Início » Celular » Xiaomi Mi 11 tem mesmo preço com ou sem carregador na caixa

Xiaomi Mi 11 tem mesmo preço com ou sem carregador na caixa

Carregador de Xiaomi Mi 11 será opcional na China; celular tem o mesmo preço com ou sem o adaptador de tomada na caixa

Bruno Gall De Blasi Por

A Xiaomi irá comercializar o Xiaomi Mi 11 com o carregador opcional. Segundo a marca chinesa nesta segunda-feira (28), o seu novo celular terá o mesmo valor com ou sem carregador de 55 watts em conjunto. Na China, o preço sugerido do smartphone começa em 3.999 iuanes (cerca R$ 3.185 em conversão direta).

Xiaomi Mi 11 (Imagem: Divulgação/Xiaomi)

Xiaomi Mi 11 (Imagem: Divulgação/Xiaomi)

Assim como a Apple, a Xiaomi passará a não incluir o carregador na caixa de seus celulares como um esforço para preservar o meio ambiente. Mas, ao contrário da marca norte-americana, o consumidor poderá levar para casa, também, o acessório de 55 watts com nitreto de gálio (GaN), caso seja de sua vontade e sem custo adicional.

O preço, no entanto, continuará o mesmo, com ou sem o item. Isto significa que, caso seja adquirido o Mi 11 intermediário sem o carregador, será cobrado o mesmo valor de 4.299 iuanes (cerca R$ 3.425 em conversão direta) pelo celular. Segundo o XDA-Developers, o valor do acessório gira em torno de 100 iuanes (R$ 80).

“Com os esforços de proteção ambiental em mente, a versão padrão do Mi 11 na China Continental não será mais equipada com um carregador na caixa, enquanto a versão em pacote virá com um carregador separado de 55W GaN”, anunciaram. “Ambas as versões são oferecidas com o mesmo preço, permitindo que os usuários comprem com base em suas necessidades”.

A alteração na forma como o acessório é fornecido chega após reações da marca chinesa em relação à remoção do carregador da caixa do iPhone. Em outubro, por exemplo, a Xiaomi publicou um tweet onde dizia “não se preocupe, não deixamos nada fora da caixa com o Mi 10T Pro”, seguido de um vídeo apresentando a caixa do celular com um adaptador de tomada dentro.

A conta da Xiaomi Brasil também se manifestou sobre o assunto, na época. “Carregador rápido de 33w incluso. Na caixa”, dizia um tweet sobre o Redmi Note 9 Pro publicado também em outubro. “A gente só não coloca dois, pois vocês mal precisam usar um né?!”, respondeu a companhia a um usuário do Twitter em seu perfil brasileiro.

Tweet da Xiaomi (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)

Tweet da Xiaomi (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)

Xiaomi Mi 11 tem Qualcomm Snapdragon 888

O Xiaomi Mi 11 é o mais novo celular da fabricante chinesa. Sucessor do Xiaomi Mi 10, o smartphone possui tela com taxa de atualização de 120 Hz, câmera tripla de 108 megapixels, bateria de 4.600 mAh e é o primeiro a trazer o processador Qualcomm Snapdragon 888.

Na China, os preços do smartphone começam em 3.999 iuanes (cerca R$ 3.185 em conversão direta), para a edição com 8 GB de memória RAM e 128 GB de armazenamento, e vão até 4.699 iuanes (R$ 3.740), com 12 GB de RAM e 256 GB de espaço. Não há previsão de lançamento do Xiaomi Mi 11 no Brasil.

Com informações: Xiaomi (Blog), Xiaomi (Twitter: 1, 2 e 3) e XDA-Developers

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
8 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Gustavo Cardoso (@Gustavo_Cardoso)

Bom, parece-me a solução mais respeitosa com o consumidor e, ao mesmo tempo, com o meio ambiente também. Eu acho que essa sim deveria ser a postura correta a ser seguida pelas fabricantes de celulares.

Jacques (@fioda)

Cada celular novo que tá sendo lançado está vindo com uma tecnologia de carregamento mais rápido.

Esses carregadores mais parrudos e novos custam bem mais caros, não vejo sentido nisso em não colocar na caixa dos tops de linha.

Agora, pros celulares de entrada e mais acessíveis, talvez vender sem carregador possa ser uma opção interessante pra reduzir custo, o que for fora disso é apenas conversa pra boi dormir

Mickey Sigrist (@Mickey)

Concordo. Se o produto usa como material de marketing sua tecnologia de carregamento rápido e que, por consequência, depende de um carregador mais potente para funcionar, então a empresa deveria sim fornecer o acessório. Para aparelhos de entrada e/ou sem a tecnologia de carregamento rápido, a política poderia ser diferente, contanto que reflita proporcionalmente no preço final.