Início » Finanças » Bitcoin chega a US$ 20 mil; valor de mercado é de US$ 380 bilhões

Bitcoin chega a US$ 20 mil; valor de mercado é de US$ 380 bilhões

Bitcoin (BTC) passa por valorização em dólar e real; criptomoeda atrai interesse de investidores e de empresas como o PayPal

Felipe VenturaPor

Demorou um pouco mais do que eu esperava, mas aconteceu: o bitcoin (BTC) atingiu uma alta histórica de US$ 20 mil. A criptomoeda está passando por uma valorização notável neste final de ano, puxada pelo interesse renovado de empresas como o PayPal e de investidores buscando alternativas.

Bitcoin (Imagem: antana/Flickr)

Bitcoin (Imagem: antana/Flickr)

Quando o bitcoin ultrapassou US$ 15 mil pela primeira vez, no final de 2017, eu perguntei: “a gente se vê nos US$ 20 mil, então?”. Três anos depois, estou de volta para este novo marco; a criptomoeda agora tem valor de mercado de US$ 383 bilhões, segundo o CoinMarketCap.

O bitcoin valorizou cerca de 187% desde o início deste ano, considerando o valor em dólar. No caso do real, a alta surpreende ainda mais: aproximadamente 256% no mesmo período. Em novembro, a criptomoeda já havia quebrado outro recorde: passou a valer mais de R$ 100 mil, em parte devido à valorização do dólar.

Vale notar que outros criptoativos vêm seguindo a alta do bitcoin, mas estão longe de atingir seus picos históricos do final de 2017 e início de 2018: é o caso do ether (ETH, da blockchainethereum), além do ripple (XRP), litecoin (LTC) e Bitcoin Cash (BCH).

Por que preço do bitcoin subiu?

Bitcoin ultrapassa os 20 mil dólares (Imagem: Reprodução/CoinMarketCap)

Bitcoin ultrapassa os 20 mil dólares (Imagem: Reprodução/CoinMarketCap)

Como explica o TechCrunch, alguns investidores institucionais — que gerenciam patrimônios milionários — estão procurando alternativas para aplicar dinheiro, incluindo o bitcoin, e isso pode estar puxando a alta que vemos agora.

Além disso, aplicativos para consumidores vêm adotando suporte ao bitcoin neste ano: isso inclui a Square, fintech fundada por Jack Dorsey (sim, o CEO do Twitter). O Cash App, que pertence à empresa, permite comprar e vender a criptomoeda, assim como o PayPal nos EUA.

Segundo um relatório do fundo de investimento Pantera Capital, especializado em blockchain, o PayPal e o Cash App estão adquirindo o equivalente a todos os bitcoins sendo emitidos atualmente. (Vale lembrar que as criptomoedas precisam ser mineradas ao resolver problemas matemáticos complexos.)

Além disso, a Square anunciou em outubro um investimento de US$ 50 milhões em bitcoins. E a empresa de software MicroStrategy planeja levantar US$ 400 milhões com investidores para comprar a criptomoeda.

Será que o bitcoin vai ultrapassar os US$ 25 mil em algum momento?

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
4 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Eu (@Keaton)

Caraca… e diziam que a bolha iria estourar…

@Banana_Phone

Ué, mas estourou e ainda pode estourar novamente.
Assim como a bolha da internet estourou mas a Internet não acabou. O bitcoin continua sendo uma moeda especulativa, poucas pessoas realmente usam ela como moeda de fato.

Tech Nerd 🤓 (@technerd)

Eu me lembro do Mobilon falando do bitcoin nos tecnocasts passados. hehehehe

Gente, comprem Bitcoin todo mês sem olhar cotação. Abraço!

Tech Nerd 🤓 (@technerd)

Você já parou para pensar que a maior utilidade do Bitcoin pode não ser moeda e sim reserva de valor?

Você não usa ações, ouro ou um apartamento para comprar pão, mas pode vender esses ativos e comprar o que quiser com o dinheiro. É assim que eu vejo o bitcoin, uma reserva de valor frente aos BCs que insistem em desvalorizar as moedas. Só em 2020 o balanço do FED passou de 4 trilhões para 7 trilhões de dólares. Já o Bitcoin é limitado em 21 milhões de unidades, várias dessas já foram perdidas e sua oferta fica cada vez mais escassa.

Qualquer quedinha de 15% no SPX (referência para o mercado acionário americano) já faz o banco central injetar centenas de bilhões de dólares na economia. Um sinal claro de que tem algo errado são os juros negativos que a maioria dos países ricos consegue graças ao excesso de liquidez. O número de “empresas zumbi” empresas que não geram lucro é o maior da história e em algum momento a conta vai chegar.

image1168×445 55.4 KB