Início » Brasil » Procon divulga lojas online para evitar na Black Friday 2020

Procon divulga lojas online para evitar na Black Friday 2020

Lista traz sites de e-commerces para se evitar ao comprar na internet; algumas dessas lojas prometem ofertas de Black Friday

Felipe Ventura Por

O Procon Estadual do Rio de Janeiro criou uma lista com sites que o consumidor deve evitar ao comprar na internet: são lojas que deixaram de entregar produtos, não responderam aos clientes e não prestaram esclarecimentos quando foram notificadas. A maioria delas já saiu do ar, mas o Tecnoblog reuniu os links que ainda estão funcionando — e alguns prometem ofertas para esta Black Friday.

Compra pela internet (Imagem: Rupixem,com / Unsplash)

Compra pela internet (Imagem: Rupixem,com / Unsplash)

Evite estes sites na Black Friday, avisa Procon

Em comunicado, o Procon-RJ explica que analisa diversos fatores para criar a lista de sites não-recomendados. Por exemplo, a empresa está entregando os produtos e serviços comprados? Ela responde às queixas do consumidor? Além disso, a autarquia confere se o estabelecimento possui cadastro ativo na Receita Federal, se está apta a emitir nota fiscal, e se o site inclui informações de contato, CNPJ e outros dados.

A lista completa, que você confere neste link, inclui exatamente 203 sites. O Tecnoblog consultou todos eles, e constatou que apenas 23 desse total — ou cerca de 11% — ainda estão ativos. E o mais preocupante: alguns deles anunciam ofertas para a Black Friday.

Estas são as 21 lojas denunciadas pelo Procon-RJ, que a entidade recomenda evitar:

  • www.ciadaslentes.com.br
  • www.cinderelaboutique.com
  • www.clubemundopechincha.com
  • www.coquelux.com.br
  • www.corpoperfeito.com.br
  • www.dvar.com.br
  • www.game7.com.br
  • www.livrariadoespirita.com.br
  • www.lojaboacomprastore.com
  • www.lojasguapore.com.br
  • www.lojaskd.com.br
  • www.lojazoom.com.br
  • www.loungedreams.com.br
  • www.netlens.com.br
  • www.nossorateiodeconcursos.com
  • www.originalsbr.com
  • www.outletpremier.com.br
  • www.redshopbrasil.com
  • www.ticketsrj.com
  • www.tremdeofertas.com.br
  • www.wcloset.com.br
Lojas da lista acima prometem ofertas de Black Friday (Imagem: Reprodução)

Lojas da lista acima prometem ofertas de Black Friday (Imagem: Reprodução)

A lista acima só tem 21 sites, mas há 23 endereços do Procon-RJ que ainda funcionam. É que existem duas exceções importantes:

  • lefone.com.br: esta loja de celulares em São Paulo encerrou as atividades em 2016, como é possível ver no Internet Archive; o endereço agora é usado por uma advogada de sobrenome Lefone que trabalha em Brasília. (Essa URL consta há alguns anos da lista do Procon-SP com lojas a evitar.)
  • maximaeletrodomesticos.com.br: trata-se de um caso semelhante. Em 2015, esse endereço levava a uma loja chamada Máxima Eletro, sediada em São Paulo; desde pelo menos 2017, ele é usado por uma empresa de Balneário Camboriú (SC) focada em consultoria e instalação de eletrodomésticos, que não faz vendas pelo site.

Como foi a Black Friday 2019?

Geralmente, é a Fundação Procon-SP que costuma divulgar as lojas online a se evitar, mas ela atualizou sua lista “Evite esses sites” pela última vez em março de 2020.

Felizmente, a entidade acompanhou a Black Friday no ano passado e reuniu as empresas mais reclamadas durante o período. Burger King e McDonald’s lideraram o ranking devido a problemas técnicos que impediam adquirir lanches a preços promocionais. Logo a seguir, temos a B2W, Via Varejo, Magazine Luiza, Carrefour e Mercado Livre.

Empresa Reclamações % do total
Burger King 40 10,4%
McDonald’s 40 10,4%
B2W* 37 9,6%
Via Varejo** 31 8,1%
Magazine Luiza 20 5,2%
Carrefour 16 4,2%
Mercado Livre 9 2,6%

*inclui Americanas (física e online), Submarino, Shoptime e Sou Barato

**inclui Casas Bahia, Ponto Frio e Extra online

E estes são os principais motivos de queixas, com destaque para produto indisponível, maquiagem de preço (metade do dobro) e mudança de preço no carrinho:

Problema Quantidade % do total
Produto e/ou serviço indisponível 111 28,9%
Maquiagem de desconto (desconto oferecido sobre o preço do produto e/ou serviço não é real) 88 22,9%
Mudança de preço ao finalizar a compra 81 21,1%
Pedido cancelado após finalização da compra 34 8,9%
Site intermitente, congestionado e/ou página bloqueada 30 7,8%
Não entrega/demora na entrega 26 6,8%

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
9 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Igor (@igor_meloil)

Lojas a serem evitas: toda e qualquer loja q aumentou preço nos últimos dias pra fingir promoção na sexta feira, vulgo, todas.