Início » Brasil » Hacker de 19 anos é preso em Portugal por ataque ao TSE

Hacker de 19 anos é preso em Portugal por ataque ao TSE

Após ataque ao sistema do TSE, polícia Federal também cumpriu mandados de busca e apreensão em São Paulo e Minas Gerais

Victor Hugo SilvaPor

Um hacker de 19 anos foi preso no sábado (28) por ter realizado um ataque ao sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) durante o primeiro turno das Eleições 2020. A ação expôs dados de servidores públicos e não afetou a apuração. A prisão foi realizada por meio de uma operação entre a Polícia Federal e a Polícia Judiciária Portuguesa.

Urna eletrônica para eleições 2020 (Imagem: Antonio Augusto/Ascom/TSE)

Urna eletrônica para eleições 2020 (Imagem: Antonio Augusto/Ascom/TSE)

A PF afirma que o ataque ao sistema do TSE foi feito por um grupo de hackers do Brasil e de Portugal. Em 15 de novembro, dia do primeiro turno das eleições municipais, o TSE informou que as investigações sobre o vazamento de dados apontavam que a ação foi realizada com endereços IP de Portugal.

Segundo o Estadão, o hacker preso em Portugal é conhecido como Zambrius. Ele foi detido pela primeira vez em 2017 e, este ano, já havia sido preso em abril, em ambos os casos por crimes cibernéticos. Ao jornal, ele afirmou que pretendia demonstrar que o sistema do TSE seguia vulnerável mesmo depois do órgão anunciar ter reforçado a segurança.

Além da prisão de Zambrius, a PF cumpriu no Brasil três mandados de busca e apreensão e três medidas cautelares que proíbem o contato entre investigados em São Paulo e Minas Gerais. Os policiais também cumpriram um mandado de busca e apreensão em Portugal. A operação entre autoridades dos dois países acontece pela operação Exploit.

A PF ainda analisa outras atividades criminosas por integrantes do grupo de hackers. Eles poderão ser julgados pelos crimes de invasão de dispositivo informático e de associação criminosa, previstos no Código Penal, além de outros crimes presentes no Código Eleitoral e na Lei das Eleições.

TSE identificou ataque DDoS no 1º turno

O TSE também registrou um ataque DDoS nas horas iniciais do primeiro turno das Eleições 2020. Na ocasião, o órgão indicou que a ação teria sido realizada a partir de computadores no Brasil, nos Estados Unidos e na Nova Zelândia. O objetivo era deixar o site e serviços do TSE indisponíveis, mas, segundo o órgão, o ataque não foi bem-sucedido.

O presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, afirmou no domingo (29) que o tribunal não registrou ataques bem-sucedidos aos sistemas no segundo turno das Eleições 2020. Segundo ele, as barreiras de segurança foram reforçadas para a votação nas cidades que ainda não tinham definido o prefeito.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
8 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Darllan Marinho (@Darllan_Marinho)

O ataque DDoS foi bem sucedido sim, durante todo o dia das eleições, não era possível consultar informações no site e no app do e-Título, sempre dava erro de serviço indisponível, inclusive para quem queria justificar ausência. Somente depois de algumas horas é que o TSE liberou um bot no WhatsApp para consultas e esse funcionou, provavelmente foi um servidor separado ao que estava recebendo os ataques.

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

Não sei se me admiro que a policia identificou um hacker muito bom que foi capaz de superar os sistemas de segurança do TSE ou se me preocupo do TSE ter sido invadido por um hacker que não foi capaz nem de ocultar a sua identidade.

Lucas Jesus (@LucasJesus)

Mas isso foi DDoS? Ou muita gente mesmo tentando acessar?

@ksio89

Hacker bem nutella, hein? Pelo visto não usou VPN, proxy, Tor ou alguma outra ferramenta que anonimizasse o usuário.

Darllan Marinho (@Darllan_Marinho)

7h da manhã já não dava para acessar os serviços, impossível a essa hora ter algum fluxo elevado de acessos.

Jedielson (@Jedielson)

Mas o objetivo do DDoS é derrubar o serviço, o que acontece é que provavelmente eles bloquearam todas as requisições e liberaram somente as requisições internas pra não deixar as eleições desassistidas. O objetivo era atrapalhar as eleições, acho que falharam.

Darllan Marinho (@Darllan_Marinho)

Sim, o objetivo de DDoS é derrubar, mas, também sobrecarregar sistemas e afetar a disponibilidade. O ataque sobrecarregou e não estava sendo possível o uso do e-Título, nenhuma consulta de local de votação, justificativa, entre outros, estava funcionando. No site do TSE, problema também, as consultas não retornavam resultados, ficava carregando eternamente. Esse é um efeito de um ataque DDoS.

Luander Falqueto Beltrame (@LuanderFB)

Acho que infelizmente é a segunda opção.

Águia Solitária (@LonelyEagle)

Pegaram o “hacker” pelo IP dele? Sério isso?