Início » Celular » iPhone 12 Pro Max vs Galaxy S20 Ultra; qual é o melhor?

iPhone 12 Pro Max vs Galaxy S20 Ultra; qual é o melhor?

Descubra qual celular entrega melhor ficha técnica e recursos neste comparativo entre iPhone 12 Pro Max e Galaxy S20 Ultra

Ana MarquesPor
TB Responde

O iPhone 12 Pro Max e o Galaxy S20 Ultra são dois dos smartphones mais poderosos lançados em 2020. O celular da Apple é mais recente – teve lançamento em outubro e tem suporte a 5G. Já o telefone da Samsung foi anunciado em fevereiro, e já sofreu redução de preço ao longo dos últimos meses.

Ambos os modelos prometem satisfazer as necessidades de que é “Pro” com câmeras de última geração, desempenho ultrarrápido e design elegante. Mas qual deles é o melhor para você? Antes de decidir, leia o comparativo que preparamos.

iPhone 12 Pro Max vs Galaxy S20 Ultra

iPhone 12 Pro Max vs Galaxy S20 Ultra (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Preço: você pode escolher entre o caro e o muito mais caro

Vamos começar logo com o que mais dói: o preço desses smartphones. O Galaxy S20 Ultra chegou ao Brasil por a partir de R$ 7.999. Atualmente, quase um ano após o lançamento no mercado nacional, ele é encontrado por R$ 7.499 à prazo na loja oficial da Samsung (versão com 128 GB).

Achou caro? Pois o iPhone 12 Pro Max vai além. Ele chega por a partir de R$ 10.999 na versão de 128 GB. Veja a seguir a tabela de preços completa:

128 GB256 GB512 GB
Galaxy S20 UltraR$ 7.499R$ 8.499
iPhone 12 Pro MaxR$ 10.999R$ 11.999R$ 13.999

Design e construção: elegantes a seu próprio modo

Enquanto a Samsung continuou apostando em molduras arredondadas e em um visual sóbrio, a Apple trouxe de volta a moldura achatada metálica dos iPhones antigos.

O iPhone 12 Pro Max é bem grande, mas não tanto quanto o Galaxy S20 Ultra. No entanto, o celular da Apple é o que mais pesa no bolso.

Veja as dimensões abaixo:

DimensõesPeso
Galaxy S20 Ultra166,9 x 76 x 8,8 mm220 gramas
iPhone 12 Pro Max160,8 x 78,1 x 7,4 mm226 gramas

Quanto às cores, o iPhone 12 Pro Max é o modelo que oferece mais opções: prata, grafite, dourado e azul-pacífico. O S20 Ultra chegou ao Brasil apenas na cor preta.

Ambos são resistentes à água e poeira (IP68) e nenhum deles conta com entrada P2 (3,5 mm). O smartphone da Apple conta com a proteção Ceramic Shield na tela, o que promete entregar 4 vezes mais resistência em relação à geração anterior. Já o telefone da Samsung tem o Gorilla Glass 6 para evitar arranhões acidentais.

Samsung Galaxy S20, S20+ e S20 Ultra - Hands-on

Galaxy S20 Ultra (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Tela de 120 Hz só no Galaxy S20 Ultra

Não foi dessa vez que a Apple lançou seu primeiro iPhone com taxa de atualização acima do padrão. A tela Super Retina XDR do iPhone 12 Pro Max mantém os 60 Hz, enquanto o display AMOLED Dinâmico do Galaxy S20 Ultra trouxe 120 Hz para maior fluidez gráfica.

O ponto negativo é o alto consumo energético dessa tecnologia. Parafraseando Paulo Higa, a tela de 120 Hz “bebe a bateria do S20 Ultra de canudinho”. Nesse modelo, a Samsung ainda não tinha adotado o display com taxa de atualização variável (que veio posteriormente no Note 20 Ultra).

Nos tamanhos, temos gigantes 6,9” para o S20 Ultra e 6,7” para o iPhone 12 Pro Max.

iPhone 12 Pro Max (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

iPhone 12 Pro Max (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Desempenho

Apesar de os dois celulares serem incrivelmente rápidos, a Apple tem o grande trunfo: o processador A14 Bionic, fabricado em processo de 5 nanômetros. Ele é tecnicamente superior ao Exynos 990 presente no S20 Ultra brasileiro, proporcionando maior desempenho e melhor eficiência energética.

Junte isso à toda a fluidez do iOS (que chega já na versão 14.1) e temos aqui uma velocidade absurda para rodar até mesmo os programas mais exigentes sem qualquer problema.

O S20 Ultra, por sua vez, não decepciona. Ele recebeu nota 10 em todas as categorias durante os testes do Tecnoblog. Para quem prefere o sistema Android, é sem dúvida uma excelente escolha.

Se você estava ansioso pelas especificações, vamos a elas:

ProcessadorArmazenamento + RAM
Galaxy S20 UltraExynos 990 (7 nm)
  • 128 GB + 12 GB
  • 512 + 16 GB
iPhone 12 Pro MaxA14 Bionic (5 nm)
  • 128 GB + 6 GB
  • 256 GB + 6 GB
  • 512 GB + 6 GB

Câmeras para profissionais

Esse é o principal quesito que diferencia os smartphones. Com câmeras espetaculares, Apple e Samsung disputam a preferência do usuário profissional em seus telefones avançados.

Enquanto a sul-coreana traz o sensor principal de 108 megapixels e consegue atingir zoom híbrido de até 10x com sua teleobjetiva periscópica, a marca da maçã faz mágica em pós-processamento com números “convencionais”.

As especificações de câmeras são as seguintes:

Câmera traseiraCâmera frontalVídeos
Galaxy S20 Ultra108 MP (f/1,8) + 12 MP (f/2,2) + 48 MP (f/3,5) + VGA (f/1,0)40 MP (f/2,2)8K @ 24 fps

4K @ 60 fps

iPhone 12 Pro Max12 MP (f/1,6) + 12 MP (f/2,4) + 12 MP (f/2,2).12 MP (f/2,2)4K @ 60 fps

No geral, os dois celulares entregam fotos e vídeos de altíssima qualidade, mas a Apple sai na frente com os resultados finais mais consistentes em todos os quesitos. Sem contar que para quem é apaixonado pelo Instagram, a otimização do app para iOS é um ponto importante. Atualmente, já é possível usar a câmera ultrawide dentro da rede social (algo que ainda não está disponível para Android).

Foto tirada com a câmera traseira principal do iPhone 12 Pro Max (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera traseira principal do iPhone 12 Pro Max (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

A Apple também se destaca com o modo Apple ProRAW, que combina atributos do formato RAW com recursos de fotografia computacional da Apple no iPhone 12 Pro para entregar imagens ainda mais detalhadas.

Por fim, o scanner LiDAR proporciona foco mais rápido em condições de pouca luz e retratos com modo Noite. A Samsung conta com um sensor ToF para mapeamento de profundidade.

Galaxy S20 Ultra: modo noturno

Galaxy S20 Ultra: modo noturno (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Bateria para um dia inteiro

Sim, a Apple diminuiu a capacidade de carga do iPhone e entregou um produto ligeiramente mais fino. Mas essa redução não foi o suficiente para acabar com a boa autonomia do modelo. Apesar de ter a maior tela da linha, o iPhone 12 Pro Max deve ser capaz de resistir a uma jornada de trabalho, chegando ao fim do dia com fôlego para que você encontre o carregador com calma.

Do outro lado do ringue, o Galaxy S20 Ultra traz seus 5.000 mAh, que também resistiu bravamente aos nossos testes, sugerindo capacidade para chegar ao segundo dia longe das tomadas com uso mais contido.

Cabe lembrar que o iPhone 12 Pro Max não vem com carregador na caixa. Caso você não tenha mais o seu antigo, terá que desembolsar um valor extra para comprar o adaptador de parede separadamente. O celular é compatível com carregamento rápido de até 20 W.

iPhone 12 Pro e carregador homologado pela Anatel (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

iPhone 12 Pro e carregador homologado pela Anatel (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O S20 Ultra ainda é vendido com carregador e tem suporte a carregamento rápido de 45 W.

Ambos podem ser carregados por indução. O iPhone 12 Pro Max é compatível com o MagSafe, e com ele carrega mais rápido (15 W). O S20 Ultra também suporta carregamento rápido no padrão Qi (15 W).

Recursos extras: 5G, leitor de digitais

O 5G ainda é uma tecnologia incipiente no Brasil, mas para quem busca um iPhone para durar, talvez valha considerar a linha iPhone 12 por conta da compatibilidade com a quinta geração de redes móveis.

No exterior, a Samsung até tem uma versão do S20 Ultra com 5G, mas ela não chegou ao mercado nacional.

E para finalizar, quem optar pelo iPhone terá que se contentar com o Face ID para desbloqueio de tela e autenticação, nada de sensor de digitais sob o display. No Galaxy S20 Ultra, o leitor é ultrassônico, fica sob o painel e oferece desbloqueio rápido.

Samsung Galaxy S20 Ultra

Galaxy S20 Ultra (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

iPhone 12 Pro Max vs Galaxy S20 Ultra: qual é o melhor celular

No geral, mesmo sem apresentar grandes inovações em relação à geração anterior, o iPhone 12 Pro Max é o vencedor do comparativo. Destinado especialmente a profissionais que trabalham com foto e vídeo, esse smartphone entrega ótimo processamento gráfico e uma CPU poderosa. O iOS é sempre um destaque por sua fluidez, e na versão 14, ele está mais flexível (com direito a widgets na Tela Inicial!).

Ainda assim, o Galaxy S20 Ultra é um smartphone impecável para o ecossistema Android. Seu hardware entrega potência mais do que necessária para executar aplicativos pesados e a bateria consegue uma autonomia invejável (se a tela estiver em 60 Hz).

No fim, depende do sistema que você prefere e quanto está disposto a pagar. Cabe lembrar que, nas duas linhas, é possível encontrar outros modelos mais baratos com recursos similares.

Caso tudo o que discutimos aqui seja um pouco demais para você (ou para o seu orçamento), vale ficar de olho nas versões menos caras desses produtos.

E é claro – para mais detalhes sobre esses smartphones, é só conferir o review completo de cada um aqui no Tecnoblog.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
6 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Gustavo Cardoso (@Gustavo_Cardoso)

Eu acho que no início da era dos celulares com tela sensível ao toque o iPhone realmente oferecia uma grande vantagem e um diferencial competitivo frente aos concorrentes da época. Hoje em dia, os celulares são muito parecidos, os recursos são praticamente os mesmos. Você vai pagar R$ 5.500 a mais num iPhone pra postar foto ultrawide no Instagram??? rs não faz sentido algum! Faltou contra balancear o suposto “vencedor” com o preço e os recursos que ele oferece em relação à concorrência. Hoje em dia, sinceramente, a pessoa só compra iPhone pra aparecer! É um celular de grife! É só isso! As sinapses estimuladas para os adoradores de iPhones são as mesmas relacionadas a pessoas que participam de uma seita… não dá pra discutir! A pessoa realmente acredita que aquilo ali que ela tá comprando não tem NADA igual… mas, se você analisar de perto, ela está pagando muito caro, por MUITO POUCO de fato. Enfim, cada um faz o que quiser com seu dinheiro, só achei esse comparativo muito tendencioso e faltou contra balancear toda essa “suposta” superioridade do iPhone em relação ao Galaxy com o seu custo estratosférico. IMHO

Igor Nagase (@nagasedesu1)

O que tem a melhor câmera, o que vai valorizar o meu dinheiro daqui a 4 anos na venda, o que vai me dar atualização com novidades do sistema por 5 anos, o que tem os aplicativos mais bem feitos pra smartphone, o que tem a melhor bateria ( mesmo tendo menos mAh) e o que não vai ficar dando engasgos daqui a 3 anos. iPhone 12 Pro Max. Ah, e não podemos esquecer da melhor otimização entre Hardware e Software.

Galaxy S6 esquecido no churrasco que ngm compra nem por 1800 reais.
Iphone 6S lançado na mesma época intacto e recebendo suporte e o povo comprando por mais de 2k.

Queres usuários Galaxy?

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

O iPhone foi uma revolução, mudou e moldou hábitos ao longo da década. O próprio Steve Jobs disse que poucas empresas conseguem revolucionar o mercado, e conseguir esse feito uma vez já é o incrível, porém a Apple fez isso algumas vezes, com; o Mac (não sejam puristas no nome), iPod, iPhone, App Store. O que veio a seguir não necessariamente mudou a indústria, mas popularizou tendências, a exemplo do: iPad, MacBook Air, Apple Watch, AirPods.

Olhando o mercado hoje, o iPhone é equivalente ao que de melhor a concorrência entrega. Isso significa que a concorrência soube se diferenciar e evoluir em aspectos que a Apple não considera relevantes. E que bom, o mercado de smartphones nunca teve tanta concorrência, e o consumidor boas opções. É realmente difícil hoje em dia comprar um smartphone ruim (vou deixar de fora desse meu comentário, aparelhos intermediários para baixo, por desconhecimento de causa).

Para mim fica claro que não se trata de qual tem as melhores specs, por ser relativo quando se compara Android com iOS. Eu sei que tem muita gente que leva em conta o preço na hora de comprar, porém preço é diferente de valor, e para algumas pessoas, o valor que entrega, equilibra o preço, e os motivos são os mais variados.

Será mesmo? Pode até existirem casos assim, e não duvido. Porém discordo que pessoas que compram iPhone e Apple em geral, o fazem para se aparecer. E voltamos ao básico, tudo depende de contexto.

Sério mesmo, não tive esse impressão. Achei que foram bem pontuais.

² (@centauro)

E parece que as sinapses estimuladas para as pessoas que odeiam o iPhone são as mesmas relacionadas a pessoas que participam de uma seita… não dá pra discutir!

Provavelmente isso é mais comum em países onde a diferença de preço entre o iPhone e Androids topo de linha são bem mais pronunciados, como no Brasil.
iPhone é um produto de luxo por aqui (e acho que você já chegou a falar isso por aqui, ou não, sei lá) então no meio das pessoas que compram porque acham o ecossistema Apple melhor, deve ter uma proporção não insignificante de pessoas que compram pelo posicionamento da marca no mercado brasileiro mesmo.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Sim. Porém é um artigo de luxo, dentro de um contexto de tecnologia. Você olha um Apple, e sabe que é um Apple. Você olha um Samsung e não sabe se ele é intermediário ou top de linha, isso quando não é tão genérico a ponto de ter outros 2 chineses iguais.

Mesmo nos Estados Unidos a Apple é conhecida como uma empresa premium, porém nos produtos que ela depende, os preços são acessíveis e em outros ela coloca lá nas alturas para manter esse status. O MKBHD chegou a comentar isso com as rodinhas do Mac Pro.

O iPhone é um artigo de luxo, mas na minha opinião ele não confere status, como algumas pessoas gostam de dizer. Aí que entra o contexto. Para quem não tem condições, ter um iPhone pode ser visto como uma forma de se destacar dos demais, mas quando essa pessoa vai para outra bolha, onde um Apple é comum, esse suposto status desaparece e fica apenas o renome da marca.

² (@centauro)

Sim, sem dúvida.
Mas eu acho que a maioria das pessoas que falam sobre “iPhone dar status” pensa no cenário onde uma pessoa compra e se torna a única pessoa no seu círculo social a ter um iPhone.