pra pagar o smartphone)… isso ajuda bastante a vender.

Juliano Pereira de Castro (@JulianoJPC)

Sim, mas vc sabe que tudo isto aconteceu pq também era um iphone. Se fosse qualquer outro, duvido que estaria assim.

Juliano Pereira de Castro (@JulianoJPC)

Ah, eu estava esperando um review hoje, na data do fim da pré-venda.
Cadê, tecnoblog? rs

Leonardo Costa Porto dos Santos (@Leonardo_Porto)

Qual é o limite dos preços da Apple no Brasil? Ano após ano sobe, e vende.

Vinicius Vicentini (@ViniciusHVC)

A pessoa vai terminar de pagar no iPhone 15

gsctt (@gsctt)

Sobre os reviews dos novos iPhones, gostaria que focassem nos ganhos (ou nas perdas) com as novas baterias. A autonomia dos iPhones é questão de preocupação central dos consumidores da Apple. Além disso, seria interessante analisar eventuais ganhos nas imagens registradas com o auxílio do scanner LiDAR. Tenho dúvidas se não é só discurso, sem efeito prático.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

O mesmo de uma LV e qualquer outro artigo que faça parte do mercado de luxo.

Adriano Angelo (@Angelo)

Pegadinha: * 1ª Anuidade Titular: 12x R$ 11,90 (R$ 142,80)*

Gigo CAP (@GigoCAP)

Douglas, iPhone é artigo de luxo só no Brasil, meu caro. Comparar com LV é beeeeeeem deslocado da realidade.

Pra se ter ideia, minha cunhada vai pagar 30 dólares por mês no aparelho pela operadora dela.

E acrescento: Você não consegue parcelar uma bolsa da LV em 30x, pelo simples fato de que quem está nesse mercado de luxo, não precisa desse esforço das lojas e instituições financeiras.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

E nós estamos falando justamente do Brasil. Lá fora, é lá fora. Aqui ele é visto como um objetivo de desejo, uma experiência de consumo. E ele está inserido dentro do marcado de luxo, e não só pelo preço, mas posicionamento de marca.

Exibir mais comentários