Início » Gadgets » Moto G9 Power: bateria gigante e tela maior ainda

Moto G9 Power: bateria gigante e tela maior ainda

Celular da Motorola focado em bateria tem 6.000 mAh, tela de 6,8 polegadas e cumpre o papel de um aparelho de gama média

Paulo HigaPor
Nota Final8.3
Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Seguindo a tradição, a Motorola lançou um novo celular intermediário para quem não quer ficar se preocupando com bateria. O Moto G9 Power tem 6.000 mAh, promessa de 60 horas de autonomia e uma telona de 6,8 polegadas. Ele compartilha muitos detalhes com o Moto G9 Play, mas traz o dobro de armazenamento e uma câmera de maior resolução.

Com preço de lançamento de R$ 1.899, o lançamento da Motorola é equipado com Snapdragon 662, câmera de 64 megapixels com modo de visão noturna e, claro, um carregador incluso na caixa. Mas será que a bateria dura mesmo? E o desempenho, como é? Eu usei o Moto G9 Power como meu smartphone principal nas últimas semanas e conto minhas impressões neste review.

Análise do Moto G9 Power em vídeo

Aviso de ética

O Tecnoblog é um veículo jornalístico independente de tecnologia que ajuda as pessoas a tomarem sua próxima decisão de compra desde 2005. Nossas análises de produtos são opinativas e não possuem nenhuma intenção publicitária. Por isso, sempre destacamos de forma transparente os pontos positivos e negativos de cada produto.

Nenhuma empresa, fabricante ou loja pagou ao Tecnoblog para produzir este conteúdo. Nossos reviews não são revisados nem aprovados por agentes externos. O Moto G9 Power foi fornecido pela Motorola por empréstimo. O produto será devolvido à empresa após os testes.

Design e tela

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O Moto G9 Power é um celular gigante, mesmo para quem está acostumado com telas grandes: antes dele, o último celular que havia analisado era o iPhone 12 Pro Max. A Motorola não economizou no tamanho do painel LCD, de 6,8 polegadas, nem na espessura de quase 10 mm para abrigar a bateria enorme de 6.000 mAh. O peso de 221 gramas também é sentido no bolso da calça a todo momento.

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Em vez de trazer um plástico transparente que tenta imitar vidro, como nos outros modelos da linha, o Moto G9 Power possui uma traseira de plástico texturizado com linhas e curvas que refletem a luz de uma forma peculiar. A aderência não é das melhores, mas a capinha que acompanha o produto mantém o smartphone seguro nas mãos. Também é na traseira que está o leitor de impressões digitais, rápido e preciso, sem surpresas.

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

A tela do Moto G9 Power é bem alta, com proporção 20,5:9 e bordas padrões na categoria, que não são muito finas e trazem um queixo para quebrar a simetria do design. Ela só é interrompida por um pequeno furo no canto superior esquerdo para a câmera de selfie de 16 megapixels.

A qualidade de imagem é razoável. O brilho não é dos mais fortes, mas permite uma visualização satisfatória mesmo sob a luz do sol. Já o nível de preto está dentro do que se espera para um painel IPS, mas decepciona um pouco quando se olha para as telas AMOLED que a concorrência vem adotando nos aparelhos intermediários.

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Além disso, a resolução de 1640×720 pixels (ou seja, HD+) pode incomodar em um visor tão grande, ainda mais considerando que não é difícil encontrar celulares com telas 1080p na mesma faixa de preço, como o Samsung Galaxy M31. Lembro também que o Moto G8 Power, antecessor lançado no Brasil em março de 2020, tinha uma tela Full HD+, então houve uma baixa importante entre gerações.

Software

De fábrica, o Moto G9 Power roda o Android 10 com a mesma interface dos outros aparelhos da marca, com o pacote do Google e algumas ferramentas da própria Motorola pré-instalados, como a vitrine App Box, a comunidade Hello You e o tradicional aplicativo Moto, que reúne funções como os gestos para ligar a câmera, o editor de captura de tela e uma opção para trocar os ícones e as fontes do sistema.

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Embora o Android da Motorola me agrade, é uma pena que a empresa tenha perdido uma de suas antigas forças, que eram as promessas de atualizações rápidas mesmo na linha Moto G. Segundo a Motorola, o Moto G9 Power receberá o Android 11 nos próximos meses, mas alguns smartphones relativamente recentes ficarão de fora da festa, como o Moto G8 Plus, lançado há um ano, no final de 2019.

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Em regra, a Motorola só está liberando uma atualização de versão de Android para o Moto G. Por isso, é bom nem procurar saber quais serão as novidades do Android 12, porque você provavelmente terá que comprar outro aparelho para experimentá-las. Torço para que isso mude.

Câmeras

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Continuando com a tendência de múltiplas lentes, o Moto G9 Power reúne três câmeras na traseira. Quero dizer, mais ou menos: o sensor principal tem resolução de 64 megapixels e acompanha uma lente com abertura de f/1,7 que cria boas expectativas, mas o resto do conjunto é formado por um sensor de profundidade e uma câmera macro de 2 megapixels que já foram muito criticados pela baixa qualidade. Eu comento mais sobre isso, mas adianto que não houve muitas mudanças no cenário.

A câmera principal tira boas fotos para um celular intermediário. Quando a iluminação está favorável, o alcance dinâmico é satisfatório, o ruído é baixo e o nível de detalhes agrada, sem exagerar no filtro de nitidez como fazem alguns concorrentes. O sensor Quad Pixel reúne quatro pixels em um, o que significa que você terá fotos de até 16 megapixels no modo padrão. É possível ativar a função Ultra-Res, que salva imagens de 64 megapixels, mas o processamento demora muito e os ganhos não compensam.

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Em ambientes internos, com iluminação artificial, a definição cai bastante mesmo com uma lente de abertura grande: detalhes mais finos são perdidos e ruídos em áreas de sombra começam a surgir. Mas a qualidade continua dentro do esperado para um aparelho novo dessa categoria — só decepciona se você compará-lo com um topo de linha de geração passada, que já desvalorizou bastante no varejo.

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O modo Night Vision cumpre o papel de tirar uma foto noturna com ruído controlado, mas eu mantenho minhas críticas quanto ao pós-processamento da Motorola, que satura demais as cores e exagera na exposição: às vezes, uma noite fica parecendo um fim de tarde, de tanto ganho nas sombras e no contraste. De qualquer forma, o resultado deve agradar a maioria das pessoas, principalmente aquelas que só vão visualizar as fotos em tamanho reduzido no seu Instagram.

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

E a câmera macro? Bom, ela continua bem ruim. A Motorola insiste tanto nesse sensor de 2 megapixels que faz parecer que ele só está ali para cumprir tabela e aumentar o número de buracos na traseira dos celulares mais acessíveis. Apesar de ter a vantagem de focar a uma distância menor, a lente com abertura f/2,4 não ajuda muito na definição e no alcance dinâmico da imagem, capturando imagens com pontos de luz estourados e com ruído. Os usuários provavelmente ficariam mais felizes com uma lente ultrawide.

Foto com a câmera macro do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera macro do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera macro do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera macro do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera macro do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera macro do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Já a câmera frontal de 16 megapixels não desaponta. As selfies são detalhadas e as cores agradam pelo equilíbrio nos tons. Mesmo em ambientes internos, os resultados continuam bons, sem um aumento tão grande no ruído e com um modo retrato fazendo um bom trabalho no recorte do sujeito para desfocar o fundo.

Foto com a câmera frontal do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera frontal do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera frontal do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera frontal do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera frontal do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera frontal do Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Hardware e bateria

O hardware do Moto G9 Power tende a oferecer resultados semelhantes aos do Moto G9 Play, que é equipado com o mesmo processador Snapdragon 662 e 4 GB de RAM. É estranho falar isso de um chip da série 600 da Qualcomm, que até pouco tempo atrás estaria dentro de um intermediário premium, mas o motor do Moto G9 Power entrega um desempenho básico, com algumas engasgadas aqui e ali quando muitos aplicativos estão abertos, embora nada muito grave.

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Aplicativos do dia a dia, como Facebook, WhatsApp e Instagram, rodam sem reclamar, como deveria ser em qualquer celular. Jogos com gráficos mais pesados, como Asphalt 9, até são executados com tudo no máximo na GPU Adreno 610, mas o resultado é pior que Cyberpunk 2077 no PlayStation 4 Slim. É melhor dosar as expectativas e reduzir as configurações para obter mais fluidez durante toda a jogatina.

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

A bateria, que é o grande chamariz do Moto G9 Power e foi reforçada no nome do produto, me surpreendeu (e olha que eu tinha expectativas altas). Como estou mais tempo em casa e usando menos o celular, já cheguei a ficar três dias sem carregar o componente de 6.000 mAh, com pouco mais de 12 horas de uso de tela. A porcentagem de bateria demora tanto para cair que até pensei que o indicador de carga estivesse com algum bug.

No teste padrão de quarentena, com três horas de Netflix, uma hora de navegação na web e meia hora de Asphalt 9, com Wi-Fi e brilho no máximo, a bateria do Moto G9 Power passou de 100% para 56%, um resultado excelente. Na prática, a maioria das pessoas deve carregar o aparelho só a cada dois dias. O adaptador de tomada TurboPower de 20 watts, incluso na caixa, abasteceu o smartphone de 3% para 100% em exatamente 2h31min.

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Vale a pena?

O Moto G9 Power é um smartphone claramente focado em quem não quer se preocupar com bateria e cumpre bem esse papel. Na prática, para boa parte dos usuários, a autonomia pode ser até maior que as 60 horas prometidas pela Motorola e, se você não é o tipo de usuário que costuma jogar no celular, é quase certo que só deverá procurar o carregador uma vez a cada dois ou três dias.

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Motorola Moto G9 Power (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Mas é claro que a Motorola poderia ter feito um trabalho melhor em vários pontos. O principal rival na faixa de preço é o Galaxy M31, que tem desempenho semelhante e mesma capacidade de bateria, mas traz um painel AMOLED Full HD+ e um conjunto óptico mais útil: existe uma câmera macro de 5 megapixels na Samsung, mas também uma lente ultrawide para fotografar paisagens.

A opção da Motorola faz sentido para quem coloca o tamanho da tela em primeiro lugar, já que é difícil competir com as 6,8 polegadas do Moto G focado em bateria. Se eu gostei do Moto G9 Power? Eu adorei: celulares com muita autonomia sempre me dão aquela liberdade de andar por aí sem nem pensar em cabo, carregador ou power bank. Mas não dá para ficar sem olhar para a concorrência.

Moto G9 Power

Prós

  • Bateria para mais de um dia
  • Câmera principal tira boas fotos dentro da categoria
  • Desempenho não decepciona no dia a dia
  • Muita capacidade de armazenamento

Contras

  • Motorola, desiste da câmera macro de 2 megapixels, por favor
  • Política de atualizações piorou com o tempo
  • Tela poderia ter resolução maior
Nota Final8.3
Tela
7
Design
8
Câmera
8
Bateria
10
Software
8
Desempenho
9
Conectividade
8

Especificações técnicas

  • Tela: IPS LCD de 6,8 polegadas com resolução HD+ (1640×720 pixels);
  • Processador: Qualcomm Snapdragon 662 octa-core de até 2,0 GHz com chip gráfico Adreno 610;
  • RAM: 4 GB;
  • Armazenamento interno: 128 GB (com entrada para microSD de até 512 GB);
  • Câmera frontal: 16 megapixels (f/2,2);
  • Câmera traseira tripla:
    • Principal: 64 megapixels (f/1,7);
    • Macro: 2 megapixels (f/2,4);
    • Sensor de profundidade: 2 megapixels (f/2,4);
    • Flash LED, gravação de vídeo em Full HD a 60 fps;
  • Bateria: 6.000 mAh com carregamento TurboPower de 20 watts;
  • Conexões: 3G, 4G, Wi-Fi 802.11/a/b/g/n/ac, Bluetooth 5.0, rádio FM, entrada para fone de ouvido de 3,5 mm, USB-C;
  • Sensores: acelerômetro, proximidade, giroscópio, luz ambiente, leitor de impressões digitais (traseira)
  • Sistema operacional: Android 10 com promessa de atualização para Android 11
  • Dimensões e peso: 174,2×76,8×9,7 mm, 221 gramas.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
9 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Islan Oliveira (@Islan_Oliveira)

Motorola ultimamente é rainha de fazer downgrade em atualizações de uma mesma linha, que ridículo.

Matheus Motta (@Matheus_Motta)

É triste oq a Motorola se tornou

imhotep (@imhotep)

Eu achei interessante o aparelho, apesar da decepção com a tela.
Ao menos colocaram o NFC, que considero importante. A câmera achei adequada, considerando que a Motorola nunca foi de ter câmeras boas.
Mas a bateria…tb acho fundamental não ter que se preocupar com bateria durante o dia. A coisa mais chata é ter que ficar andando com um powerbank por causa disso.

Não sei se eu compraria (talvez optasse pelo Samsung).

Matheus Aguiar (@Matheus_Aguiar)

Pra mim, agora que a Motorola fez certo, como o nome diz, o Power tem de focar em consumo energético e eficiência, não ser uma versão do Plus com mais bateria e câmeras piores, como ocorreu no G8 Plus/ G8 Power. Processador e tela desse aparelho claramente foi focado em durar mais, por isso a escolha do HD+ e SD 662, e adicionaram recursos úteis como NFC (Inter agora já é compatível, caso interesse alguém) e Wi-fi 5Ghz (finalmente hein). O maior fail em minha opinião foi o carregador 20w, podiam ter posto o de 45w ou 30w, mas detalhes, ninguém morre não até pq o celular dura muito e a tela podia ser menor pra consumir menos energia, seguindo a proposta dele de duração.

Leonardo Costa Porto dos Santos (@Leonardo_Porto)

Uma vez no amoled, dificilmente volta-se pro LCD. É um dos motivos do por quê não saio da Samsung

Paulo Higa (@higa)

@imhotep @Matheus_Aguiar A versão brasileira do Moto G9 Power não tem NFC, diferente do que dizia a primeira versão do review. O aparelho vem com o Google Pay e mostra aquela mensagem de “Ativar pagamentos por aproximação”, mas depois não permite ativar de fato o recurso. Corrigi o texto e removi a menção ao NFC.

O artigo de suporte da Motorola diz que “only some versions of this phone, sold in certain countries, support this feature”. Infelizmente ficamos de fora.

imhotep (@imhotep)

Que mancada da Motorola!

Rodrigo Pereira (@rpereira)

Alguém sabe explicar por q motivos a quantidade de memória RAM parou de subir nos smartphones? Não consigo ver sentido em intermediários de hj com a mesma RAM dos intermediários de 2018! Quase 2.000 reais pra ter a mesma memória RAM e as mesmas limitações do meu Moto G6 Plus de anos atrás? Pq isso?

CAV (@cav)

Era pra ser o sucessor do Moto G8 Power, mas acabou sendo o do Moto G8 Power Lite.
Será que ainda teremos um Moto G9 Power+?